Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Direito E Política>Resumo de Código de Direito Canônico

Código de Direito Canônico

Resumo do Livro   por:RicardoHenrique     Autor : Ricardo Henrique
ª
 
Comentário baseado no Código de Direito Canônico, a partir do texto do Papa João Paulo II e o Prefácio. O Código de Direito Canônico constitui-se de regras e normas que tangem as atividades cotidianas da Igreja, pois o Código, traz em si mesmo um conteúdo que defende e assegura a doutrina, Em uma cera ocasião o documento ganha uma nova reformulação entre de 1962-1965 período em que ocorre o Concílio Vaticano II, contando com o grande apoio do Papa João XXIII. A Constituição do Código é estruturada com base na Sagrada Escritura e o ideal da vida cristã (At 2, 42-45), que é expressado com um sincero espírito do Vaticano II, como assim falara o Papa João Paulo II. O Código possui um caráter jurídico que é utilizado pela igreja para orientar na verdade, a vida de todos os batizados. “Por sua estreita relação com Deus, Criador e Redentor, o direito da Igreja supera claramente o direito civil (→ CRIAÇÃO; → REDENÇÃO)”.[1] A construção do Código se dá a partir da união do Colégio Episcopal, fundamentado na Palavra de Deus o AT e o NT, expressa também aquilo que podemos chamar de Depositum Fidei. Na introdução Código de Direito Canônico o Papa João Paulo II, exprimi o interesse do documento, afirmando: Torna-bem claro, pois, que objetivo do Código não é de forma alguma, substituir, a vida da Igreja ou dos fiéis, a fé, a graça, os carismas, nem muito menos a caridade. Pelo contrário, sua finalidade é, criar na sociedade eclesial uma ordem que, dando primazia ao amor, à graça e aos carismas, facilite ao mesmo tempo seu desenvolvimento orgânico na vida, seja da sociedade eclesial, seja de um de seus membros. (CIC[2], p.10) O prefácio apresenta o caminho que a eclesiologia[3] ocupa na abordagem da Constituição do Código – frente à dimensão política e social, observando os ensinamentos da mística do Bom Pastor. Dentro do seu processo histórico, desde os primórdios nos são apresentadas informações a partir documentos escritos e preservados, que apontam leis e normas auxiliadoras na organização da comunidade cristã, baseada em direitos eclesiásticos sem desprezar os direitos civis. Com apoio do monge Graciano no século XII, marca a Igreja latina da metade do século: o nascimento do direito canônico como ciência, evento que marcará indelevelmente os concílios seguintes (Lateranenses I-IV).
Quem primeiro o capta é Graciano, que no início dos anos quarenta completa a coleção das fontes do direito canônico para uso da escola de Bolonha: a sua concordatia discordantium canonnum
ou Decretum
se tornará o texto base do direito canônico com status
universitário, o tronco no qual exertará o ius novum
produzido pelas decretais Pontíficies e dos concílios até os meados do séc. XIV.[4] No período de 1962-1965, a análise e revisão do código foram realizadas arduamente, e no fim do Concílio vaticano II, apresentou-se a revisão do Direito Canônico iniciada por João XXIII e continuada por Paulo VI. O direito exercido pela Igreja é de ordem divina, logo, aquele que assume o apostolado dentro da hierarquia, desenvolve-o em nome de Cristo, pois n’Ele está contida toda autoridade. Por fim, o Código de Direito Canônico vem apresentar normas regulares que ajudam a Igreja a exercer o seu papel de missionária, através do conteúdo jurídico-eclesial, pois, em nossos tempos os pontos abordados no Código, se atualizam com a prática pastoral da igreja no mundo. [1]HEINRICH, Fries. Dicionário de Teologia
. Volume 1/ Adão – Dogma. São Paulo: Loyola,1973. Verbete Direito Canônico, p.413.
[2] Código de Direito Canônico. [3] A palavra provém do grego ekklesia (assembléia). A igreja é aqui na terra o corpo místico de Cristo. Nesta acepção, é chamada igreja invisível, a que tem vida interior, espiritual. Cristo é a cabeça desse corpo
Disponível em: < http://www.renovado.transvidia.com.br/eclesiologia.htm>. Acesso em 21 de fevereiro de 2007 às 22h14mm. [4] ALBERIGO, Giuseppe (org). História dos Concílios Ecumênicos
. 2º Edição. São Paulo: Paulus, 1995, p. 196.
Publicado em: 18 setembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    FONTES DO DIREITO CANÔNICO Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que significa excardinação ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    é encardinação cuidado com a escrita quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011
  1. Responda   Pergunta  :    oq é at e nt? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.