Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Burguesia E CAPITALISMO NO BRASIL

Burguesia E CAPITALISMO NO BRASIL

Resumo do Livro   por:Naninha_Al     Autor : ANTONIO CARLOS MAZZEO
ª
 

O capitalismo nasce na Europa desagregando o feudalismo no inicio do séc. XIII.

     Alterações nas relações de produção e trabalho desenvolve o comércio e a manufatura expulsando camponeses promovendo surgimento de cidades.

Surge à burguesia agente central da organização econômica, comercial, administrativa das formas de produção do Estado. Séc. XVI Portugal e Espanha cruzam mares buscando mercados e riquezas (Era capitalista - Marx).

     Com a colonização, exploração de madeira /ouro e capitanias hereditárias, nascem os primeiros burgueses brasileiros.

     No Brasil, a produção escravista foi estruturada num  capitalismo de extração colonial, com olhos para o mercado externo e grandes lucros.

A nova escravidão (capitalista) na América marcaria o desenvolvimento histórico-social do Brasil, onde famílias rurais dominavam o poder político com lucros para a burguesia.

     Os primeiros colonizadores, além do capital, trouxeram sua cultura. Mesmo na mistura de raças a colônia manteve cultura européia. Comprovando na escravatura, uma forma de subordinação aos costumes da Europa e do capitalismo. O conservadorismo político-econômico da sociedade brasileira na mentalidade de sua burguesia baseava-se no latifúndio e trabalho escravos.

     Com a descoberta do ouro no Brasil, e o desenvolvimento de cidades, surge à camada média urbana. De economia colonial a renda da colônia com a nova burguesia do ouro, a agro-exportadora.

     Em 1808, o Brasil negocia diretamente com outros países, instalam-se fábricas e manufaturas, proibidas desde 1785. Inicia as bases para  Independência política do Brasil com a crise mercantilista imposta pelo exclusivismo colonial português.

     O desejo de independência foi gerado por dois fatores: O Brasil sustentar a economia portuguesa e inexistência de confronto entre culturas. A burguesia brasileira queria participar das decisões imperial portuguesa.

     Com a Revolução liberal do porto, desencadeia-se processo de independência para a burguesia, desejando uma monarquia constituída de Brasil e Portugal num único rei, seria a saída, A escravatura era obstáculo para a ideologia do liberalismo.

     Na burguesia agrária, a sociedade civil era compostas de donos de escravos e quem detinha terra e capitais. Liberalismo significava   livre comércio.       Segundo império reacende a promessa de um salvador da pátria. Um imperador nascido no Brasil assemelhado ao modelo alemão no sentido inverso. Na Alemanha o bismarckismo garantia da indústria, no Brasil, o segundo império mantinha o escravagismo de produção.

     A partir de 1830 o Brasil se moderniza com o café, novas estradas e mecanização na produção. A economia cafeicultora é deslocada para o sul do país, perda de prestígio dos barões do café do nordeste.

     Com Prudente de Morais a burguesia agrária se mantém na autocracia e colonialismo do Estado.

     A Revolução de 30 marca a revolução burguesa no Brasil, o poder dos latifundiários, passa para os setores modernizados e industriais. Esta desponta como um marco no desenvolvimento do capitalismo no Brasil. A nova burguesia se transforma em burguesia industrial. O eixo do poder rural desloca-se para o eixo urbano. O Golpe de Estado pela facção modernizadora da burguesia nacional, surge como solução bonapartista, representada por Vargas. E este encarna a ideologia da burguesia brasileira.

     De 1937 a 1945 o Brasil vive momentos positivos na economia nacional, aproximando-se da democracia burguesa clássica ou liberalismo com origem colonial.

     A década de 50 marcada pelo pós-guerra ficou como reconstrução, investimento na indústria e a criação de estatais. A burguesia depõe Vargas que se suicida em 1949. Com Juscelino, desenvolve-se a indústria automobilística e os grandes centros incham com a mão-de-obra não qualificada. 1964, marcado pela expansão da economia nacional e privilégio da indústria, facilita a entrada de multinacionais com altos investimentos, Jânio Quadros assume com desvalorização da moeda, imposições do FMI, arrocho salarial, inflação e protestos. Jânio renuncia objetivando um regime ditatorial assumindo João Goulart com a política de reconciliação. O Brasil sai do Parlamentarismo para o Presidencialismo reconstituindo poderes.

      Com a redemocratização ainda em 64 o Estado assume o lugar da burguesia, alargando o desenvolvimento econômico contendo a inflação e congelando créditos, atingindo empresas nacionais que não suportando, e falem em 1967.

     Em 1968 a violência da ditadura militar de 64, também é período do milagre econômico, com aumento no consumo de bens da indústria nacional, surge uma classe trabalhadora moderna, nasce o bóia fria. O povo brasileiro vivia a euforia da frase: "Brasil: ame ou deixe-o".

     Com Médice, fracasso do milagre econômico tendo a crise mundial do petróleo como responsável. Em 74, vitória da oposição nas eleições parlamentares, caminho aberto para a democracia.

     Geisel, processo de transição gradual e intensificado com João Batista Figueiredo com a retirada e criação de novos partidos políticos definidos por uma filosofia, proibindo coligações para evitar fortalecimento das oposições.

     Surgem manifestações para as Diretas já, mobilização nacional apoiada pela classe trabalhadora. Elege-se Tancredo Neves que por questões de saúde não chega a assumir. Sarney assume temporariamente. Tancredo morre e Sarney assume de fato a presidência numa situação favorável de aprovação de medidas como: eleições diretas para presidente, votos dos analfabetos, livre organização dos partidos políticos, legalização dos partidos comunistas, promessa de quitar dívida externa, criação de uma nova moeda, congelamentos de preços etc.

     1989 Collor se elege com apoio da burguesia e da mídia, transformando-se em salvador da pátria. Sofre impeachment, deposto, amplia-se à participação das camadas populares na vida política do país.

     Concluímos, que no Brasil, a burguesia nacional não se desvencilhou da estrutura colonial apesar da independência. Permaneceu subordinada a uma ideologia imperialista.

Publicado em: 24 abril, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    como se deu o amadurecimento das premissas do capitalismo no brasil? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como se deu o amadurecimento das premissas do capitalismo no Brasil? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    que relaçao há ertre o capitalismo e a burguesia? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    n sei quarta-feira, 13 de março de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    como se deu o fortalecimento do serviço social? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    eu tou de boa e voçe tambem chauuuuuu Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    sou de paz e voçe tambem joia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    tomar no seu fiufiufiufiu Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    ideologia da burguesia industrial? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    2) Como se deu o amadurecimento das premissas do capitalismo no Brasil? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Preciso de um resumo sobre Produção burguesa no brasil. Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.