Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Modelos de Troca

Modelos de Troca

Resumo do Livro   por:VeraLorena     Autor : Coyle-Shapiro
ª
 
Modelos de troca O modelo de troca proposto por Barnard (1938, cit. por Coyle-Shapiro, 2002), e depois revisto por March e Simon (1958, cit. por Coyle-Shapiro, 2002), sugere que os indivíduos trocam as suas contribuições por determinados estímulos concedidos pela organização. Subsequentemente, Blau (1964, cit. por Coyle-Shapiro, 2002) distinguiu troca social e troca económica, que se diferenciam, entre outras coisas, pela natureza dos estímulos que são oferecidos pela organização, consoante o tipo de troca. Enquanto a troca económica enfatiza os aspectos financeiros e mais atingíveis da troca, a troca social dá relevo aos aspectos sócio-emocionais (Shore, Tetrick, Lynch & Barksdale, 2002 — manuscrito não publicado, cit. por Coyle-Shapiro, 2002). A norma da reciprocidade é fulcral para a abordagem da troca social (Gouldner, 1960, cit. por Coyle-Shapiro, 2002), dado que impele o indivíduo a replicar de forma positiva a um tratamento favorável recebido por parte de outrem (Blau, 1964, cit. por Coyle-Shapiro, 2002).
Uma característica comum aos dois modelos de troca é o facto de se focalizarem unicamente nos estímulos cedidos na relação, o que conduziu Gould (1979, cit. por Coyle-Shapiro, 2002) a defender que estas perspectivas apresentam uma limitação, inerente ao facto de não ponderarem o impacto das expectativas do empregado nos resultados futuros da organização. Consequentemente, o autor indica que o foco da pesquisa deve estar centrado na operacionalização de recompensas antecipadas que um empregado pode receber no curso da sua relação de troca com o empregador. A estrutura do contrato psicológico parece, assim, ser mais apropriada, dado que abrange as obrigações percebidas do empregador (estímulos antecipados), englobando, também, os estímulos presentes. Este foco ampliado, na teoria, distingue o contrato psicológico das recompensas baseadas nos modelos de troca.
Publicado em: 22 janeiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.