Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Direito E Política>Política - Geral>Resumo de As três principais Teorias Contratualistas: Hobbes, Locke e Rousseau

As três principais Teorias Contratualistas: Hobbes, Locke e Rousseau

Resumo do Artigo Científico   por:lionessantos     Autor : Filosofolionessantos
ª
 

São três as principais teorias contratualistas. O primeiro contratualista foi Thomas Hobbes (1588/1679), filósofo inglês que em 1651 publicou o "Leviatã ou a Matéria, Forma e Poder de uma Comunidade Eclesiástica e Civil", na qual expõe seu pensamento. Para Hobbes o único caminho para constituir um poder comum, capaz de defender os homens contra a invasão dos estrangeiros e contra as injúrias alheias, assegurando-lhes de tal sorte que por sua própria atividade e pelos frutos da terra possam nutrir-se e viver satisfeitos, é conferir todo o poder e fortaleza a um homem ou a uma assembléia de homens, o que, por pluralidade de votos, possam reduzir suas vontades a uma vontade. Isto equivale dizer: eleger um homem ou uma assembléia de homens que represente sua personalidade; e que cada um considere como próprio e se reconheça a si mesmo como autor de qualquer coisa que faça ou promova quem representa sua pessoa, naquelas coisas que concernem à paz e à segurança comuns; que, ademais, submetem suas vontades cada um à vontade daquele, e seus juízos a seu juízo. Isto é algo mais que consentimento ou concórdia; é uma unidade real de tudo isso em uma e a mesma pessoa, instituída por pacto de cada homem com os demais, em forma tal como se cada um dissesse a todos: autorizo e transfiro a este homem ou assembléia de homens meu direito de governar-me a mim mesmo, com a condição de que vós transferireis a ele vosso direito e autorizareis todos seus atos da mesma maneira. Feito isso, a multidão assim unida em uma pessoa se denomina comunidade (Estado). O segundo foi John Locke (1632/1704), pensador inglês que em 1690 trouxe a obra “O Segundo Tratado do Governo Civil”. Locke refuta as idéias de Hobbes e faz apologia a Revolução de 1688 e começa aludindo ao estado de natureza que, segundo ele, "é um estado de perfeita liberdade", sem ser, entretanto um estado de licença, sendo regido por uma lei natural que obriga a cada um; e a razão, que se confunde com esta lei, ensina a todos os homens, se querem bem consultá-la, que, sendo todos iguais e independentes, nenhum deve criar obstáculo a outro em sua vida, sua santidade, sua liberdade e seus bens. Ao contrário, o estado de guerra - de Hobbes - é um estado de ódio e de destruição. Daí, leva-se a percepção da diferença evidente entre os dois.  Pois, para Locke: "quando os homens vivem juntos e conforme a razão, sem ter sobre a terra superior comum que tenha autoridade para julgá-los, se acham propriamente em estado de natureza. O terceiro contratualista foi Jean-Jacques Rousseau (1712/1778) o qual nos deixou duas importantes obras para reflexão sobre o Estado: "Discurso sobre a origem da desigualdade entre os Homens” e o “Contrato Social”, editados em 1754 e respectivamente em 1762. No Contrato Social, Rousseau distende em bases puramente teóricas, os princípios segundo os quais se poderiam organizar um pequeno Estado poderoso e prospero na persuasão de que o homem só foi feliz na época em que vivia sem problemas, em meio a pequenos grupos, numa vida pastoral e fácil, ocupado com os negócios materiais de existência e com as afeições da família. Depois, quando começou a refletir, o homem inventou: a propriedade, que causou a miséria de uns e a riqueza excessiva de outros; o luxo, que criou os vícios; a instrução, que criou a ambição, as inquietações de espírito. Segundo Rousseau, o Estado Convencional resulta da vontade geral, que é uma soma da vontade manifestada pela maioria dos indivíduos. A nação (povo organizado) é superior ao rei. Não há direito divino da Coroa, mas, sim, direito legal decorrente da soberania popular. A soberania popular é ilimitada, ilimitável, total e incontrastável. O Governo é instituído para promover o bem comum, e só é suportável enquanto justo. Não correspondendo ele com os anseios populares que determinaram a sua organização, o povo tem o direito de substituí-lo, refazendo o contrato. Dessa forma, Rousseau sustenta assim, o direito de revolução.

Publicado em: 09 janeiro, 2010   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    qual a importancia que elas assumrm a idade moderna Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    teoria dos contratualistas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Teoria dos contratualistas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual e a importância que elas assumem na idade moderna? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como os marxista criticam as teorias contratualistas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Diferencie as idéias passadas por Hobbes, Locke e Rousseau Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quais são os pensamento comum dos construtualistas ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Todos acreditavam mesmo que de forma advésia, que com as relações sociais era de suma importância a criação de um Estado organizado, onde se era constituido leis para o reger o povo. quarta-feira, 17 de abril de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    oque são as teorias contratualista? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    São as teorias que estabelecem um acordo entre governante e governados terça-feira, 9 de abril de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    duas teorias legitimaram oabsolutismo:a teoria contratualista ea teoria do direito dos reis ,descreva o pesanamento da cada uma dela Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual era o pensamento contratualista ? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.