Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Medicina E Saúde>Resumo de Vacinas Genéticas

Vacinas Genéticas

Resumo do Livro   por:MedianSobral     Autor : Indresh K. Srivastava e Margareth A. Liu
ª
 
As vacinas tradicionais consistem principalmente de agentes causadores de doenças (patógenos) mortos ou enfraquecidos, ou de fragmentos ou toxinas desses patógenos. O principal objetivo das vacinas é preparar o sistema imunitário para combater vírus, bactérias ou outros parasitas perigosos o mais rápido possível, antes que esses patógenos ganhem uma base segura dentro do organismo. As vacinas conseguem esse efeito, fazendo o sistema imunitário se comportar como se o corpo estivesse sendo invadido por um patógeno, o que o leva a produzir anticorpos para combater os invasores. Numa infecção real, o sistema imunitário responde à presença dos antígenos – substâncias estranhas ao corpo –, representados por proteínas ou polissacarídeos produzidos pelo patógeno. Duas respostas podem ocorrer por parte do organismo, ambas orquestradas pelos leucócitos presentes no sangue: 1. A resposta humoral, comandada pelos linfócitos B, que atua sobre os patógenos e antígenos extracelulares. Essas células secretam moléculas de anticorpos, que se unem aos agentes infecciosos, neutralizando-os ou carimbando-os para serem destruídos por outras células do sistema imunitário. 2. Outro ataque, liderado pelos linfócitos T assassinos. As células infectadas mostram, sobre a superfície celular, partes das proteínas sintetizadas pelo DNA do patógeno como se fossem bandeiras, sinalizando para os linfócitos T que estão infectadas. Esses linfócitos destroem então as células e, por tabela, os invasores intracelulares. Além da eliminação dos invasores, a ativação do sistema imunitário contra um patógeno específico leva à criação das células de memória, que podem atacar e destruir o mesmo patógeno no futuro. A constituição e a duração da imunização proporcionada pelas vacinas tradicionais variam. Aquelas baseadas em patógenos mortos (raiva, gripe e hepatite A) ou em antígenos isolados dos patógenos (tétano, difteria e hepatite B) ativam somente a resposta humoral primária, e não as células T assassinas. Essas respostas são insuficientes contra muitos dos microrganismos que invadem as células posteriormente. Além disso, a proteção conferida por essas vacinas diminui gradualmente ao longo do tempo, tornando-se necessária a aplicação de reforços periódicos. As vacinas constituídas por vírus atenuados preservam os mecanismos de que os vírus dispõem para se ligar às células hospedeiras, introduzir seu material genético e comandar a síntese de proteínas virais, ou de antígenos, que serão mostrados pelas células infectadas. Dessa maneira, essas vacinas estimulam o ataque pelos linfócitos T assassinos e pelos anticorpos sintetizados pelos linfócitos B. Essa dupla atividade é essencial para o bloqueio da infecção viral e para assegurar a imunidade. Além disso, essas vacinas (como as do sarampo, catapora, rubéola, caxumba e pólio) freqüentemente conferem imunidade para o resto da vida. Por isso, são consideradas o padrão ouro das vacinas existentes. Mas as vacinas com o patógeno atenuado também podem causar problemas. Elas podem gerar a doença em pessoas cujo sistema imunitário se encontre comprometido, como pacientes com câncer em tratamento quimioterápico, portadores do vírus HIV e idosos. Esses indivíduos também podem contrair doenças de pessoas saudáveis, vacinadas recentemente. Além disso, os vírus enfraquecidos podem sofrer mutações e restaurar a virulência.
Essas vacinas também podem conter contaminantes, que são subprodutos indesejáveis do processo de fabricação, capazes de disparar no organismo reações alérgicas e outras reações inconvenientes. As vacinas genéticas são completamente diferentes das vacinas tradicionais. As mais estudadas consistem de plasmídeos, que são pequenas moléculas circulares de DNA encontradas no citoplasma bacteriano mas incapazes de produzir uma infecção. Os plasmídeos usados na imunização são alterados para transportar genes específicos para um ou mais antígenos (proteínas) de um patógeno selecionado. Elas são aplicadas por meio de injeções intramusculares ou por um mecanismo conhecido como revólver genético, que consiste em colocar os plasmídeos dentro de microesferas de ouro e dispará-las contra a pele do paciente, utilizando para isso um disparador de alta pressão. Uma vez dentro das células, alguns plasmídeos conseguem penetrar no núcleo, onde os genes que codificam os antígenos são transcritos em moléculas de RNA mensageiro, as quais são subseqüentemente traduzidas em proteínas antigênicas no citoplasma. Os antígenos são anunciados ao sistema imunitário de dois modos: eles podem simplesmente deixar a célula, ou podem ser quebrados em fragmentos e acoplados às proteínas do complexo de histocompatibilidade (MHC). Quando acoplados, migram até a membrana celular e expõem esses fragmentos do lado externo das células, facilitando a atuação das outras células do sistema imunitário. Com todas essas características, as vacinas de DNA, quando desenvolvidas para serem utilizadas em pessoas, preservarão todos os aspectos positivos das vacinas existentes e evitarão seus riscos. Além do mais, não poderão causar infecções, pois não possuem os genes necessários para a replicação do patógeno. Podem ainda – o que constitui uma vantagem – ser produzidas em grandes quantidades, utilizando a tecnologia do DNA recombinante, o que diminui os custos da produção. Também podem ser construídas para transportar genes de diferentes linhagens de vírus e bactérias, fornecendo imunidade contra vários patógenos ao mesmo tempo. Além de tudo, os genes transferidos por essas vacinas resultam em antígenos específicos, contra os quais a resposta imunológica é desejada, resultando numa resposta imunitária mais específica por parte do organismo. Alguns pesquisadores estão testando vacinas compostas de RNA. A vantagem desse tipo de vacina seria a velocidade, pois, uma vez dentro das células, o RNA seria rapidamente traduzido em proteínas antigênicas. Entretanto, a molécula de RNA é menos estável que a de DNA, uma característica que pode dificultar a produção e a distribuição dessas vacinas.
Publicado em: 07 abril, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    nossa esse texto esta muito carregado tenta coloca-lo menos resumido e conciso afiz. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    pra que serve essas vacinas ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    eu quero somente as partes mais importantes e bem resumidas que falem sobre a vacina genica de forma clara e bem expecifica que apresente todos os pontos que são mais importantes Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que sao vacinas genicas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é vacinasa e rna Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais sao as vacinas existentes Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    efeitos adversos das vacinas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é vacina genetica? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    es te vírus sars já chegou ao brasil Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUERO SABER SOMENTE SOBRE VACINAS INTETICAS Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.