Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Amor e casamento no século XX

Amor e casamento no século XX

Resumo do Artigo   por:Zelinda     Autor : Maria Helena Bueno Trigo
ª
 
TRIGO, Maria Helena Bueno. “Amor e casamento no século XX”. In: Amor e família no Brasil. Organizado por Maria Ângela D’Incao. São Paulo: Contexto, 1989. p. 88-94. Pesquisa realizada a partir de entrevistas com pessoas descendentes da oligarquia cafeeira paulista, nascidas e casadas antes de 1930. Foram também utilizadas cartas trocadas entre noivos na mesma época. OBJETIVO: Refletir sobre o casamento, o amor e a tentativa de superar conflitos entre a ordem familiar e as aspirações individuais no contexto das primeiras décadas do século XX. CASAMENTO NA FAMÍLIA PATRIARCAL = visava ao fortalecimento de grupos de parentesco e status, preservação da herança e do poder econômico. Tinha a homogamia como regra, acreditando-se que, dada a indissolubilidade do casamento, a união entre “iguais” teria maiores chances de dar certo. A partir das primeiras décadas do século XX, com o advento de ideologias individualistas: · a escolha do cônjuge passa a ser pautada no amor e torna-se “livre”; · os papéis da mulher enquanto mãe e esposa passam a ser mais valorizados; a renúncia, a dedicação e a submissão são cobradas como deveres típicos da condição de amar e ser amada; · de assunto extraconjugal, o amor passa a fazer parte do casamento e deixa de estar ligado ao prazer e ao exercício da sexualidade, direcionando-se à procriação; O patriarcalismo e o amor romântico convergem no apego ao passado, na crença de que o parceiro adequado é o conhecido.
Fusão amor-casamento = crença no nascimento do amor a partir da convivência com o parceiro já conhecido, um “igual”. Atualmente, o conceito de “igual” foi alargado. Como o motivo econômico não se apresenta com a mesma força, um “igual” pode ser um amigo, um colega de trabalho, de faculdade, de clube ou de atividades de lazer. A homogamia permanece a regra. Apesar de nas primeiras décadas do século XX a família não ser mais o ponto de referência dos arranjos matrimoniais, os valores sociais e culturais do ambiente familiar estão presentes na escolha do parceiro.
Publicado em: 20 setembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    como era o amor no seculo 18? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.