Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Direito E Política>Resumo de SOBRE A VIOLÊNCIA

SOBRE A VIOLÊNCIA

Resumo do Livro   por:lionessantos     Autor : HANNAH ARENDT
ª
 
SOBRE A VIOLÊNCIA – HANNAH ARENDT Ao tratar do trabalho humano e do processo de reificação, Hannah Arendt constata a existência de elementos de violência no processo de fabricação “o homo faber, criador do artifício humano, sempre foi um destruidor da natureza”. Arendt também relaciona violência com deterioração do político e com a ausência de ação e de diálogo, expressões efetivas de poder. Ao analisar o pensamento moderno em relação à tradição da filosofia política, Arendt constata a existência de “a antiga confusão de poder com violência” Em Sobre a Violência, Arendt apresenta sua crítica ao pensamento maxista da violência como parteira da história, a que chama de “glorificação da violência”. A partir da oposição entre violência e palavra, Arendt qualifica a violência como um “fenômeno marginal no campo político; pois o homem, na medida em que é um ser político, está dotado do poder da fala”. O livro Sobre a Violência é uma investigação acerca da natureza e das causas da violência. No primeiro capítulo, a autora mostra que os avanços da violência pela revolução tecnológica fez com que os antigos conceitos a respeito de violência e do poder se tornassem “inaplicáveis”.
Analisa também aquilo a que chamou de “glorificação da violência”, apontando para a fragilidade desta argumentação e fundamentação teórica feita por autores como Marx e Hegel. No capítulo dois, Arendt busca entender o que constitui a essência do poder e da criatividade da ação e utiliza uma série de delimitações conceituais sobre violência, poder, vigor, autoridade, comando, obediência, construindo um quadro referencial sólido. Já no último capítulo, Arendt faz um confronto com as diversas explicações sobre a violência, como as de base biológica e ideológica, reafirmando a especificidade própria do campo político e a sua pertinência hermenêutica para explicar os fenômenos do poder da violência.
Publicado em: 04 novembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    como que eu respodo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Por que a burocracia é entendida como forma de dominação em Hannah Arendt ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual é o conceito de autoridade em Hannah Arendt ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    É possível se inferir traços de totalitarismo no desenho politico brasileiro moderno, especificamente no periodo 1964-1985 ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    neste livro poder é correlato de violencia ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    eu não entendi nada ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Arendt diz que poder não é sinônimo de violência, apesar deste último ser usado para subjulgar as pessoas. Como o homem é político, pode resolver suas questões através do diálogo e encontrar soluções através da criatividade quinta-feira, 15 de dezembro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    o que podemos fazer para acabar com a violencia sou uma esdudante tenho 11anos mas nunca fua acredida só desrespeitada Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    O que é a violência? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    a violencia é quando alguem acredi a outra sou esdudande tenho 11anos quarta-feira, 6 de abril de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    O VIOLLENCIA ESTA CADA VEZ MAIS POIR Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. Barbara

    sobre a violencia

    O maravilhoso livro "sobre a violencia" de Hannah Arendt te proporciona uma visao ampla do que realmente é política, que poder e violencia são opostos.A leitura te oferece um melhor entndimento sobre os fatos que permeiam a sociedade atual.

    1 Classificação terça-feira, 25 de março de 2008
X

.