Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Filosofia>Resumo de O Nascimento da Ontologia, da Metafísica e da Lógica

O Nascimento da Ontologia, da Metafísica e da Lógica

Resumo do Artigo   por:F Drummond     Autor : Frederico Drummond
ª
 

O Nascimento da Ontologia, da Metafísica e da Lógica

O desafio posto pela “verdade” de Heráclito em confronto a “verdade” de Parmênides é fascinante. Poucos momentos da filosofia tiveram esta dimensão paradigmática. São dois gênios, que ajudaram na ruptura no modelo anterior de ver e pensar o universo, através do mito e, mais do que isto o fizeram inaugurando a um só tempo a metafísica, a ontologia e a lógica.

Toda a história da filosofia, até a época contemporânea, é pendular entre a afirmação de uma natureza cuja essência é um permanente deixar de ser e de outro lado de uma realidade que é apreendida pela ciência precisamente pela permanência de suas leis. Ainda que este permanecer não seja matemático, mas probabilístico.

Assim nos afirma a filósofa e educadora Marilene Chauí:

“A história da Filosofia grega será a história de um gigantesco esforço para encontrar uma solução para o problema posto por Heráclito e Parmênides, pois, se o primeiro tiver razão, o pensamento deverá ser um fluxo perpétuo e a verdade será a perpétua contradição dos seres em mudança contínua; mas se Parmênides tiver razão, o mundo em que vivemos não terá sentido, não poderá ser conhecido, será uma aparência impensável e viveremos na ilusão”.

Será preciso, portanto, uma solução que prove que a mudança e os contrários existem e podem ser pensados, mas, ao mesmo tempo, que prove que a identidade ou permanência dos seres também existe, é verdadeira e pode ser pensada. Como encontrar essa solução?

Ato e potência: será este achado de Aristóteles a resolução deste dilema?  Vejamos:

Potência: é o que está contido numa matéria e pode vir a existir, se for atualizado por alguma causa; por exemplo, a criança é um adulto em potência ou um adulto em potencial; a semente é a árvore em potência ou em potencial;

Ato: é a atualidade de uma matéria, isto é, sua forma num dado instante do tempo; o ato é a forma que atualizou uma potência contida na matéria. Por exemplo, a árvore é o ato da semente, o adulto é o ato da criança, a mesa é o ato da madeira, etc. Potência e matéria são idênticos, assim como forma e ato são idênticos. A matéria ou potência é uma realidade passiva que precisa do ato e da forma, isto é, da atividade que cria os seres determinados;

Vale recordar que o esforço de Aristóteles nem sempre é no sentido de rejeitar os filósofos que o antecederam, mas construir uma síntese coerente que os inclua. Este é o caso particular do conceito de potência e ato, face  às doutrinas de Parmênides e Heráclito.

Parmênides e Heráclito proclamavam doutrinas antagônicas: o ser imutável e imóvel no caso do primeiro e do devir para o segundo. Havia um problema filosófico que dizia respeito à contradição entre o ser e o movimento. Aristóteles, para resolver esta contradição, introduz a noção de potência e ato. É certo que a matéria está em constante devir, sempre mudando. A matéria aspiraria à forma, se transformando sempre ao mudar de forma e se realizar como atualidade. Esta atualização é feita pela causalidade, mais especificamente pela causa final, que rege a atualização da potência de um ser. Encontramos um outro comentário no site “mundodosfilosofos.com.br/aristóteles, que detalha um pouco mais a doutrina da potência e ato, introduzindo o conceito de síntese ou sínolo”:

“A doutrina da potência e do ato é fundamental na metafísica aristotélica: potência significa possibilidade, capacidade de ser, não-ser atual; e ato significa realidade, perfeição, ser efetivo. Todo ser, que não seja o Ser perfeitíssimo, é, portanto uma síntese - um sínolo - de potência e de ato, em diversas proporções, conforme o grau de perfeição, de realidade dos vários seres. Um ser desenvolve-se, aperfeiçoa-se, passando da potência ao ato; esta passagem da potência ao ato é atualização de uma possibilidade, de uma potencialidade anterior. Esta doutrina fundamental da potência e do ato é aplicada - e desenvolvida - por Aristóteles especialmente quando da doutrina da matéria e da forma, que representam a potência e o ato no mundo, na natureza em que vivemos”

Um dos pontos instigantes na obra de Aristóteles é seu conceito de Causa Formal, que possui o atributo de individualizar a matéria; ou seja, o Ser, em potência se atualiza (ato) através da forma, que o torna individuo. O processo em que a forma individualiza a matéria é chamado de sínolo (síntese).Todo universo é uma potência em atualização: é um ser – vindo-a-ser um ser. Em outras palavras: O Ser que se auto-referencia em potência atualizando-se.

Aqui nos colocamos um desafio intelectual: até que ponto o conceito de forma/ato não constitui um insight sobre o que hoje chamamos de Autopoiese, em que a vida tendo a cognição como seu processo, é potência auto-atualizante.

Referências Bibliográficas:

1 - A Metafísica - Aristóteles -, tradução de Edson Bini, (Editora Edipro – Edições Profissionais Ltda – SP - 2006).

2 - A República – Platão – Editora Martins Claret – SP – 2006

3 - Convite à Filosofia - de Marilena Chauí Ed. Ática, São Paulo, 2000.

4 - (http://www.mundociencia.com.br/filosofia/aristoteles.htm)

5 - http//www.mundodosfilosofos.com.br/Aristóteles

Publicado em: 16 maio, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    definiçao basica sobre nascimento da logica porfavor Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual a relação entre lógica e ontologia Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. helio

    filosofia

    põ meu da potencia ao ato e como o 360 grau da trigonometria.

    0 Classificação quinta-feira, 7 de abril de 2011
X

.