Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Medicina E Saúde>Neurologia>Resumo de O que é memória?

O que é memória?

Resumo do Livro   por:wiew     Autor : Caro F
ª
 
A memória é a capacidade de registrar, armazenar e manipular informações provenientes de interações entre o cérebro e o corpo ou todo o organismo e o mundo externo. É a base dos nossos sentimentos ou de qualquer atitude cotidiana, variando conforme os diferentes períodos da vida (gestação, infância, adolescência, senescência). Está intimamente relacionada com o aprendizado, uma vez que o aprendizado é a aquisição de conhecimentos e a memória é o resgate desses conhecimentos após certo tempo. Endel Tulving, um dos líderes da pesquisa sobre memória, definiu-a (memória) como “uma viagem mental no tempo”, ou seja, lembrar o que aconteceu no passado é o mesmo que reviver o passado no presente. Para Com Brooks, pesquisador da neurodinâmica, “ao invés de ter representações a memória é uma adaptação dinâmica de cérebro por reconstituir um ato na reposta acontecimentos no contexto diferente no ambiente”. Não há uma estrutura única e isolada do cérebro que determine a memória, pois ela é o resultado de um agrupamento de sistemas cerebrais trabalhando em conjunto. O lobo temporal é considerado como suporte para a formação de novas memórias, além de não apagar a maior parte da memória declarativa formada no decorrer de toda a vida. É necessário ressaltar que a região do hipocampo é importante para a consolidação da nova informação (na memória) de longa duração, não sendo repositório de conhecimento, além de estar envolvido com o reconhecimento de novidades e a relação espacial (como lembrar de um local já visitado antes, por exemplo). A amígdala, por sua vez, faz a conexão entre o tálamo e as regiões sensoriais do córtex, participando no armazenamento de informações vindas do meio externo juntamente com estímulos sensoriais. A memória de longa duração é armazenada, principalmente, no córtex frontal, o qual também é responsável pela resolução de problemas e planejamento de comportamento. O processo de consolidação (da memória) armazena novas informações na memória de longa duração e passa por três estágios: codificação, armazenamento e evocação. A codificação processa a nova a informação a ser armazenada e subdivide-se em aquisição (registra informações em arquivos sensoriais) e consolidação (cria forte representação através do tempo); o armazenamento cria e mantém um registro permanente da informação já codificada; a evocação utiliza a informação armazenada para criar uma representação consciente ou executar um comportamento aprendido como um ato motor.
Bioquimicamente, o processo de consolidação (da memória) decorre de propriedades especiais do receptor NMDA (n-metil-d-aspartato) e do canal voltagem-dependente na base de atuação na LTP (potenciação a longo prazo) em uma sinapse (pontos de comunicação entre neurônios ou entre um neurônio e um determinado tecido; envolve passagem de hormônios ou neurotransmissores). O glutamato, principal neurotransmissor estimulatório do sistema nervoso central, ao se ligar a inúmeros canais de NMDA acarretará uma despolarização pós-sináptica sustentada (duradoura; com tempo de duração maior que o normal), retirando Mg2+ da célula nervosa e permitindo a entrada de Ca2+. Evidencia-se, assim, a manifestação da plasticidade sináptica (mudança conformacional dos neurônios acarretando a “gravação” de determinada informação, ou seja, da memória). Donald Hebb e Jersy Konorski foram alguns dos primeiros a relatarem, na década de 40, que “a memória deve envolver mudanças ou aumentos nos circuitos nervosos”. (Lembrando que um circuito nervoso envolve um agrupamento de neurônios comunicando-se entre si por sinapses). Um grupo de cientistasda Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, cujo líder é o neurocientista argentino Iván Izquierdo, divulgou no mês de setembro de 2006 que, finalmente, conseguiu provas demonstrando que a memória está associada ao mecanismo sináptico. Além disso, Izquierdo afirma que associamos o que vimos, ouvimos e sentimos na hora de recordar um fato ocorrido na nossa vida, reforçando a lembrança: “Uma informação isolada dificilmente fica na memória” e “Memórias são associações”.
Publicado em: 10 junho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    resumo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Quem leu essa pergunta é abextadov Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    alteraçoes da momorias Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é ltp ? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    e uma doeça quinta-feira, 1 de maio de 2014
  1. Responda   Pergunta  :    nao é explicada da maneira como eu esperava Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    nao tem uma definiçao maior o melhor explicada nao ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    porque temos a memoria Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    A memória é a capacidade de registrar, armazenar e manipular informações provenientes de interações entre o cérebro e o corpo ou todo o organismo e o mundo externo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Mas o que e memória ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que e memorias ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    o que é memoria quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. angelica

    saber

    como é interessante o saber,enterder que nossa memória não tem limites, depois de certo tempo ainda continua viva,em associações de momentos atuais. é muito legal!!!!!!!!!!!!!!!!!achei 10 conhecer um pouco mais.como dizia issac newton " o que sabemos é uma gota o que ignoramos é um oceano".

    1 Classificação quinta-feira, 31 de março de 2011
X

.