Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciências Sociais>Resumo de Funções da Linguagem

Funções da Linguagem

Resumo do Livro   por:RobsonMoura     Autor : Samira Chalhub
ª
 
Título do Livro: Funções da Linguagem. Autora: Samira Chalhub Uma obra sobre funções da linguagem, requer antes de apresentar sua tipolologia, no processo de comunicação, e as interações das mesmas no dia-a-dia conforme o papel recorrente a que se presta, lembrar que todo processo de comunicação é centrado em elementos e para que o mesmo ocorra, entre eles a mensagem. Chalhub reflete que: “Diferentes mensagens veiculam significações as mais diversificadas, mostrando na sua marca e traço[...] O funcionamento da mensagem ocorre tendo em vista a finalidade de transmitir — uma vez que participam do processo comunicacional: um emissor que envia a mensagem a um receptor, usando do código para efetuá-la; esta, por sua vez, refere-se a um contexto. A passagem da emissão para a recepção faz-se através do suporte físico que é o canal. Aí estão, portanto, os fatores que sustentam o modelo de comunicação: emissor, receptor, canal, código, referente, mensagem”. Com os elementos da comunicação gerando assim o diálogo das funções, que são conhecidas como: Função referencial, Função fática, Função conativa, Função poética, Função metalinguistica, Função emotiva. Apresenta os primeiros modelos como o do psicólogo austríaco Karl Bühler de forma triádica, “apontando três fatores básicos: o destinador (mensagens de caráter expressivo), o destinatário (mensagens de caráter apelativo) e o contexto (mensagens de caráter comunicativo)”; o de Roman Jakobson, que “no ensaio Lingüística e poética, amplia para seis, complementando o modelo de Bühler. Para isso, Jakobson enfoca o perfil da mensagem, conforme a meta ou orientação (Einstellung) dessa mesma mensagem em cada fator da comunicação. Assim, as atribuições de sentido, as possibilidades de interpretação — as mais plurais — que se possam deduzir e observar na mensagem estão localizadas primeiramente na própria direção intencional do fator da comunicação, o qual determina o perfil da mensagem, determina sua função, a função de linguagem que marca aquela informação”. Ênfase no fator determina Função de linguagem Referente ____________________________________________________ F. Referencial Emissor ________________________________________________________ F. Emotiva Receptor _______________________________________________________ F. Conativa Canal ____________________________________________________________F. Fática Mensagem ______________________________________________________ F. Poética Código ___________________________________________________ F. Metalinguística Função referencial (ou denotativa) - É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal, no “campo” do referente e das notícias de jornal e livros científicos. “A conotação da linguagem é mais comumente compreendida como “linguagem figurada”. Se dissermos “pé da mesa”, estamos nos referindo à semelhança entre o signo pé — que está no campo orgânico do ser humano — e o traço que compõe a sustentação da mesa, no campo dos objetos. Um signo empresta sua significação para dois campos diversos, uma espécie de transferência de significado. Assim, a linguagem “figura” o objeto que sustenta a mesa, com base na similaridade do pé humano e essa relação se dá entre signos. Por outro lado, a denotação tenta uma relação e uma aproximação mais diretas entre o termo eo objeto.
O pé do animal, o pé do ser humano seriam signos denotativos, linguagem correlacionada a um real, que responderia sempre à pergunta “que é tal objeto?” com o nome do objeto, sem figuração ou intermediários.Observemos, então, que referente, objeto, denotação são termos que se relacionam por semelhança, embora não sejam sinônimos. Referente e contexto respondem a um do que se fala? Fala-se sobre um objeto referido ao mundo extralingüístico, mundo fenomênico das coisas — coisas essas sempre designadas por expressões referenciais, denotativas. A idéia aqui é de transparência entre o nome e a coisa (entre o signo e o objeto), de equivalência, de colagem: a linguagem denotativa referencial reflete o mundo. Seria, assim, tão simples?”.
O quê é referente/ Mensagem referencial. Terceira pessoa do singular (ele/ela), Informações, Descrições de fatos, Neutralidade, Jornais, Livros técnicos. Função emotiva (ou expressiva) - É aquela centralizada no emissor, revelando sua opinião, sua emoção. Nela prevalece a 1ª pessoa do singular, interjeições e exclamações. É a linguagem das biografias, memórias, poesias líricas e cartas de amor. Primeira pessoa do singular (eu), Emoções, Interjeições; Exclamações; Blog; Autobiografia; Cartas de amor. Função apelativa (ou conativa)
-
É aquela que centraliza-se no receptor; o emissor procura influenciar o comportamento do receptor. Como o emissor se dirige ao receptor, é comum o uso de tu e você, ou o nome da pessoa, além de vocativos e imperativos. Usada nos discursos, sermões e propagandas que se dirigem diretamente ao consumidor. Segunda pessoa do singular, Imperativo; Figuras de linguagem, Discursos políticos, Sermões, Promoção em pontos de venda. Função Fática
É aquela
centralizada no canal, tendo como objetivo prolongar ou não o contato com o receptor, ou testar a eficiência do canal. Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. Interjeições, Lugar comum, Saudações, Comentários sobre o clima. Função poética
É aquela
centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor. Afetiva, sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam-se as palavras, suas combinações. É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música, em algumas propagandas.
Subjetividade,Figuras de linguagem, Brincadeiras com o código, Poesia, Letras de música, Propaganda. Função metalingüística
– É aquela centralizada no código, usando a linguagem para falar dela mesma. A poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta outro texto. Principalmente os dicionários são repositórios de metalinguagem. Referência ao próprio código, Poesia sobre poesia, Propaganda sobre propaganda, Dicionário. Referência Bibliográfica: CHALHUB, Samira., Professora da Pontifícia, Universidade Católica de São Paulo, FUNÇÕES DA LINGUAGEM - Série Princípios - editora ática.
Publicado em: 29 agosto, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Qual é o objetivo da autora evitando recorrer detalhes do livro? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual é objetivo da autora evitando recorrer detalhes do livro? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais as caracteristicas da funçao de linguagem? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    GOSTARIA QUE VCS POSTASSEM UMA RESENHA FALANDO SOBRE METALINGUAGEM...O MINIMO POSSIVEL! OBGDA Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    COMO A FUNÇÃO DA LINGUAGEM SE APRESENTA NAS NOVELAS BRASILEIRAS? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    HIERARQUIA FUNCIONAL Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quala editora Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual livro o livro que eu posso consultar sobre as figuras de linguagem no dia a dia do ser humano Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    exemplos de figuras de linguagens publicitaria Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. paloma

    função poética

    quero saber mais da função poética, dos seus conceitos, de exenplos e muito mais de função poética

    0 Classificação segunda-feira, 3 de março de 2008
X

.