Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Escrita E Fala>Discursos>Resumo de O que eu quero é escrever

O que eu quero é escrever

Resumo do Personal Experience   por:jbcampos    
ª
 
O que eu quero é escrever

jbcampos

Desculpe-me leitor-amigo

Por quem morro de paixão.

Termo há muito batido,

Porém, estoura de incontido

Este encanecido coração.

Vou escrever para crescer

Com o desejo altaneiro

De lhe conhecer.

Já tendo muitos janeiros

Vou escrever primeiro

Pra ver o que vai acontecer.

Ah... Pensando bem

Qual é o perigo que tem

Se você vai ou vem...

Se de avião, carro ou trem...

Se você é cavalheiro por inteiro,

Pobre, rico, fino ou encrenqueiro...

Quero cumprir a minha missão

E apenas escrever com o coração,

Sendo verdadeiro na minha intenção,

E exijo que você seja o meu irmão.

Até porque é um caso de Eva e Adão.

É o mínimo que posso fazer...

A desculpa pela desculpa

A desculpa é o refúgio, senão,

Subterfúgio do autoperdão.

Sempre o outro é o culpado,

Mesmo longe do outro lado.

Para que o meu pecado seja expurgado

E para inculpar o meu irmão.

É um pensamento atrasado,

Porém, é a minha ignara razão...

Ah... Se não fosse isso...

Ah... Se não fosse aquilo...

É o homem em seu estilo

Armando-se à ouriço.

- Será serelepe, esquilo?

É a consciência a serviço.

Cabeça cheia de grilos...

Ou será o caminho do hospício?

Por que se é assim?

Seria por frustração,

Ou a razão do fim?

É a fragilidade humana

Qual bola de cigana,

Veja se não se engana

Com essa cebola

Boleando em sua mão.

Sem a mente tola

Seguindo sempre a razão.

Desculpa é bambolê de otário

Que sem nenhum salário

Faz rebolar

Sem sair do lugar.

Cavalheiro atrevido

Psiu, que mulher mais bela...

Sem o menor pudor...

Sou casada meu senhor

isto não lhe causa palor?

O que é palor?

Além de atrevido, ainda é ignorante...

Quando escrevo, morro em mim

Quando escrevo morro em mim

Fico apossado de algum serafim...

Sinto-me tão pleno nem sei de que...

Nem quero saber o porquê...

O prazer é extasiante

Que só quero ir adiante.

Já sou envelhecido

De tanto escrever.

Às vezes perco o sentido

Sem nada poder ver,

Aí é que garro a escrever.

Parece-me que vou morrer escrevendo...

Que prazer esfuziante

Viciado nas letras

igual à borboleta,

assento-me na flor,

como também na dor.

Seja lá como for,

a escrita me embriaga,

mas não me estraga

por descrever o amor.

Só tem um porém,

não sei direito o que é o amor.

Se você sabe, por favor;

mande-me por e-mail

mesmo que venha do além...

Recebe-lo-ei sem receio.

Obrigado, grande mensageiro...

De onde vem essa ansiedade?

Há momentos de alegria,

e também os de tristeza.

Tanto faz na freguesia

como na realeza...

São os valores mentais

cada um com seus que tais...

Velhos ancestrais

ou jovens demais...

No fundo somos todos iguais.

"A esperança é a última que morre"...

Assim aconteceu

Com o espanhol, Duziteu.

Era muito amigo meu

Quando um dia entristeceu,

A sua esperança, morreu...

Ah... Aquela bondosa senhora

Chamava-se dona: Esperança;

Que há muito fizera aliança

Com o meu amigo de outrora.

Não adianta, quando chega à hora

Até a Esperança vai embora...

Fazer o quê?

Eu nada posso fazer!

Publicado em: 23 junho, 2010   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.