Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Economia>Resumo de Marx - Carater fetichista da mercadoria - Transformação do dinheiro em capital

Marx - Carater fetichista da mercadoria - Transformação do dinheiro em capital

Resumo do Livro   por:zeka     Autor : marx
ª
 
O CARATER FETICHISTA DA MERCADORIA E SEU SEGREDO O que é a mercadoria? É um objeto produzido regularmente com o intuito de ser vendido ou permutado. O que é o caráter fetichista? É o processo pelo qual a mercadoria, ser inanimado, é considerada como se tivesse vida, fazendo com que os valores de troca se tomem superiores aos valores de uso e determinem as relações entre os homens e não vice-versa. Ou seja, a relação entre os produtores não aparece como relação entre eles próprios (relação humana), mas entre os produtos de seu trabalho. Por que os objetos de uso se tornam mercadorias? Os objetos de uso só se tornam, em geral, mercadorias porque são produtos de trabalhos privados executados independentemente uns dos outros, Os trabalhos privados atuam como membros do trabalho social a medida em que os produtos dos mesmos podem ser permutados entre si. Dai descaracterização da relação social entre os homens em detrimento dos produtos. No ínterim de produzir algo útil para ser permutado o produtor já considera que existe um valor, diferente do valor de uso, ao ser produzida a mercadoria, já que as mercadorias podem ser permutadas em diferentes proporções, Duplo caráter social do trabalho privado: - devem satisfazer certa necessidade social, ou seja, ter valor de uso para outros (serem Úteis). - satisfazerem seus produtores a medida em que podem ser permutáveis (existem produtos que lhe equivalem) A partir do momento em que o homem passa a estipular, na troca, quanto produto do seu trabalho equivale ao do outro, ou seja, passa a dar "valor de troca" a seus produtos, pressupõe que seus diferentes trabalhos são iguais, imagina, dessa forma, que existe uma forma de trabalho humano abstrato. Então quando essas proporções de troca tornam-se costumeiras, esse valor de troca parece provir da natureza dos produtos do trabalho. Contudo, o caráter de valor dos produtos apenas se consolida como grandeza de valor. E essa grandeza de valor é dada pelo tempo despendido no trabalho (segredo). Isso implica que o valor das mercadorias são quantidades de tempo e de trabalho coagulados na feitura da mercadoria, por fim essa abstração se materializa na forma dinheiro.
TRANFORMAÇÃO DO DINHEIRO EM CAPITAL
Para Marx, existem duas formas de circulação de mercadorias: A primeira é: O homem produz a mercadoria vende e a transforma em dinheiro para, posteriormente, engajar esse dinheiro na compra de uma mercadoria que satisfaça suas necessidades. Nesse processo o dinheiro se comporta apenas como dinheiro, pois o homem o faz com o interesse de suprir suas necessidades, isto é, o objetivo final é o valor de uso. (OIKONOMOS) Por outro lado, o segundo processo consiste na compra de uma mercadoria e na revenda da mesma por um valor maior. Ou seja, o dinheiro se transforma em mercadoria e esta em capital. Por isso, Marx fala que tanto o dinheiro como a mercadoria, nesse contexto, são capital. Por exemplo: eu compro uma caneta a R$ 2 e a revendo por R$ 4, os R$ 2 acrescidos ao valor inicial Marx chama de mais-valia. Por fim os R$ 4 são o capital devido a esse movimento de valorização do dinheiro. Por isso a meta do capitalismo é o incessante movimento de ganho (dinheiro que gera dinheiro ou dinheiro em circulação), podemos fazer aqui um paralelo com a crematística aristotélica, porque a meta do capitalista é a busca de uma riqueza ilimitada. Contudo, se os R$ 4 passarem a não mais serem utilizados com o escopo de valoriza-lo, e sim com o objetivo de suprir as necessidades deixarão de ser capital. Além desse processo em que podemos identificar o capital comercial e o industrial, temos o processo simplificado que seria o capital a juros; pelo qual não se faz a "criação de dinheiro” por intermédio da mercadoria.
Publicado em: 10 julho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Como se dá a transformação da mercadoria em capital? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é mercadoria ( 2 Respostas ) Veja tudo
  1. Responda  :    é a forma mais elementar de riqueza e tem como objetivo satisfazer necessidades humanas.ela é o ponto de partida sa acumulação capitalista. terça-feira, 16 de abril de 2013
  1. Responda  :    MERCADORIA É UMA COISA QUE QUE POR SUAS PROPRIEDADES SATISFAZ AS NECESSIDADES DE UM INDIVIDUO. PARA SER MERCADORIA ALÉM DE TER VALOR DE USO, DEVE TER VALOR DE TROCA. segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    definição de capital comerial de mercadorias Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUAL A RELAÇÃO DE MERCADORIA E CAPITAL? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Ótimo resumo! direto e objetivo. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é lucro e dinheiro segundo Marx ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    a formação dos preços e o papel do dinheiuro no processo? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    uma discussão sobre fetichismo da mercadoria ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    o mistério da mercadoria é indicado em razão de a mesma encobrir o trabalho humano como representivo do seu valor,evideciando apenas o seu valor de uso. terça-feira, 16 de abril de 2013
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 3. yuri

    Duvida

    Olha você poderia rescrever isso de forma mais informal, bom ñ por mim eu entendi mais levei um bom tempo pra explicar isso pra um colega devida as palavras por ela e até por mim desconhecidas.. obrigado pela atenção.

    0 Classificação quarta-feira, 7 de dezembro de 2011
  2. 2. Roberta

    bom!

    Ótimo resumo, claro e objetivo! ;)

    0 Classificação terça-feira, 13 de setembro de 2011
  3. 1. Ana Mendoza

    mais-valia de Karl Marx

    Arrisco-me a dizer que o conceito de mais-valia foi mal abordado quando, na verdade fala de lucro. Mais-valia seria o valor a mais atribuido ao produto depois de ser pago o trabalho do operário, as matérias-primas e os trabalhadores que a extraíram.

    0 Classificação terça-feira, 21 de junho de 2011
X

.