Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Educação>Resumo de Avaliação, MITO E DESAFIO

Avaliação, MITO E DESAFIO

Resumo do Livro   por:LuliSampa     Autor : jussara hoffman
ª
 
Avaliação - Mito e Desafio, Jussara nos apresenta situações vividas em sala de aula para que possamos refletir sobre o verdadeiro significado da avaliação. O livro traz os seguintes assuntos - avaliação e construção do conhecimento; avaliação - mito e desafio; imprecisões da terminologia - o significado do testar e medir; avaliação enquanto mediação; avaliação na pré-escola; por uma ação libertadora; imagens representativas de avaliação. '

Capitulo 1: Avaliação e construção do conhecimento

De acordo com o texto, a avaliação é essencial à educação desde que tenha a perspectiva de ser problematizadora e que vise o questionamento e a reflexão sobre a ação.

Muitos educadores e políticos lutam para denunciar a função seletiva e discriminatória das notas e conceitos, alertando para os prejuízos sociais decorrentes da reprovação.

A avaliação é a reflexão transformada em ação. Essa ação se transforma em uma nova reflexão. Reflexão permanente do educador sobre sua realidade.

A avaliação, na perspectiva de construção do conhecimento parte de dois pressupostos básicos: confiança na possibilidade dos alunos construírem suas verdades e valorização de sua manifestação e interesses.
Capitulo 2: Avaliação: mito e desafio
Do ponto de vista da autora configura-se a avaliação educacional, em mito e desafio. O mito é decorrente de sua história que vem perpetuando os fantasmas do controle e do autoritarismo há muitas gerações. Os professores reduzem a avaliação a uma prática de registro de resultados sobre o desempenho do aluno. Avaliar é julgar o resultado do trabalho da criança após o término deste, nele demonstrando comportamentos definidos, aprovação/reprovação, que reforça o autoritarismo de cunho sentencioso, sendo o fenômeno avaliação, ainda hoje, algo indefinido, desconsiderando a mútua coordenação dos pontos de vista e das ações (reciprocidade – Piaget).

Avaliação construtivista e libertadora deverá encaminhar a um dialógico e cooperativo onde o professor e alunos aprendem sobre si no ato próprio da avaliação. As relações de poder que se travam em nome dessa prática são reflexos de uma sociedade liberal e capitalista, que se nutre de exigências burocráticas para mascarar o seu verdadeiro descaso com a educação em todos os níveis.

Capitulo 3: Impressões da terminologia: o significado do testar e do medir

Neste capítulo a professora questiona, entre outras coisas, o que significa testar e medir na avaliação, relatando, então, por meio de suas pesquisas discussões variadas, e constantes embates entre os professores acompanhados por ela, cada um procurando defender seus argumentos completamente contraditórios.

Medir é verificar a extensão, quantidade, volumes e outros atributos dos objetos e fenômenos, expressa em escalas ou graus numéricos (nem todos os fenômenos podem ser medidos). Arbitrariedade na atribuição de graus e conceitos acontece por métodos impressionistas e por comparação.

A medida; uso de notas, reforça um mecanismo de competição e seleção na escola. A medida em educação deve resguardar o significado de um indicador de acertos e erros para ser útil.

Interrogar sobre o significado dos erros para repensar uma didática científica, desvincular a interpretação dos testes, dos resultados numéricos obtidos.

A ação avaliativa de acompanhamento e reflexão necessita de consistência metodológica. A elaboração de TESTES válidos é uma tarefa complexa que exige domínio da tecnologia de testes e da área de conhecimento em questão.

Capitulo 4: Avaliação como Mediação

O que a autora pretende introduzir nesse texto é a perspectiva da ação avaliativa como uma reorganização do saber. Professor e aluno buscando coordenar seus pontos de vista, trocando idéias, reorganizando-as.

A postura do professor frente às alternativas de solução construídas pelo aluno deveria estar necessariamente comprometida com tal concepção de erro construrivo. Considerar que o conhecimento reproduzido pelo aluno, num dado momento de sua vivência é um conhecimento em processo de superação. A criança aprimora sua forma de pensar o mundo à medida que se depara com novas situações, novos desafios e formulam suas hipóteses.

Levar o aluno a compreender e fazer. Fazer é compreender a ação em grau suficiente para atingir os fins propostos. Compreender é interiorizar as situações até rever os problemas por elas levantados. O fazer significativo na construção do conhecimento.
A questão que deve ser feita é se tal correção favorece a compreensão e o desenvolvimento da autonomia dos alunos.
A correção favorece a compreensão e o desenvolvimento da autonomia do aluno.


Capitulo 5:
Avaliação na educação infantil?

As crianças apresentam maneiras peculiares e diferenciadas de vivenciar as situações, de interagir com os objetos do mundo físico. O que se pretende na pré-escola fundamentalmente é um ambiente livre de tensões e limitações. Educadores disponíveis concretamente a acompanhar e oportunizar vivências enriquecedoras. Os professores estão por demais preocupados com suas metodologias. No entanto, de nada valem as orientações metodológicas se não estiverem fundamentadas em uma concepção libertadora de avaliação.

O fundamento de uma proposta de avaliação para a educação infantil é a disponibilidade real do adulto frente às crianças. Essa disponibilidade pressupõe reflexão e ação permanentes, uma oportunização de vivências enriquecedoras através das quais a criança possa ampliar suas possibilidades de descobrir o mundo, um adulto disponível a conversar e trocar idéias com elas.

Capitulo 6: Por uma ação libertadora

O sentido fundamental da ação avaliativa é o movimento, a transformação.A tarefa do avaliador é de tornar a descoberta em algo melhor. Os professores precisam agir como filósofos, refletindo sobre a problematicidade das situações. A avaliação é essencial à docência, no seu sentido de constante inquietação, de duvida. Um professor que não problematiza as situações do cotidiano, que não reflete passo a passo sobre suas ações e as manifestações dos alunos, instala sua docência em verdades prontas, adquiridas, pré-fabricadas.

Publicado em: 13 setembro, 2011   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    qual o significado mito e desafio Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    exemplifique uma situação de desafio na avaliação em contraponto com o mito Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    diferencados dois termos com critica Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    continuando a pergunta acima há diferença de comportamento e de visão entre os gêneros ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    gostaria de saber qual o sentimento em relação ao aluno/a que mais deixa transparecer no texto? e porque a visão do professor e da professora a respeito do aluno a da aluna? Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.