Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Sociedade E Notícias>Política>Resumo de Contra a Divisão do Estado de Mato Grosso

Contra a Divisão do Estado de Mato Grosso

Resumo do Artigo   por:Jossivan     Autor : Jossivan Fernandes dos Santos
ª
 

     No bojo da questão da redivisão territorial, o assunto da divisão do Estado de Mato Grosso voltou, novamente, reacendeu de forma mais intensa a polêmica que o envolve. A pretensa criação do futuro Estado do Araguaia, Estado de Mato Grosso do Norte e ainda por fim outro projeto apresentado pelo deputado federal Fernando Gabeira, para criação do Estado do Pantanal, desde já, suscita muita discussão e aprofundará debates acalorados. Atualmente, tanto no meio político como no seio da sociedade mato-grossense, as opiniões são divergentes, e a minha posição sobre a divisão sou a contra.
    E não se podem esperar comportamentos diferentes já que a contenda abarca nos âmbitos estadual e federal aspectos geopolíticos, socioeconômicos, interesses e equilíbrio federativo e, sem dúvida, arraigados sentimentos pessoais. A matéria é tão apaixonante e de difícil encaminhamento que no último século, efetivamente, só tivemos duas divisões territoriais para a criação de novos Estados. 
    A propósito da redivisão do País, reafirmo meu ponto de vista de que o caminho ideal e definidor do sentimento do brasileiro sobre a questão visto o grande impacto que a ruptura causará no pacto federativo, deve acontecer sob consulta plebiscitária nacional. O povo brasileiro, em última instância, é que deve decidir, já que caberá a ele, também, o ônus tributário da nova conformação geográfica e política do Brasil.
     Mas, retornando à questão da divisão de Mato Grosso, volto a discordar da proposta que tramita no Congresso Nacional. Entendo que se é para dividir que tal aconteça de forma mais abrangente, mais consentânea com a realidade socioeconômica e que sejam respeitadas as convergências naturais e culturais, resguardando-se ainda um mínimo de homogeneidade histórica, mantendo-se, inclusive, maior equilíbrio espacial entre as unidades criadas, enfim que se abandonem soluções transitórias, meramente políticas, e se pense em resolução definitiva, racionalmente fundamentada no melhor aproveitamento do espaço e dos recursos existentes em cada região que formará a nova unidade federativa.
      Acredito que por aqui, onde a pretensão da criação do futuro Estado do Araguaia, do Norte e Pantanal é fato público, ainda sem unanimidade, a polarização acontecerá entre as correntes situadas dentro do próprio espaço territorial do pretendido Estado.
     Do ponto de vista econômico, a redivisão territorial traria perdas enormes para Mato Grosso, uma vez que vários municípios economicamente importantes para arrecadação estadual. No campo turístico também, pois os municípios pantaneiros estariam em outros estados. O estado estaria alavancando a sua economia nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande, Rondonópolis através da prestação de serviços, pois os principais centros que polarizam o atendimento no setor, pois estas unidades federativas não teriam estruturas para atender de imediato a demanda de serviços.
    O processo de emancipações municipais foi facilitado com uma prerrogativa de os estados federados estabeleceram normas para sua criação. A partir de então, as assembléias legislativas estaduais passaram a ter nas mãos um enorme bolo, de sabores variados, quando ao indicar a criação de municípios, elegerem-se, eleger e locar parentes, além de manipular cargos e empregos.

    Dentro desse contexto sou contra a criação de novos municípios. Pois diversos destes emancipados encontra-se em total descaso na área da saúde, saneamento básico e, sobretudo na educação, nas partes sociais, políticas, econômicas onde está estruturas administrativas onera os cofres públicos, pois ao se criarem municípios, há aumento de despesas com vereadores, prefeitos, vice-prefeitos, assessores e burocratas.
Com relação ao processo de formação do nosso território, no nosso Mato Grosso, tivemos vários perdas:
Após a Proclamação da República, a nova Constituição transformava as províncias em Estado, o território mato-grossense que à época incluía os atuais estados de Mato Grosso do Sul e de Rondônia, onde possuía uma área de 1.447.041Km2.
Em 1943 foi criado o território de Ponta Porã, desmembrado de Mato Grosso, ao longo da fronteira com a Bolívia e com o Paraguai. Criado com a finalidade de garantir a presença brasileira nas regiões de fronteiras num momento em que a Segunda Guerra Mundial ameaçava chegar á América do Sul, nem chegou a ser implantado e onde foi extinto pela Constituição de 1946 e reintegrado ao estado de origem. No ano de 1943 que surge o Território do Guaporé, formado por terras antes pertencentes à Mato Grosso fica com uma área de pouco mais de 1.230.000 Km2. Em 1981 o território do Guaporé transforma-se em estado com o nome de Rondônia.
Em 1977, Mato Grosso perdeu terras para a criação do estado de Mato Grosso do Sul, apesar de continuar sendo o 3º maior estado do Brasil em extensão territorial com a área de 801.000 km2. Com avanço da tecnologia foram realizados novos trabalhos de medições no estado da década de 80 e foi registrada uma área de 881.001 km2. Já na década de 90 mais duas medições foram realizadas a primeira com 901.420,7 km2 e segunda em 1994 acusando 906.806,9 km2 esta considerada a área oficial de Mato Grosso pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, com esta conclusão deste a transformação das províncias em estado Mato Grosso perdeu uma 7.621,3 km2

REFERENCIAS BIBLIOGRAFIAS
BARBOSA, Neurozito Figueiredo. Mato Grosso Aspectos Naturais, A posição Geopolítica do Estado de Mato Grosso, Criações e Emancipações de Municípios em Mato Grosso.
SANTOS, Gelson. Redivisão Territorial de Mato Grosso.Geógrafos Formado Pela UFMT.
SIQUEIRA, José Luiz. Redivisão Territorial de Mato Grosso.Geógrafos Formado Pela UFMT.

 

Publicado em: 09 maio, 2011   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    eu quero os aspectos economicos e politicos favoraveis para a divisao de ms Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quem foi o presidente que emancipou o estado Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais os pontos negativos da divisao de mato grosso remanescente Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUAIS OS PONTOS POSITIVOS PARA MATO GROSSO DEPOIS DA DIVISAO Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual a análise s/impacto ambiental após a criação do Mato grosso do Sul? Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 2. Jean Carlos

    Parabéns professor Jossivan

    Olá professor sempre gostei das suas aulas são loucas,com debates e alegre principalmente quando o senhor da liberdade para os alunos e também respeitar a nossa opinião.

    1 Classificação sexta-feira, 14 de outubro de 2011
  2. 1. Julio

    Divisão do Estado

    Olá Jossivan parabéns pelo estudos, é e isto ai mesmo não tenho que divisão do estado para não gerar mais empregos para ele mesmo e os parentes. Julio, Varzea Grande_MT

    1 Classificação quarta-feira, 13 de julho de 2011
X

.