Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Teoria e Prática do Trabalho de Campo: alguns problemas

Teoria e Prática do Trabalho de Campo: alguns problemas

Resumo do Livro   por:ClaudiaMariadeAlmeidaCarvalho     Autor : Claudia Maria de Almeida Carvalho
ª
 
Os desconfortos oriundos dos paradigmas relacionados aos antropólogos levaram a autora Alba Saluar a desenvolver uma reflexão sobre o projeto da antropologia de transformar os antropólogos em nativos deles mesmos. No trabalho de campo etnográfico, o antropólogo busca recolher e entender o significado que tem para os nativos das ações, idéias, conversas informais, instituições etc. (encontro de subjetividades). Mas, a atividade da pesquisa, da busca, da descoberta, teria o campo delimitado pela prévia solução do enigma ou do código decifrado, é como se tudo já estivesse resolvido antes mesmo de se começar a batalha do entendimento. O paradigma teórico se fecha e ameaça cortar as linhas de comunicação entre os pesquisadores. O observador termina de costas para o nativo atuante, pensante, que adere, hesita, opta, confunde-se, muda, recorre a estratégias para vencer. Acaba-se por construir uma estrutura estruturada, um sistema de signos decifrados. Não entra em pauta o processo de decisões e estratégias tomadas em meio a conflitos e acordos, vacilações e dúvidas, impulsos e racionalizações, valores e predisposições. Outra questão: o antropólogo virar nativo. A pesquisa participante tem o mérito de questionar a finalidade dos trabalhos antropológicos e os benefícios que eles trazem para a infinita curiosidade da profissão. Mas vários problemas continuam sem solução quanto à posição do observador. A prática ainda não distanciada e enriquecida pela reflexão pode levar o antropólogo a estar inadvertidamente legitimando lideranças dos locais observados, reforçando um tipo de retórica e um tipo de liderança que está longe de ser a única a mobilizar e a organizar o espaço público local. O pesquisador corre o risco de encampar o modelo estereotipado de participação democrática. é necessário o pesquisador aprender a linguagem (o dialeto) dos observados mesmo que falem a mesma língua nacional do pesquisador, mas estes sempre encontram termos desconhecidos quando querem excluir o pesquisador da conversa. Por esta razão, é importante que o antropólogo conquiste sua participação no encontro, pois este é o seu objetivo prático e sua luta constante no campo.
Tornar-se um aliado é necessário. Assim, a intersubjetividade é conquistada. Para isto o pesquisador se engaja num circuito de trocas que não se limita às mensagens das conversas e entrevistas. A autora comenta que em uma de suas pesquisas, notificou aos observados que haveria o registro de sua história em seu livro e isto marcou o seu relacionamento com eles. Porém, a pesquisa não precisa trazer vantagens materiais imediatas para os nativos observados. Não é essa a questão que decide a participação deles na pesquisa. Ao transformarmos os nativos também passiveis do sociocentrismo de seus modelos teóricos, não estamos no mesmo movimento rompendo com a dualidade absoluta que marca certa reflexão antropológica sobre o pensamento humano e o lugar do sujeito nele? São as formas de comunicação ou interação falante-ouvinte, das quais o diálogo entre o pesquisador e o pesquisado é apenas uma, que importa registrar, estudar, analisar e entender. E criticar. Não se trata de restringir a pesquisa ao diálogo entre o antropólogo e o nativo ou de criar uma antropologia dialógica. A autora afirma que os registros do antropólogo, seja ele um pesquisador participante ou um observador, podem atingir públicos distantes e inacessíveis, que não são desprovidos de pensamentos críticos ou autônomos, nem são ingênuos.O capítulo estudado revela que há uma intensa dificuldade numa pesquisa antropológica de campo, pois o papel do pesquisador é bastante delicado. Seu envolvimento com os pesquisados deve ser o de conquistá-los para melhor obter suas informações, mas o resultado de suas pesquisas deve ser uma reflexão crítica e distanciada para que não caia no lapso da inautenticidade, da distorção e da contaminação.
Publicado em: 06 janeiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    teoria e pratica do trabalho de campo: alguns problemas- alba zaluar do se trata nesse texto? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    preciso apresentar uma análise completa do texto e estou entendendo do que se trata o texto me ajude agora Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quero entender tudo desse texto Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    conceitos de trabalho de campo antrppologico Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Eu quero saber onde eu encontro as pesquisas para a minha escola sobre os problemas do trabalhador do campoo...É aqui que encontro? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    presciso daber da bibliografia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    pratica de campo o que e Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUERO AULUMAS CHEGA SOBRE EMPREDEDORISMO TIPO DE INVESTIGACAO A REALIZAR PROBLEMA OBJECTIVO, HIPOTESE, VARIAVEIS, AMOSTRAS, TECNICAS A UTILIZAR NA RECOLHA DE DADO E ALGUMAS REFERENCIAS BIBLIOGRAfico Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUERO UM TRABALHO DE CRIACAO DE UMA EMPRESA DE ANALISE SWOT COMPOTOS FORTE FRACO APORTUNIDADE AMEANCAS FRAQUESAS E RISCO E MUITO MAS Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    gostaria saber algums questionario ou entrevista sobre emprededori viso que esto atrabalhar num meu pre projecto? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.