Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Medicina E Saúde>Neurologia>Resumo de Esquizofrenia - Reabilitação social

Esquizofrenia - Reabilitação social

Resumo do Artigo   por:MiSy_Artg     Autores: CORTESE; L.; OLIVEIRA; M.; OLIVEIRA; S. B. M; PAULON. W; TRAJANO; E. M. A.
ª
 
A esquizofrenia é um transtorno do nosso psiquismo humano, onde muitas vezes é crônica e incapacitante. Sua causa é desconhecida, há indícios de ter algum transtorno do funcionamento cerebral, onde ocorrem mudanças estruturais e na química cerebral, ou também causada por fatores genéticos, porém não há nada que comprovou até hoje.
Os exames feitos aos pacientes portadores não compravam nenhuma alteração no organismo cerebral até hoje descoberto, mas sim que áreas cerebrais são ativadas em momentos não oportunos, como se colados em uma sala onde não há som algum, por exemplo, comprava-se que o paciente está realmente escutando algo, suas áreas de audição ficam ativadas como se estivessem de fato ouvindo, são as alucinações auditivas que abordaremos com mais detalhes depois.
É uma doença grave, pois afeta no comportamento, nas suas emoções, no convívio social, e muda totalmente a rotina e a convivência familiar, afetando a todos que o cercam. Não ameaça a vida do portador, mas não permite o restabelecimento da normalidade, onde entra em uma grande questão que envolve preconceitos dos conviventes inclusive de familiares.
Os primeiros sintomas da doença geralmente se iniciam na adolescência ou quando adulto jovem e pode-se desenvolver gradualmente, onde não se percebe de início, sendo confundidas muitas vezes com rebeldia da faze adolescente, havendo preconceito e deflagração da doença.
A esquizofrenia geralmente ocorre em indivíduos com características diversas, muitos já tem um histórico perturbador, com passado traumatizante e com algum tipo de dificuldades dentro do lar, entre os componentes genéticos, sociais, pessoais e neurobiológicos estão presentes intermediando a doença. É em geral uma perturbação da personalidade e na sua realidade.
Na maior parte os primeiros sintomas é dificuldade de concentração, alto nível de tensão, insônia e começa a se isolar socialmente, na medida em que se passam os sintomas se aprofundam e apresentam desleixo na aparência, não se importando mais com a higiene pessoal, mudança no visual e no comportamento, pode tornar-se agressivo, emocional bastante afetado, como ficar deprimido com uma noticia boa, ou sentir-se satisfatório e feliz com alguma desgraça, períodos de hiperatividade e de inatividade, muitos começam a se preocupar com algumas religiões e seitas como ocultismo e esoterismos, desconfiam sempre, sentem medo, falta de expressão emocional, sensibilidade a luz ou a barulhos, alguns se ferem a si mesmo, começas usar drogas e beber, alucinações auditivas e visuais, entro muitos outros sintomas que alteram bastante a personalidade do portador de esquizofrenia.
Não é preciso ter todos os sintomas para se diagnosticar a doença, os sintomas variam de portador para portador, sua faze inicial geralmente levam meses, onde os primeiros sintomas começam a aparecer, muitas vezes é tão lentamente seu inicio que nem o paciente e nem as pessoas próximas percebem essas mudanças, mas há também pacientes que desenvolvem o curso da doença rapidamente, onde assustam muitos a ele e as pessoas.
O ponto de partida para se diagnosticar, é feitas através do grupo de sintomas apresentados, são tratados com psicoterapias em particular ou em grupo, juntamente com medicações, não há uma medicação específica, em que curam a esquizofrenia e fazem dele uma vida normal, mas é um grupo de tratamento, junto com medicamentos, terapias e principalmente ajuda social e familiar.
É uma doença que ter que ser tratada com muita dedicação e compreensão, entendendo assim que não é culpa do portador ter esses sintomas, gera muita polemica e assuntos muito complexos a respeito disso, pois o vêem como uma pessoa com uma anormalidade, gerando assim preconceitos.
São muitas as maneiras para se definir o que é normal, como o que é mais comum em certa região, ou certa época, ou uma cultura, aquilo que se acha ideal, ou que seja sadia, muitas dessas definições estão sujeitas a críticas uma para as outras. É importante assim conhecer a doença,  uma doença mental é sempre menos conhecida, e esse limite entre normalidade e doença não se define para algumas pessoas.
Tirando o preconceito e a ignorância, ajuda de forma equilibrada o paciente a se restabelecer, muita coisa muda quando tem alguém próximo ou da família diagnosticado esquizofrênico, acarreta um impacto muito grande. Assim tem de mudar as relações sociais, aprender sobre a doença para melhor lidar com o mesmo é de essencial importância o relacionamento adequado com toda a família, pois ambos sofrem. Observação dos pais quanto ao filho para procurar atendimento logo de início, saber respeitar seus limites, ter uma relação amistosa, comunicarem de forma clara e objetiva, ter um ambiente agradável em casa, não exercer cobrança e tirar a relação esquizofrênica a “louco”.
Infelizmente muitos preferem deixá-los em manicômios, internados para o resto da vida achando que é o melhor para ele, porém a relação familiar permite que o paciente conviva normalmente na sociedade que tem responsabilidade de acolhê-lo. Porém auxiliar um paciente a isso exige muito esforço e dedicação, muitas vezes sem uma recompensa equivalente, e vem aí a frustração. É preciso estar ciente de que a esquizofrenia não tem cura, analisar suas possibilidades e limitações, para que saiba enfrentar melhor os sentimentos que poderão ocorrer ao longo dessa luta.
A maneira que a família interpreta a doença mental interfere no sucesso de reabilitação social do paciente, cabe a eles promover um relacionamento sadio com o doente e procurar sempre acompanhamento médico, sabendo lidar com as diversas situações de crise, ajudando a sua vida na questão social e emocional para que ambos tenham uma boa convivência e viver em harmonia.

Publicado em: 23 janeiro, 2010   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Quando se tem um familiar assim onde pode ficar spara a familia ir de férias? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.