Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de A evolução da Economia como ciência

A evolução da Economia como ciência

Resumo do Livro   por:BrasileiroPocoto     Autores: Rossetti; José Paschoal
ª
 
Rossetti, José Paschoal Introdução á Economia A Evolução da Economia Como Ciência Editora Atlas, décima edição Pg: 78 a 103 A economia, ao decorrer do tempo, sempre obteve pensadores que, apesar de várias idéias que se chocavam e eram discutidas, tinham um objetivo em comum: Ajudar a encontrar caminhos curtos e eficientes para a solução dos problemas econômicos de suas épocas. O inicio da evolução econômica e primeiras manifestações tiveram como percussores os povos da antiguidade clássica: Grécia e Roma. Tendo o mar do Mediterrâneo o centro de uma constituição, organização entre os povos da antiguidade, surgiram os primeiros pensadores com destaque para: Platão e Aristóteles pela Grécia antiga e Catão e Paládio por Roma. Posteriormente, durante a Idade Média, com a explosão demográfica a mão de obra era necessária sendo responsável pelo aumento de produção que até o momento era praticamente Rural, desenvolvendo agora o Comércio internacional que possibilitou grande capital como a Industria Têxtil que ganhou um importante papel e havendo especializações no trabalho. Surgia também o sistema bancário. Assim, a igreja que exercia um papel determinante na Idade Média começa sua “Intervenção” e estabelece parâmetros que não condenavam os comércios, mas sim os abusos que ele poderia cometer, como por exemplo: Altos preços sobre um produto de baixo valor, Juros e altos ganhos. A partir do momento em que a Igreja deixou de exercer seu papel intervencionista nos assuntos econômicos e com o fim da Idade Média, surge um novo sistema, o MERCANTILISMO, no qual um País somente teria uma economia forte se conseguisse acumular grandes quantidades de metais preciosos. Após o mercantilismo, a economia começa a caminhar com base cientifica onde o Liberalismo foi a primeira trilha. No liberalismo, o rei começa a perder o poder te intervir nos assuntos cabidos a economia, deixando assim de intervir e ter o poder centrado. O racionalismo foi, também, de extrema importância, pois deixávamos a Idade Média, das Trevas, entrando na era da Iluminação. Através dos Fisiocratas que defendiam a idéia em que o estado não deveria limitar-se ao estoque de metais preciosos contribuíram para o nascimento de outra corrente de pensamento que viria acompanhada por um dos mais importantes nomes para a Economia, Adam Smith e o Classicismo. Smith apesar de concordar com a escola fisiocrata discordava no ponto em que a agricultura deveria ser o centro maior da base econômica de um estado.
Sem dúvida alguma, Adam Smith, liberalista econômico, contribui e muito para a nossa base econômica e estudou em ângulos diferentes a questão do individualismo na economia. O liberalismo que defendia a não intervenção do estado no sistema econômico começa a partir do séc XIX a enfrentar idéias e outros tipos de sistemas que viriam a surgir. Estas idéias, destacando-se o socialismo, tendo um dos maiores nomes do sistema envolvido, Karl Marx, defendiam que o estado, no caso do socialismo, deveria intervir e distribuir igualmente sua riqueza entre a nação. Para desenvolver e defender este sistema Marx se dedicou ao estudo do sistema contrário descobrindo seus pontos fracos e fazendo deles uma importante arma. Durante a crise de 1930 surgi o grande fundador da Teoria Geral, John Maynard Keynes. Keynes procurou mostrar que a Economia deveria centralizar-se na pesquisa das forças que regem, governam a produção e o emprego. Keynes superou Smith por tratar dos efeitos, causar, fatores determinantes das Flutuações da renda e do volume do emprego. O ponto chave de Keynes era o Intervencionismo do estado de uma forma moderada na Economia. Assim, o nosso sistema econômico atual é, sem dúvida, melhoramentos, adaptações e correções dos sistemas anteriores tendo como idéia predominante o neo-capitalismo tendo um de seus mais destacados representantes o economista keynesiano Paul Samuelson. É importante ressaltar, também, que o fato de Keynes discordar da lógica liberal e da necessidade da existênciade um "exército social de reserva" (desempregados), e passar a pregar a busca do pleno emprego, não significava sua aproximação com os socialistas. Tendo isso em mente, pode-se dizer que o modelo keynesiano se constitue no neocapitalismo, que se fundamenta no planejamento econômico, com um comando do Estado no mundo atual.
Publicado em: 08 abril, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    façca a evolução da económica Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    em que baseava-se a economia desta epoca Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    economia revolucionaria Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    evolução economica Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    gostaria de um resumo sobre definições sobre ciência econômica. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual é o autor do texto Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    08. O que os fisiocratas tinham em comum com os classicistas no que diz respeito à formação da riqueza? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais as fases evolutiva da economia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais sao as fases evolutivas da economia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Que tipo de ciência é a Economia? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    22216120620 sábado, 18 de fevereiro de 2012
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. natalia teixeira benedicto

    biaenati@yahoo.com.br

    sim evolução da economia para manter as evoluções

    0 Classificação sexta-feira, 19 de abril de 2013
X

.