Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Psicologia>Resumo de Fritz Perls e a Gestalt-Terapia. (Teorias da Personalidade).

Fritz Perls e a Gestalt-Terapia. (Teorias da Personalidade).

Resumo do Livro   por:AneleLima     Autor : James Fadiman
ª
 
FREDERICK S. PERLS E OS PRINCIPAIS CONCEITOS DA GESTALT-TERAPIA.

Nascido em Berlim, em 1893, filhos de pais judeus, Fritz Perls recebeu uma forte influência do teatro, do qual fez parte durante um determinado tempo de sua vida.

Após um dado período, especializou-se em Psiquiatria e juntou-se ao exército na primeira guerra mundial. Na volta da guerra, juntou-se ao bastante influente grupo de estudos “Bahaus”.

Em 1927, começou seu treinamento psicanalítico. Ao longo de seu percurso, Perls entrou em contato com diferentes teorias do conhecimento. Além da base psicanalítica, conhece também a teoria organísmica, o existencialismo, o perspectivismo de Nietzsche, dentre outras teorias, em que vê uma possibilidade de uma integração dos conhecimentos em favor do sujeito.

Muitos anos depois, Perls rompe abertamente com toda rigidez encontrada por ele no movimento psicanalítico, e em 1946, imigra para os Estados Unidos. Lá, prossegue seus trabalhos, dessa vez desenvolvendo a teoria da Gestalt-Terapia. E em 1952, funda o Instituto Nova-Iorquino da Gestalt-Terapia.

O surgimento da Gestal-Terapia se deu a partir das inúmeras influências teóricas, filosóficas, organísmicas e ideológicas, que observam o indivíduo com um todo, e não de forma analítica, onde o sujeito é visto de maneira separada.

Um de seus primeiros conceitos elaborados é o da auto-regulação organísmica, onde Perls observa (diferentemente da psicanálise) a maneira que crescemos dentro de nossas próprias possibilidades, buscamos o equilíbrio e tendemos para a vida.

Logo em seguida, estabelece um conceito denominado “todo e parte”. Para Perls, as partes sempre falam a respeito do todo vivido pelo ser humano, ou seja, qualquer aspecto do comportamento de um sujeito pode ser considerado como uma manifestação do todo, sendo assim, não podem ser vistos separadamente.

Outra contribuição importante para a Gestalt-Terapia vêm da escola da Gestalt, que é o conceito de figura e fundo. A percepção de uma figura, nesse processo, vai sempre surgir através de uma hierarquia das necessidades sentidas pelo sujeito.

Ainda partindo do conceito de figura e fundo, podemos esquematizar o processo de abertura e fechamento de uma gestalt da seguinte forma: primeiro abre-se uma gestalt a partir do surgimento de uma necessidade mais emergente ao indivíduo (figura), logo em seguida, após a satisfação dessa necessidade, a gestalt é fechada, para o aparecimento e de novas necessidades e satisfações.

Uma observação importante a se fazer é que, se a gestalt não for fechada, as mesmas necessidades não satisfeitas sentidas pelo sujeito voltarão. E se for o caso Ed o sujeito não conseguir trocar de figura (necessidade) durante o processo, ele permanecerá num ciclo patológico de adoecimento.

Outro conceito bastante especial na Gestalt-Terapia pé o “aqui e agora”. Diferentemente da forma como a psicanálise vê o passado do sujeito no processo terapêutico, a Gestalt-Terapia enxerga o passado como um fator ainda presentificado, ou seja, apesar dos aspectos passados fazerem parte da história do indivíduo, o sujeito deve viver com sua atenção voltada para o presente/agora (todo).

A preponderância do como sobre o porquê também é um dos conceitos formulados por Perls na Gestalt-Terapia, que enfatiza a importância da compreensão da experiência de uma forma “racional”, ou seja, a compreensão do porquê de se fazer algo. Partindo dessa ideia, o nosso “como” deveria constituir o nosso “por que”, ou seja, o modo como sentimos deveria ser o motivo pelo qual agimos.
Publicado em: 09 abril, 2013   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.