Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Direito E Política>Lei Geral >Resumo de O Dogma da Completude. In: Teoria do Ordenamento Jurídico

O Dogma da Completude. In: Teoria do Ordenamento Jurídico

Resumo do Livro   por:lionessantos     Autor : Norberto Bobbio
ª
 

O dogma da completude é o princípio de que o ordenamento jurídico seja completo, fornecendo ao juiz uma solução sem recorrer a equidade. Foi (e é em parte) dominante na teoria jurídica de origem romana, sendo considerado algo notável do positivismo jurídico. Esse dogma nasce com a tradição românica medieval, quando se considerava o direito por excelência, um sistema potencialmente completo, uma mina inesgotável de sabedoria jurídica, no qual a jurisprudência desenvolveu um método extensivo (aplicável a vários casos) em prejuízo ao da equidade, “inspirando-se no princípio de autoridade em vez de no princípio de natureza das coisas”. Na modernidade, o dogma da completude tornou-se parte integrante da concepção estatal de Direito, na qual a produção jurídica é monopólio do Estado. Assim, o direito emanado do Estado (do soberano) era onipotente, e por isso regulava todos os casos. Afinal, admitir que houvesse lacunas no ordenamento jurídico significava introduzir um direito concorrente, que quebra o monopólio da produção jurídica estatal. Então, para manter o monopólio, o direito deve servir para todo uso. “A miragem da codificação é a completude”. A cada grande codificação, desenvolvia a tendência de ater-se escrupulosamente aos códigos, atitude que ficou conhecida como o fetichismo da lei. Após a codificação, foi se impondo a escola jurídica de exegese, que se contrapõe a escola científica. A escola de exegese tinha admiração pela codificação, confiança cega na suficiência da lei, ou seja, é o dogma da completude. Até poderia ser dito, que a escola de exegese e a codificação são fenômenos estreitamente conexos. O jurista alemão Eugen Ehrlich, em seu livro, A Lógica dos Juristas, é o representante da reação ao fetichismo da lei e, consequentemente, ao dogma da completude. Para tanto, criticou o raciocínio do jurista tradicional, afirmando que este se baseava em três pressupostos: a preposição maior de cada raciocínio jurídico deve ser a norma (jurídica); esta (normas) deve ser sempre lei de Estado; e a norma deve formar no seu conjunto uma unidade. Ele acreditava que o conformismo diante do estadismo havia gerado na jurisprudência o dogma da completude.

Publicado em: 24 julho, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    dogmas, criticas quais são as respostas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    dogmas; criticas quais as respostas. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quero saber diretamente sobre o fetiche da norma jurídica ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    A impunidade de corruptos do legislativo, e a impunidade de magistrados corruptos estaria ligada ao Principio da Completude? Juízes que aplicam esse julgamento estariam presos ao Dogma da Completude? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quero saber resumidamente o que é dogma da completude? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    um sistema potencialmente completo, uma mina inesgotável de sabedoria jurídica, no qual a jurisprudência desenvolveu um método extensivo (aplicável a vários casos) em prejuízo ao da equidade, “inspirando-se no princípio de autoridade em vez de no princípio de natureza das coisas”. Fonte: http://pt.shvoong.com/law-and-politics/law/1829128-dogma-da-completude-teoria-ordenamento/#ixzz1bnhDTFB2 terça-feira, 25 de outubro de 2011
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.