Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Raça e etnia na teoria sociológica

Raça e etnia na teoria sociológica

Resumo do Artigo   por:Zelinda     Autor : John Rex
ª
 
REX, John. Raça e etnia. Lisboa: Editorial Estampa, 1988. “Raça e etnia na teoria sociológica”. p. 37-65 O autor inicia o texto apontando as variações nos discursos popular e político sobre os conceitos de raça e etnia. Ele refere-se à iniciativa da UNESCO com as pesquisas sobre relações raciais como uma forma de evitar as conseqüências políticas nocivas do uso incorreto do termo raça. Assim, o conceito utilizado pelos biólogos indica que “as chamadas raças da humanidade eram estatisticamente apenas grupos distinguíveis”(p. 38), não sendo essa uma justificativa plausível para as diferenças políticas entre os indivíduos, nem para a explicação das diferenças comportamentais. A resposta encontrada pelos sociólogos empenhados na pesquisa da UNESCO foi dada de três maneiras: 1) Os problemas raciais passaram a ser denominados problemas étnicos; 2) o reconhecimento de que há diferenças raciais e de que estas atuam no estabelecimento de desigualdades políticas; 3) o termo “situações de relações raciais” é usado para indicar situações marcadas pelo racismo. Rex diz que essa primeira tentativa de resposta conduzia às vezes à interpretação dos problemas raciais não como conflito, mas como fenômenos de diferença. O fato de reconhecer que as diferenças fenotípicas podem ser utilizadas como forma de distribuição desigual de direitos impede que se veja como essas diferenças atuam em contextos distintos. O autor afirma ter adotado a terceira alternativa em trabalhos anteriores, dado que ela inclui no mesmo grupo situações marcadas por graves conflitos, exploração, opressão e discriminação, baseadas ou não em indicadores fenotípicos. Todas as situações marcadas por justificações racistas também seriam abarcadas pelo termo “situações de relações raciais”. Nessas situações estão envolvidos os seguintes elementos: situação de grave conflito, discriminação, exploração ou opressão justificada por grupos poderosos em termos de uma certa teoria determinista (usualmente genética ou biológica). O autor insiste no fato de que mesmo tendo “conflito, discriminação, exploração e opressão” como essência das situações de relações raciais, pode haver situações em que o fenótipo não atua como indicador da atribuição de funções.
Ele afirma que devemos distinguir as situações de conflito que são marcadas por diferenças físicas e as que são marcadas por diferenças culturais. Apesar de agrupar as situações raciais e étnicas possíveis em seis grupos distintos, em termos de harmonia e conflito, o autor ocupa-se de situações que envolvem conflito. Na “distinção de grupo” operada pelo autor, ele reconhece que ficou em aberto a questão do reconhecimento do caráter atribuído aos grupos envolvidos numa situação de relações sociais, bem como se ambos concordam com a distinção estabelecida. Rex discorre sobre as teorias que apresentam a etnia como algo situacional (Barth 1969, Wallman 1979) contrapondo àquelas que vêem a etnia como algo primordial, inalienável (Geertz 1963, Gordon 1978). A perspectiva primordial vê a etnia como um conceito transversal, que não pode depender unicamente de classe ou outro fator. Segundo o autor, uma outra teoria de etnia situacional foi erigida pelos antropólogos a fim de contestar a anterior. De acordo com essa teoria, a etnia não pode apenas transformar-se num veículo da classe em macro-situações; haverá também contingências perante as quais ela pode ser ou não ser invocada. As diferenças entre as duas teorias são, segundo Rex, mínimas, sendo que a principal está no fato de os teóricos da etnia situacional minimizarem a possibilidade de uma mobilização total do recurso à etnia no interesse de uma classe e de não terem considerado a etnia como um estigma ou como um compromisso.
Publicado em: 20 setembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    quais sao os objectivos da raça e etnia na naçao teorica sociologica em angola Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais sao os objectivos da raça e etnia na naçao teorica sociologica em angola Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    oque e etinia? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    raça e etnia na teoria sociologica Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual o conceito de desigualdade étnica Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    raça e etnia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    uma parte que explique o que é raça e etnia Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    afinal etnia e raça e a mesma coisa? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual a diferenca entre raça e etnia? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    • Raça: o termo foi utilizado para explorar as diferenças de cor da pele e classificar seres humanos. Hoje, foi reconhecido que tal classificação racial no tipo físico é arbitrária, e que não revela diferenças significativas entre os seres humanos para identificá-los como raças diferentes, biologicamente falando. Porém, a sociologia dá importância ao termo pelo fato das pessoas terem dado ao conceito de raça um ponto de referência para pensarem e agirem socialmente. E por isso o termo raça sign quarta-feira, 9 de novembro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    diferença entre raça e etnia Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.