Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Filosofia>Resumo de Uma história de amor sem palavras

Uma história de amor sem palavras

Resumo do Livro   por:licalia     Autor : Rui de Oliveira
ª
 
À primeira vista é apenas mais um livro infantil. E para crianças bem pequenas, alguns concluirão, porque sem palavras. É um livro que conta uma história só com imagens. Porque fica na seção infantil das livrarias corre o risco de passar despercebido pelos adultos, da maioria dos adultos, mesmo daqueles que são leitores. Os poucos felizardos serão aqueles que costumam visitar a seção infantil das livrarias e bibliotecas, por serem pais, tios, tias, madrinhas, padrinhos ou professores. Uma pena.

No entanto, é um livro de cunho universal, por três motivos:

· Porque sem palavras – na verdade, só há uma frase nas primeiras páginas, identificando o Mestre Guardião das três palavras mágicas. Pode ser “lido” por todos, letrados ou não, por não necessitar de um trabalho extenso de tradução. A sua linguagem é esta que tem estado em voga nos séculos XX e XXI - a imagem - primeiro (se pensarmos nos desenhos nas cavernas) e último meio de expressão humana.

· O tema – o amor romântico - que permeia em menor ou maior medida a vida de todo ser humano.

· Põe em discussão o papel da literatura em nossas vidas.

Trata-se do amor muito celebrado na Idade Média e que ainda hoje está presente em um grande número de narrativas, coexistindo ou contrapondo com outros movimentos narrativos e outras concepções do amor - é o amor cortês.

Engana-se quem pensa que os valores existentes no modelo de amor cortês é coisa do passado, ele continua a ser celebrado ou questionado. Em procurando firme, de Ruth Rocha, a heroína rompe com o modelo de mulher ideal e recatada a esperar marido e vai procurar outro modelo de mulher. Já em Ivanhoé, clássico inglês de sir Walter Scott, há dois modelos de mulher, a que não mede esforços pelo homem que ama e a passiva, branca e bela, que assiste a todas as agruras do amado sem se mover para nada. E que, como é senhora, de família nobre, é quem fica com o herói. Nas telinhas, em O diário de Brigitte Jones, a heroína decide parar de esperar marido e sai à caça. Este questionar não é de agora. Já no século XIX, em Eugene Grandet, Balsac, escritor francês, apresenta-nos a moça que dá título ao livro, não tão bela, mas rica e honrada, a esperar pelo primo amado, que a esquece por outra ainda mais rica e com título de nobreza.

Mas que modelo de mulher presente no amor cortês é esse, que é ora validado, ora questionado? Oriundo do pensamento platônico, ele tem uma concepção de amor elevado, que se quer casto, que se reserva àqueles que se sacrificam por ele. O homem parte em busca de experiências capazes de lapidar nele valores como a coragem, a força, a honradez, a lealdade aos princípios e à palavra dada. À mulher cabe esperar pelo amado mantendo-se casta e fiel.

Como um oráculo, a quem só os iniciados têm acesso a seus presságios, esse livro passará despercebido de muitos professores – os responsáveis pela formação leitora das crianças e jovens - e outros cujas aulas de literatura que tenham tido tenham sido mais expositivas e menos de fruição e reflexão sobre os modos de representação do homem e do mundo presentes na produção literária ao longo dos tempos, sobre os modos de se cantar o amor e a vida em todo o percurso da literatura. E assim, as crianças perderão a oportunidade de terem um primeiro contato mais orientado e consciente sobre os temas e estilos literários presentes nos livros que lêem.

No decorrer das páginas, vê-se um nobre em busca das três palavras mágicas. Essas são conquistadas por ele uma a uma, à medida que vai vencendo obstáculos e distâncias.

Para o ideal cortês, o amor é algo a ser conquistado e merecido, algo reservado àqueles dispostos a se sacrificar por ele. A amada que é linda, casta e bela pouco age na narrativa, a não ser esperar pelo amado.

Esse modelo de mulher passiva, repudiado pelo movimento feminista, é ainda acalentado por muitas mulheres: um homem decidido, honrado, correto, que tem certeza do que sente e é fiel a esse sentimento por ela, que venha resgatá-la da solidão.

Para aqueles, ainda que não familiarizados com as características do amor cortês, o livro é imprescindível, vale pela beleza das ilustrações, dos traços, do manuseio consciente das cores, ora claras e luminosas, ora escuras e sombrias, de acordo com os momentos vividos pelo personagem. Não é assim a vida? Não dá para não ler porque coloca diante do homem, da mulher do jovem e da criança a necessidade de posicionarem-se, cedo ou mais tarde, quanto a escolha de como irão amar.

Publicado em: 05 março, 2012   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    SITESE SOBRE A HISTORIA AMOR SEM PALAVRAS Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.