Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Medicina E Saúde>Resumo de ITB – UM MARCADOR DE RISCO CARDIOVASCULAR.

ITB – UM MARCADOR DE RISCO CARDIOVASCULAR.

Resumo do Artigo   por:caiocpenna     Autores: Estefania Inez Witkr; Carolina Medaglia Moreira; Fábio Tremea Cicherelo; Miguel Gus.
ª
 
ITB – UM MARCADOR DE RISCO CARDIOVASCULAR. A incidência de Doença Arterial Periférica (DAP) aumenta significativamente com a idade e em grande número de casos é assintomática. O NATIONAL HEALTH AND NUTRITION EXAMINATION SURVEY, 1999-2000 (NHANES). Relatou aumento de 14 vezes na prevalência de DAP quando comparados grupos etários com 50 ou menos anos e grupos com 70 ou mais. O estudo Framingham encontrou incidência média anual entre homens na faixa etária de 30 a 44 anos de 6:10.000 e na faixa de 65 a 74 anos de 61:10.000. Diversos estudos demonstram relação objetiva entre a presença de DAP e risco cardiovascular indicando a necessidade de identificação e avaliação de pacientes de risco na clínica. A avaliação do Índice tornozelo-braquial (ITB) vem crescendo de importância no rastreamento dessa patologia principalmente, na seleção de casos para estudos mais detalhados e orientação para Mudanças no Estilo de Vida (MVE). O ITB é um procedimento médico não invasivo (de alta sensibilidade e especificidade), fácil de ser realizado e baixo custo.
Consiste na medida da pressão arterial sistólica (máxima) (PAS) nos membros superiores (pulso braquial) e inferiores (pulso pedioso). No indivíduo sadio a PAS no membro inferior (MI) é igual ou maior que a PAS no membro superior (MS). O índice é calculado pela relação PAS MI/PAS MS e consideramos valores normais entre 0,91 e 1,30. Quanto menor o índice mais grave a doença e maior o risco cardiovascular. Deve ser avaliado em todos os pacientes com 65 anos ou mais, 50 anos ou mais que apresentam fatores de risco cardiovascular (hipertensão arterial, dislipidemias, diabete, etc.), em pacientes de qualquer idade quando relatarem história familiar de doença arterial oclusiva precoce, pacientes que apresentam claudicação intermitente ou submetidos a procedimentos de revascularização.
Publicado em: 13 março, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.