Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Direito E Política>Direito Tributário>Resumo de Baterias no Brasil e a compra de fábricas pelo grupo Enertec

Baterias no Brasil e a compra de fábricas pelo grupo Enertec

Resumo do Artigo   por:tamura     Autor : Luís Henrique Tamura
ª
 
Por volta de 1986, uma fábrica na Alemanha conseguiu produzir uma nova forma de bateria automotiva, uma bateria selada que não requeria reposição de água.
A água da bateria na verdade, possui um elemento químico principal o ácido sulfúrico e este reage no interior da bateria quando submetido às placas de chumbo.
A empresa descobriu um meio em que a água possa evaporar naturalmente, mas percorra caminhos internos que a conduzem ao retorno do seu estado líquido e retornando fazendo com que ela tenha dificuldade em perder o seu líquido.
Esta tecnologia mais aprimorada veio a ser copiada por diversas outras empresas em todo o mundo, incluindo o Brasil.
No entanto, uma empresa tradicional no mercado automotivo e fabricante de baterias então na época com mais de 50 anos de tradição, Durex, fornecendo baterias para duas montadoras: Ford e Volkswagen, tendo ainda a Scania, Mercedes Benz entre outros clientes, teve o comentário de seu dono: "Eu e meu pai já fabricamos baterias há mais de cinquenta anos, não vou aderir a este negócio de baterias Free".
Foi desastroso, outros fabricantes trataram de re-equipar suas produções inovando em maquinários, entre outros.
A Volks e a Ford cortaram a negociação com a Durex e antes que ela viesse a perder outras montadoras, foi vendida para uma fábrica argentina.
A fábrica argentina mudou a empresa para Araraquara e um instalador elétrico que realizou todo o serviço de manutenção predial na empresa, afirmou que viu mesas brancas em várias fileiras com mais de trinta metros de comprimento. Em cada mesa haviam fileiras de baterias com sensores sobre todos os vasos.
As baterias eram fabricadas na Argentina e trazidas sem carga e sem liquido para o Brasil.
Vistoriando todo o trabalho de carga, estava um operador apenas que observava o monitor de um computador.
Sempre que uma bateria apresentava defeito, este era alertado pelo monitor e tinha nas mãos o número do corredor e número da bateria, ia ao local com outra e substituía.
A margem de defeito quando a Durex perdeu as duas montadoras, superava o índice de 50 %. Isso porque no sistema antigo os vistoriadores analisavam uma bateria e passavam cinco. Para reduzir os custos com a produção e conseguir competir no mercado, vários trabalhadores foram demitidos e com isso os testes passaram a ser o exame de uma e passagem de dez sem serem testadas.
Outra fábrica de baterias o grupo Saturnia comprou a Vulcania das mãos dos japoneses temendo que estes viessem investir pesado no mercado brasileiro. A fábrica japonesa em questão era a Yuasa.
Para realizar um sonho antigo, a Saturnia que é fabricante da marca Heliar, conseguiu comprar uma fábrica de baterias que tem como seu produto potencial a fabricação de baterias para navios e aviões, as baterias Prestolite.
O grupo Saturnia passou a ser proprietária então das marcas Heliar, Vulcania e Prestolite.
Outro grupo, desta vez um grupo norte-americano se interessou pelas fábricas brasileiras e resolveu comprar todo o grupo Saturnia e de quebra as fábricas argentinas incluindo o grupo Durex.
Já no final dos anos 90, o grupo Enertec já era detentora de nada menos que 80 fábricas de baterias em todo o mundo.
Entre as formas que ela conseguiu para fazer uso da produção de baterias, está a utilização de um recurso nos tratados comerciais entre Brasil e EUA, onde produtos comercializados por empresas que tenham fábricas no outro país, tenham isenção fiscal e benefícios fiscais com a redução significativa de impostos.
Resultado: o grupo Enertec produz baterias nos EUA, alega a importação dos produtos do mercado brasileiro e faz apenas a rotulagem dos seus produtos com os nomes de empresas do Brasil com o uso das marcas Vulcania, Prestolite, Heliar, Saturnia e Durex para ter a redução em pelo menos 15 % do valor total do produto.
Publicado em: 30 agosto, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    gataria de saber o numero do telefone da fabrica de baterias vulcania Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Como Posso encontrar alguem responsável pela Auto Asbesto S/A. Eu trabalhei nesta empresa nos anos 70 e não consigo comprovar o tempo para efeito de aposentadoria. ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    tsmbem gostaria de saber se ainda existe a auto sabesto ? quinta-feira, 27 de setembro de 2012
  1. Responda   Pergunta  :    Gostaria de saber se tem alguma fabrica de baterias procurando representante em curitiba pois tenho mais de 20 anos de experiencia no mercado Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUAL O ENDEREÇO COMERCIAL DA ANTIGA FABRICA DE BATERIAS VULVANIA S/A Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Por obséquio Gostaria de saber qual o endereço da fabrica da Heliar em sorocaba Obrigado Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    a bateria bosch e ac delco são do grupo da enertec ( 2 Respostas ) Veja tudo
  1. Responda  :    SIM SÃO DO MESMO GRUPO POREM QUALIDADES E FORMAS DE MONTAGENS DIFERENTES. sexta-feira, 2 de março de 2012
  1. Responda  :    Sao todas fabricadas pela enertec sexta-feira, 2 de março de 2012
  1. Responda   Pergunta  :    Quem é o responsavel pela documentação da antiga Auto Asbestos Durex,preciso de um documento e não encontro os responsáveis. ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Eu tambem preciso de um documento para minha aposentadoria, se voce souber como contatar com alguem da extinta Auto Asbestos S/A. ficarei muito agradecido. terça-feira, 10 de abril de 2012
Comentário Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.