Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de A ideologia alemã

A ideologia alemã

Resumo do Livro   por:MateusBoni     Autores: Karl Marx; Friedrich Engels
ª
 
Em primeiro lugar, este resumo se refere apenas à primeira parte do livro A ideologia alemã, cujo título é Feuerbach.A ideologia alemã é uma polêmica dirigida contra os neo-hegelianos, analisando e satirizando as suas idéias de reforma moral da humanidade. A estes devaneios de uma pequena-burguesia sonhadora, Marx e Engels opõem a pesquisa de método histórico e crítico, fundamentada sobre as relações sociais, no estudo da vida prática em sociedade. O estilo satírico se mistura a uma refinada argumentação histórica a filosófica, e na defesa de um projeto de emancipação real da humanidade.O idealismo filosófico alemão reduz o mundo à sua representação intelectual (idealismo objetivo) nos sistemas ideológicos como a religião, o Direito, a ciência, etc. Reduz toda a evolução histórica a estes ideais, que são considerados pelos idealistas não apenas como independentes dos fatores e agentes da realidade social, mas como efetivos criadores desta última. Acrescentam a este historicismo idealista um tempero místico e hermético, fazendo com que ele adquira um sabor transcendente. A escravização da vida pelos ideais transcendentes é um axioma deste idealismo, seja na sua versão cristã, panteísta ou atéia. Em radical oposição a este pensamento, Marx e Engels defendem a pesquisa da história material dos homens, suas relações entre si e suas relações com o meio natural, para, então, desvendar as formas de ideologias, pois é da vida material que surge as ilusões ou verdades do espírito.As relações a serem investigadas são o Verkehr (intercâmbio) entre as pessoas, o que manifesta uma diferença radical com as concepções organicistas da sociedade. Propõem o estudo das relações empíricas entre os indivíduos, entre os países, classes, regiões, etc. em unidade com a interpretação conceitual destas relações empíricas.O fundamental, nestas investigações, é o processo de desenvolvimento da sociedade. Marx e Engels acreditavam que a História e a Economia Política forneceriam os elementos factuais e conceituais necessários para o adequado estudo da realidade social, desde que estas ciências fossem submetidas a uma rigorosa crítica de um ponto de vista teórico específico, que seria chamado posteriormente de materialismo dialético. Este estudo forneceria a chave para o mistério da ideologia.Os filósofos não tinham como finalidade o estabelecimento das propriedades formais da ideologia em si mesma, de forma semelhante ao que fazem os matemáticos na geometria euclidiana. A ideologia é um sistema de idéias através das quais as relações sociais assumem uma forma mistificada na consciência: religião, metafísica, Direito, moral, etc. A ideologia inverte a realidade histórica, ao invés de representá-la racionalmente.A formas de representação coletivas devem ser estudadas a partir da sua base na vida cotidiana, nas relações sociais, cuja totalidade constitui a sociedade. E mesmo essas representações coletivas surgem, primeiro, como linguagem, e não como "Espírito". A linguagem é chamada, pelos autores, de "consciência prática".Marx e Engels também criticaram o materialismo "vulgar" de Feuerbach, que abstrai a existência histórica do ser humano, definindo-o como um ser passivo, isolado e dominado pela sensibilidade imediata.
É necessário, pelo contrário, partir da sensibilidade ativa e prática do homem na sua realização histórica efetiva, que é, em primeiro lugar, o trabalho. Na sociedade moderna, por exemplo, a divisão social do trabalho estabelece a submissão do indivíduo ao seu trabalho, em um processo relacionado recíprocamente com a dominação coercitiva de classe e a dominação persuasiva ideológica.Na evolução histórica, surge o Estado de um conflito entre o interesse individual e o coletivo, produto da divisão do trabalho e da estratificação social. Alienação e subordinação do indivíduo à coletividade, que é percebida como uma força incompreensível e externa, que domina a vida humana (veja as idéias de "solidariedade orgânica", "mercado", "estrutura", etc.). Da mesma forma que a sociedade subjuga o indivíduo, uma parte da sociedade domina a outra parte. Surge o paradoxo, segundo o qual o poder coletivo que oprime a individualidade é o instrumento através do qual a coletividade é submetida a uma parte da sociedade. E a luta de classes. A ideologia apresenta o interesse particular de uma classe como se fosse o interesse geral da sociedade. É no conflito entre classes de interesses antagônicos que a história atravessa os diferentes estágios. Em um escrito posterior, Marx diferencia a "classe em si" da "classe para si", mas aqui já vemos o desenvolvimento latente desta idéia: " Os indivíduos, isoladamente, só formam uma classe na medida em que têm que empreender uma luta contra outra classe".A produção de ideologia está ligado à própria produção material. Os fatores que determinam a formação de uma ideologia são: a dominação de uma parte da sociedade sobre as outras; a divisão entre o trabalho manual e o trabalho intelectual; separação da teoria e da prática; a centralização dos meios de produção espiritual (eles não especificam o que sejam, mas suponhamos as escolas, igrejas, impressoras, etc.); a divisão entre os formadores de opiniões e os seus receptores passivos; dependência política e econômica dos ideólogos para com a classe materialmente mais poderosa. Os ideólogos são os representantes culturais da classe dominante, apresentando os interesses particulares dos seus representados como interesses gerais, ideais elevados, etc. É interessante comparar essa posição de Marx nesse escrito com a posição anterior, nos Manuscritos econômico-filosóficos, e a posição posterior, em O capital, no qual cria o conceito de fetichismo de mercadoria.
Publicado em: 28 dezembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    em a ideologia parece haver espaço para dois tipos de ideais quais sao Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Em A ideologia alema parece haver espaco para dois tipos de ideias quais sao? 1= incomuns/verdadeiro 2=certas/erradas 3=distorcidas/verdadeiras 4=certas/incomuns ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    4 segunda-feira, 25 de novembro de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    por outro lado ;receber salário,fazer greve,casar-se sãocomportamentos de que Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais os dois tipos de ideias em a ideologia alema ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    distorcidas e verdadeiras quarta-feira, 24 de julho de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    quais os dois tipos de ideias em a ideologia alema Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais os dois tipos de ideias na ideologia alema~ Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    contrariamente à filosofia alemã que desce do céu para a terra aqui parte-se da para atingir o céu. o que Marx queria dizer com isso? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    em a ideologia alema parece haver espaco para dois tipos de ideáis? quais? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais são os princípios do materialismo histórico ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    de acordo com o pensamento de marx , o que vem a ser a mercadoria ? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    a mecadoria é a força de trabalho, mas não é uma mercadoria qualquer. Enquanto os produtos se desgastam ou desaparecem, o uso da força de trabalho é a criação de valor. quinta-feira, 8 de dezembro de 2011
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. maria joaquina

    resumo da ideologia alemã

    vocês tinha que colocar o resumo do livro inteiro, cm é que nós vamos estudar se só tem a primeira parte do livro?? então deveria existir todo o resumo do livro...

    0 Classificação domingo, 11 de dezembro de 2011
X

.