Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Psicologia>Resumo de Família com filhos pequenos

Família com filhos pequenos

Resumo do Livro   por:Veronica_Estrela     Autor : A. Relvas
ª
 

  Com o nascimento do primeiro filho a díade alarga-se a uma tríade, havendo uma redistribuição de papéis e funções a três níveis: no seio do casal, na relação entre o casal e as famílias de origem e nas relações com os contextos envolventes mais importantes (profissional, amizades, redes de suporte social). Normalmente, o nascimento do primeiro filho ocorre 2 anos após o casamento, contudo existem factores que determinam esse tempo (religião, condições económicas e profissionais da família). Actualemente, assiste-se a um adiamento no tempo relativamente à decisão de ter filhos, que será tanto maior quanto maior é o grau de instrução da mulher e o rendimento económico do marido.
    A criança surge na família como o ser que traz consigo a felicidade que faltava. No entanto, existem estudos que mostram que o nascimento de um filho não acarreta apenas felicidade, pois mesmo os casais estáveis demonstram um decréscimo na intimidade e satisfação conjugal. Este período é quase sempre um tempo de alegria e satisfação, sendo a parentalidade enriquecedora a nível individual e familiar. Contudo, a sociedade espera que todos os cuidados sejam assumidos pelos pais, sendo estes responsabilizados pelo sucesso ou fracasso dos filhos, vivendo uma compreensível ansiedade e tensão.
    Conjugalidade e parentalidade não significam o mesmo, apesar de se aproximarem. A conjugalidade diz respeito à função conjugal, enquanto que a parentalidade se refere à função parental, à qualidade parental: maternidade ou paternidade. Nesta etapa do ciclo vital há uma transição na centralidade da vida familiar, que se move da função conjugal para a parental. A parentalidade não diz apenas respeito ao modelo materno ou paterno, ela engloba ambos os modelos.
    A parentalidade organiza-se na família resultado da articulação de 4 modelos inerentes a esta função: cada elemento do casal traz consigo uma dupla representação dos modelos maternal e paternal aprendidos na sua família de origem. Para que haja um funcionamento familiar adequado devem compatibilizar-se as quatro parentalidades e reavaliar constantemente os comportamentos associados à parentalidade, conforme o tempo e o contexto em que se desenvolve.

    Com o nascimento do primeiro filho assiste-se a uma complexificação da estrutura familiar, pois casal, pais e filho constituem três níveis bem identificados na estrutura familiar: subsistema conjugal, parental e fraternal.
    Há, agora, duas gerações diferenciadas em termos de capacidades, potencialidades e necessidades: uma portadora de cuidados e outra objecto dos mesmos. Existe uma hierarquia que estabelece fronteiras intergeracionais, levando ao exercício da autoridade dos pais sobre os filhos, sendo a regulação do poder uma das tarefas principais do subsistema parental. Há que estabelecer limites entre gerações e subsistemas, pois a criança não deve interferir na relação conjugal.
    Nesta etapa, a uma relação (conjugal), juntam-se mais três (pai-mãe), (pai-filho) e (mãe-filho), surgindo a primeira triangulação. Também pode acontecer que um dos cônjuges não consiga adaptar-se à situação e se afaste um pouco, existindo, assim, uma família nuclear intacta, mas equivalente a uma família monoparental.
    Com a chegada do segundo filho verificam-se dois processos em termos de estrutura familiar: complexificação e diferenciação. O subsistema fraternal é o primeiro grupo de iguais que o ser humano conhece, no qual se aprende a cooperar, liderar, competir, rivalizar e negociar.
    Uma das funções da família é a socialização das gerações mais novas, pelo que a abertura do sistema se verifica nesta fase em relação às famílias de origem e à comunidade. A família com filhos pequenos vai entrar em relação em outras famílias em fase de desenvolvimento semelhante, por meio dos contactos entre os filhos e por meio das instituições com as quais vai interagir.

Publicado em: 09 novembro, 2010   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.