Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Sociologia>Resumo de As REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO

As REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO

Resumo do Livro   por:Naninha_Al     Autor : EMILE DURKHEIM
ª
 

Para Durkheim o indivíduo, de maneira isolada, não pode ser considerado ideal para o estudo da Sociologia,  elemento inadequado para o estudo e a compreensão apropriada do conceito de “fato social”. O que interessa à vertente durkheimiana é o enfoque do indivíduo inserido em uma realidade social objetiva que, encontrando-se acima dele, caracteriza-se por ser grupal e, coletivo.

     Durkheim foi um dos pioneiros na análise dos fatores coercitivos que levam o indivíduo, a se moldar segundo os parâmetros historicamente impostos pelo grupo social, no qual encontra-se circunstancialmente inserido. Esta estruturação do indivíduo nos padrões preestabelecidos e exteriores ao próprio, perpassa pelo psicológico, pelo moral, pelos hábitos, costumes, comportamento, e por toda a sua cultura. Processo esse, inconsciente, e determinante no sentido de conferir um maior ou menor engajamento social do indivíduo nos processos coletivos que permeiam as atividades sociais. Ele se preocupa em analisar a maneira pela qual o meio social, através de aparelhos de coerção e da própria instituição educativa, contribui para regular, controlar e moldar permanentemente o comportamento individual, tornando os processos coletivos aparentemente harmônicos e estáveis.

      Para o autor, a conversão do indivíduo acontece desde cedo, importando para a garantia da coexistência pacífica entre os indivíduos que, por sua vez, tornará possível uma convivência coletiva estável e pacífica. Em seu livro “As Regras do Método Sociológico”, o autor afirmar que quando nascemos, crenças e práticas religiosas já se encontravam prontas. Independe de nós, porque existe antes de nós.                                                                                                                                 

      Segundo Durkheim, os processos coletivos, em termos de análise acadêmica, possuem uma incontestável primazia sobre os indivíduos obrigado-os a transitar desde o nascimento, em torno de algo naturalmente imposto que regule e molde permanentemente suas vontades individuais ou o seu egoísmo/individualismo, permitindo uma convivência, mesmo que conflituosa, do homem em sociedade.

     Sendo assim, o indivíduo, resume-se psicologicamente em controle de impulsos. Salientando que a análise durkheimiana é coletiva, e não individual. Para ele, qualquer conflito deve ser superado.

     Sobre a teoria da socialização ou entrada do indivíduo na sociedade, segundo o autor, esta consiste, num esforço de impor às crianças regras e maneiras de ver, sentir e agir às quais elas sozinhas, não chegariam espontaneamente. As crianças são treinadas a beber comer e dormir em horários regulares; formar hábitos higiênicos, ser calmas e obedientes; também são obrigadas a pensar e respeitar os outros; posteriormente, são forçadas a trabalhar.

     Faz parte da educação, formar o ser social como este se constitui através da história. Consciente de que, a pressão sofrida pela criança é a pressão do meio social tendendo moldá-la à sua imagem e semelhança.

     Para Durkheim, o indivíduo ingressa na sociedade quando, dentro dela nasce. Desde o nascimento, já começa a ser moldado pelas instituições que compõem a sociedade: primeiro, com influência da própria família, depois, do bairro, município, e da  escola, etc.

      Daí pra frente, o indivíduo assimila (ou não), em questão de hábitos e atitudes, toda forma de lei não escrita de convivência de seu grupo. Geralmente, o indivíduo procura agregar as regras do grupo ao seu sistema individual de valores, procurando agir em conformidade com o grupo, pois sabe que estará fora dele, se assim não proceder. De acordo com os processos coletivos sociais, quando isso não ocorre, o indivíduo se marginaliza em relação aos processos sociais coletivos.  Fato este, considerado por Durkheim, como um suicídio social, que leva o indivíduo ao suicídio de fato. O autor não confere o enfoque puramente psicológico ao fato de alguém se suicidar, pois, como sua análise dos fatos é sociológica, ele busca uma fundamentação social e coletiva para as manifestações suicidas individuais: o suicida, por algum motivo dentro de seu grupo, se mata por se encontrar às margens da sociedade, por não ter encontrado identificação no seio grupal, encontrando-se solitário e isolado.

     O fato social encontra-se intrinsecamente relacionado aos processos culturais, hábitos e costumes coletivos de um determinado grupo de indivíduos ou sociedade, que, além de conferir unidade e identidade ao grupo social, serve de controle e parâmetros às atividades individuais que, em princípio, não causam desarmonia no corpo social, ou na convivência oriunda das relações individuais.

     O pensar, sentir e agir de forma grupal são elementos que irão permear a ideologia do pertencer histórico grupal, independente de existência ou não de conflitos. Daí verificar que numa mesma sociedade, a existência de grupos diversificados, complexos, com ideologias diversas, convivem dentro da mesma cultura . O que reforça a existência dos conflitos de idéias contrárias que por sua vez estimula o sucesso da ideologia dominante e mascara uma falsa harmonia na realidade social. E, quando estes não funcionem, a coerção policial se faz presente.
     Assim, a ideologia dominante, passa a ser vista como um conjunto de formas cristalizadas de pensa, sentir e agir das elites hegemônicas, em nível simbólico, numa espécie de sedação para sanar a dor da necessária repressão dos desejos individuais. Assim, a ideologia do grupo, passa a ser vista como amortecedor para os desejos individuais, procurando conciliá-los, sempre que possível , aos interesses da coletividade que, estando acima dos interesses individuais ou oligárquicos, com  capacidade de promover o bem comum.

 
       Concluímos que, na visão durkheimiana, o acontecimento de um fato social é um fenômeno coletivo, requer aceitação da maioria, não devendo ser confundido com o consenso geral, pois, em sociedades mais complexas,  os conflitos de idéias devem ser considerados elementos naturais na dialética das relações interpessoais do ser humano, e estas relações,  permeiam nossa vida social, coletiva e cotidiana.



Publicado em: 02 maio, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    A obra de Durkheim foi escrita numa perspectiva funcionalista, que enfatiza os mecanismos pelos quais a sociedade busca superar os conflitos e atingir a integração social? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    um contraponto da importancia da sociologia no trabalho do pmação do Pedagogo? rofessor? e para for Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o metodo sociologico? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    regras relativas a contituição dos tipos sociais Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    que característica da escola positivista podemos encontrar neste resumo ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    que caracteristica da escola positivista podemos encontrar neste resumo. terça-feira, 9 de abril de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    o que é fato social? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    por qual motivoo, surgiu os metodos da sociologia ?? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    relatorio desse resumo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como seria a resenha do livro as regras do metodo sociologico? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    que justificativa o autor apresenta? qual a tese do autor? qual seu objetivo geral e qual o objetivo especifico que o autor coloca da sua tese? Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.