Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Medicina E Saúde>Resumo de Alcoolismo x Trabalho

Alcoolismo x Trabalho

Resumo do Artigo   por:trf2008     Autor : Thaciana Barros
ª
 
Alcoolismo x Trabalho Conseqüências do Alcoolismo no Âmbito do Trabalho: Sabe-se que, no Brasil, o alcoolismo é o terceiro motivo para absenteísmo no trabalho, a causa mais freqüente de aposentadorias precoces e acidentes no trabalho e a oitava causa para concessão de auxílio doença pela Previdência Social (Vaissman, 2004). No âmbito do trabalho, as organizações vêm despertando seus interesses para o desenvolvimento de estratégias e implantação de programas preventivos ao uso indevido do álcool e outras drogas. O que motiva estas ações são as conseqüências negativas trazidas à saúde do trabalhador e à sua produção, absenteísmo que guarda uma relação direta com o consumo de álcool e a qualidade de vida do trabalhador. Pode-se então considerar o alcoolismo como um problema nas organizações, e suas conseqüências podem ser percebidas observando-se os seguintes aspectos no comportamento dos trabalhadores (Vaissman, 2004): o Absenteísmo; o Acidentes de trabalho; o Acidentes de trajeto; o Queixas diversas em relação à saúde; o Aumento de falhas na execução das tarefas; o Redução da produtividade; o Conflitos com colegas, superiores e clientes. Condições de Trabalho que Favorecem o Desenvolvimento do Alcoolismo: Em um estudo de caso, Nassif (2002) levantou algumas hipóteses sobre como a organização e as condições de trabalho podem contribuir para a incidência e a prevalência dos quadros de dependência química entre trabalhadores. Suas hipóteses são: ü características específicas da personalidade do alcoolista: dependência psíquica, capacidade insuficiente para o contato interpessoal e intolerância grande frente às frustrações; ü frustração na escolha profissional; ü pressão social para beber existente entre os trabalhadores: a bebida então facilita os contatos interpessoais ou atua como forma de reconhecimento e introdução no círculo social; ü especificidades do trabalho: atividades que oferecem riscos, inadequada divisão de tarefas, mau relacionamento com supervisores hierárquicos; ü jornada de trabalho: períodos de ociosidade, trabalho em horário noturno; atividades geradoras de emoções: como raiva, medo, frustração, tristeza, ansiedade, vergonha, que podem funcionar como sinalizadores para a ingestão de bebidas; ü significado social da profissão: que trazem sentimento de vergonha e desqualificação.
Resumindo, os fatores de risco ligados ao trabalho podem ser inerentes à especificidade da ocupação. Às condições em que o trabalho é efetuado, ao tipo de agentes estressores e como eles atuam física e psicologicamente no trabalhador. E, por outro lado, existem as características e a vulnerabilidade da personalidade diante do ambiente de trabalho que favorecerão ou não o uso abusivo.
Programas de Prevenção e Recuperação do Alcoolismo nas Organizações:
Edwards (1995) afirma que nos últimos anos tem havido um interesse nos benefícios múltiplos que podem resultar tanto para o empregador quanto para o empregado, da implantação de programas de alcoolismo nos locais de trabalho. A importância de programas de alcoolismo em empresas deve ser tratada como saúde global do indivíduo, e ainda observando-se que prevenir e tratar problemas de saúde diminui custos e melhora a produtividade. É importante reconhecer as dificuldades que acompanham o atendimento a dependentes químicos, especialmente em empresas. O atendimento a usuários de drogas suscita múltiplos problemas, de ordem biológica e médica, psicológica, social, jurídica e ética. Nos locais de trabalho acrescentam-se a isso as estigmatizações e preconceitos devido às conotações negativas relacionadas à dependência do álcool, diminuindo a procura pelos serviços oferecidos, bem como dificultando a continuidade do tratamento. Verifica-se que muitos programas não atingem os extratos mais elevados na hierarquia, apenas o trabalhador menos qualificado, sujeito a sanções disciplinares. Além disso, a tendência cultural alcoolizante deve ser também considerada ao se elaborar um programa. Não pode ser abordado do ponto de vista de um ideal moralizante. Os programas são de grande importância para as organizações preocupadas com a saúde de seus trabalhadores e com o bom desempenho de suas atividades.
Publicado em: 16 dezembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    porque um tema apenas para o alcoolismo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Ha uma lei ou que protege ao que não bebe, que tem que suportar o alcolatra ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    O artigo é muito bom, mas gostaria de saber o nome do autor para que eu possa citá-lo em minhas pesquisas. Simone Alves ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Thaciana Barros quinta-feira, 24 de novembro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    posso demitir meu funcionario por alcolismo ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    A Consolidação das Leis do Trabalho - CLT prevê, no artigo 482, alínea "f", a embriaguez (habitual ou em serviço) como falta grave por parte do empregado, sendo este um dos motivos que constitui a extinção do contrato de trabalho por justa causa. Fonte: Guia trabalhista on line (http://www.guiatrabalhista.com.br/tematicas/embriaguez.htm) quinta-feira, 24 de novembro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    como age o alcool no cerebro ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Paul Slesinger, professor do Laboratório de Peptídeos do Instituto Salk, e outros pesquisadores descobriram uma área específica para a ação do álcool localizada dentro de proteínas de canais iônicos. A compreensão de como o álcool atua no cérebro pode ajudar no desenvolvimento de tratamentos para problemas como dependência química ou epilepsia, segundo os autores. Sabe-se que o álcool altera a comunicação entre neurônios. “Há muito interesse em descobrir como o álcool atua no cérebro. Uma das di quinta-feira, 24 de novembro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    a justiça pode obrigar o empregador readimitir seu funciponario alcoolista ;como e quando? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    outras consequências do alcool no ambiente de trabalho? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUEM FOI VAISSMAN 2004 ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Currículo | Dra. Magda Vaissman Médica psiquiatra, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1975, com título de especialista em psiquiatria outorgado pela Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP, membro da Associação Brasileira de Estudos em Álcool e Outras Drogas - ABEAD, membro da Associação Brasileira de Deficit de Atenção - ABDA. Ex-diretora do Departamento de Dependência Química da Associação de Psiquiatria do Estado do Rio de Janeiro - APERJ Títulos Acadêmicos - D quinta-feira, 24 de novembro de 2011
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.