Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Educação>Resumo de Competências e habilidades: elementos para uma reflexão pedagógica

Competências e habilidades: elementos para uma reflexão pedagógica

Resumo do Artigo Científico   por:Vickin     Autor : Lino de Macedo
ª
 
O autor propõe analisar algumas razões para a importância atual das noções de competências e habilidades para a educação. E, analisar o desenvolvimento de competências e habilidades em relação à autonomia, diversidade, disponibilidade para aprendizagem, interação e cooperação, organização do espaço, organização do tempo e seleção de material.

Por que competências e habilidades hoje?


O direito das crianças a freqüentarem o ensino fundamental é garantido pela constituição,pela Declaração dos Direitos do Homem, pelo ECA, pela LDB. Nele, as crianças poderão formar valores, “normas e atitudes favoráveis à sua cidadania e dominarem competências e habilidades para o mundo do trabalho e da vida social, nos termos em que hoje se expressam” (p.14) O autor diferencia a escola da excelência da escola para todos. Na primeira existe uma série de exigências e padrões. Já na escola para todos, as “deficiências” são investigadas. E as competências e habilidades são o fim, enquanto na escola da excelência essas são um meio. Conclui que a escola para todos abarca a escola da excelência.

Exercício ou problema?

O autor distingue os dois termos. O exercício seria fazer algo que já se sabe, para exercitar. O problema já envolve uma outra dedicação que se refere a resolver algo “desconhecido”, ou que não se tem total domínio. O autor propõe que se leve em consideração essa diferença ao propor atividades para os alunos. 

Competências e habilidades


A noção de que a aprendizagem de conceitos é o centro da função da escola ainda está presente em alguns lugares. No entanto, existem outras demandas que precisam ser “resolvidas” na escola que vai além de assimilar conceitos. Atualmente é necessário ter “conhecimentos” da ordem do “saber fazer”, saber selecionar informações, etc. Com a sempre renovação dos conhecimentos técnicos, é importante “saber aprender”. 

 As três formas de competências

Competência como condição prévia do sujeito, herdada ou adquirida : Nessa primeira definição, competência estaria ligada a algum “talento”, uma certa facilidade para desempenhar algumas tarefas.


Competência como condição do objeto , independente do sujeito que o utiliza. Como exemplo desse tipo de competência poderia ser uma determinada máquina, computador que, independente do sujeito, tem um grande “talento”.  Competência relacional:  Nesse caso, o importante é saber relacionar os conhecimentos e resolver as situações. 

Competência e habilidade

Ter a habilidade de fazer algo não significar ter a competência relacional. Saber ler não significa saber “interpretar” e “compreender”, ou, por exemplo, saber ler em publico, que querer uma competência relacional. “Para dizer de um outro modo, a competência é uma habilidade de ordem geral, enquanto a habilidade é uma competência de ordem particular, específica.”

Competição, competência e concorrência

Competição : A competição é “pedir junto”, e são “requerimentos” simultâneos incompatíveis uns com os outros. Apenas um pode vencer.  Concorrência : A concorrência é “correr junto”. Espera-se que muitas atividades sejam atendidas.  Competência : Como coordenar competição com concorrência? Com competência. “Acho interessante a imagem da competência relacional como a de um jogo em que não se ganha na véspera, mas durante o próprio ato de jogar e que é dependente de fatores que não podem ser criados antes ou depois do jogo. Malícia, domínio de si mesmo, poder interpretar e tomar decisões no contexto da situação-problema, coordenar os múltiplos aspectos que concorrem simultaneamente, etc. são fatores importantes para o que se analisa como competência relacional.” (p.21)

Autonomia como principio didático

Piaget valorizava a autonomia como método didático. Ele usava três princípios pedagógicos: ativo; de autonomia ou autogoverno; de trabalho em equipe ou cooperação. Autonomia como método é permitir que a criança exercite seu poder de pensamento. “Ser autônomo não é ser independente. Ser autônomo é ser responsável pelo que se faz ou pensa. Se pensamos algo, devemos aprender a defender essa opinião, e isso é de nossa responsabilidade.” “A autonomia é uma forma de moral do pensamento que, livre, reflete sobre o objeto, mas que, responsável, não confunde esse pensamento com a própria realidade sobre a qual reflete.”

Aprendizagem significativa e competência relacional:  A aprendizagem significativa é outro termo importante. É preciso ter o desejo de aprender. A aprendizagem significativa é necessidade para um método construtivista, para Piaget.

O método da cooperação e a competência relacional:  Muitas vezes, uma equipe em cooperação é apenas a soma de sujeitos e tarefas e não uma cooperação de fato de sujeitos. Para saber cooperar com outros é preciso ter a competência relacional. É preciso haver colaboração de todos os agentes da escola para que haja um processo educativo construtivista.

Um tabuleiro chamado escola
É extremamente importante que o professor tenha a competência de gerir o espaço e o tempo da sala de aula. “Em uma sala de aula, todos podem, de algum modo, contribuir. Mesmo aquele que fala ou realiza algo muito discrepante ou sem sentido pode ajudar. O problema, de natureza relacional, é como incluir sua participação. Ou seja, a questão é como aproveitar um a expressão humana em favor de algo que é superior a ela. Insisto, o melhor argumento nunca vem só de um lado, nunca é exclusivo das qualidades excepcionais de um sujeito ou objeto. A competência relacional é, por isso, um convite para esquecermos nossa arrogância, para deixarmos de ignorar os ignorantes, os excluídos, os que muitas vezes só podem contribuir de uma forma negativa, perturbadora, desajeitada. 
Mas, essa qualidade de pensar de forma relacional supõe autonomia, cooperação, supõe a coordenação de valores que exigem tempo para sua construção.” (p.27)

Publicado em: 21 outubro, 2009   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser, efetivamente norteiam o trabalho cotidiano dos professores na atualidade? Como e por quê? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Ao trabalharmos habilidades e competências em nossos alunos,trabalhamos também algumas habilidades e desenvolvemos competências em nós mesmos? Quais e por quê? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é competencia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    competencia leitora e competência escritora, como trabalhar e entender? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é mesmo copetencia relacional no serviço social Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    tres açoes que compoem a competencia relacional no serviço social Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    tres açoes para efetivar a competencia relacional no nosso cotidiano Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    oque e autonomia de reflexao? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    exemplo de atividades para desenvolver competencias e habilidades Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    3 ações que o Assitente Social deve realizar para efetivar a competência no se cotidiano Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.