Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Filosofia>Resumo de Emoção, Inteligência e Personalidade

Emoção, Inteligência e Personalidade

Resumo do Artigo   por:varuker80     Autor : Carlos Andrada
ª
 
EMOÇÃO, INTELIGÊNCIA E PERSONALIDADE Carlos Andrada Quem vive, muitas vezes, tem que lutar para manter um controle emocional e intelectual, equilibrando seus princípios, opiniões e convicções com as diferenças, ou seja, o que os outros pensam. É sempre difícil, pois queremos que todos se adaptem ao que nós consideramos ideal, todavia a aceitação precisa ser feita e vir de nós, pois a verdadeira tolerância está no respeito à liberdade, que se evidencia na variedade de comportamentos. Considerar as pessoas como iguais, mesmo sem concordar com elas, não é se submeter à sua vontade, mas sim conviver pacificamente e sem rancor. Nunca conseguiremos convencer alguém a pensar e agir exatamente como nós mesmos. Quando admitimos que existem posições contrárias às nossas e que aqueles que as defendem também têm direito de expressá-las, além dos direitos básicos de cada ser humano, damos um importante passo na direção da tolerância e da compreensão. Para evoluir nesse caminho temos que, antes de mais nada, reconhecer nossos próprios defeitos e ambigüidades, sem julgar, criticar e apontar falhas em outro indivíduo. A oposição de idéias e princípios nem sempre indica um inimigo, assim como a coincidência de pensamento não significa que duas pessoas sejam íntimas ou que confiem uma na outra. É óbvio que há um limite do que podemos agüentar e ninguém suporta insultos e agressões, ocorrendo um afastamento de quem as faz, nesses casos. Porém é raro que aja algo assim de maneira súbita e sem justificativa. As personalidades não mudam, mas as opiniões sim, e se houver uma coerência e uma justificativa razoáveis para uma alteração de ideário, não há por que condená-la. Acusar uma pessoa de traidora e “vira-casaca” não tem nenhum sentido se ela não estiver fazendo mal aos outros nem lucrando com uma mudança súbita (e talvez suspeita) de idéias. Claramente isto existe, como na troca de regimes políticos, sistemas sociais e diretrizes econômicas dos países: os que estão dominando vão querer continuar e fazer parte de uma elite privilegiada e intocável, não importa a hipocrisia de suas novas doutrinas “liberais” e aberturas repentinas e contrariadas. Porém, não se pode generalizar e colocar todos que abraçam uma nova forma de governo ou se convertem a uma religião frente a um pelotão de fuzilamento. Essa idéia é autoritária e cruel e foi praticada pelos piores governos de extrema direita e esquerda, usada por governantes fanáticos de todas as religiões, defendida e difundida pelos líderes inteligentes e seus lacaios estúpidos em épocas e lugares sem esperança nem compaixão, afundados no fascismo, no sofrimento e na corrupção. Qualquer um pode mudar de opinião com o passar dos anos, ao ver que algo não funciona e não está certo em sua vida. Ou mesmo durante um único dia, em pequenas decisões, como tomar um ônibus ou seguir ou não um caminho, virar ou não uma esquina, entre outras opções do cotidiano. E que têm os outros que ver com isso? Nada.
Não existe relação entre mudanças de opinião, por mais constantes que sejam, e caráter (ou a falta dele). A dignidade de alguémnão se mede por suas alterações de discurso e postura, mas sim nas atitudes que acompanham e permeiam a trajetória do indivíduo. E é aí que fica uma questão importante: quando e por quê se indignar e reagir contra uma pessoa? Talvez um ponto ainda mais essencial: é necessário sabotar uma única pessoa ou um grupo inteiro por causa de palavras aleatórias e trocas paradoxais de falas da pessoa assinalada? Se boicotar interesses pessoais, profissionais e comerciais dos outros é legítimo, deve estar claro que eles provocaram tal reação e feriram um princípio ético através de uma mudança bastante propícia e de interesse imediato. Há casos óbvios, como os deputados e magistrados que defendem pena de morte durante uma ditadura, e quando o governo muda para uma posição mais flexível e branda, os mesmos propõem penas alternativas que reintegrem um criminoso à sociedade, não importa o que tenha feito e mesmo que seja um caso muito perverso. Ou os “ilustríssimos” congressistas brasileiros, que querem diminuir a maioridade penal com veemência, porque a população está chocada com crimes hediondos praticados por menores. Se aproveitando da chance, oprimem ainda mais a população pobre, pois só sobre ela recairá a decisão, haja vista o inúmero caso de impunidades recebido pela elite rica e dominante da nação. E ainda protegem a si mesmos, já que nenhum menor filho de político será punido, sempre se arranjará um “jeito”. Saindo deste caso e olhando mudanças mais simples: um sujeito que troca de time de futebol (ou qualquer outro esporte), decide ouvir estilos musicais diferentes, se converte do Islamismo ao Budismo, muda de lado numa disputa ideológica ou mesmo abandona a neutralidade em relação a algum dogma, não deve ser perseguido por isso. Pode-se ser amigo de alguém que pense diferente e em vários grupos de amigos todos pensam de modo diferente, mas têm certas afinidades e admiração mútua, gostam de sair e estar juntos. As variações emocionais de cada um não impedem um relacionamento. Se alguém é muito emotivo e exacerbado, isto não é obstáculo para ter afeição por outra pessoa mais fria, contida e objetiva. As combinações de hábitos parecidos nem sempre coincidem com caráter semelhante. Muitos casais têm gostos e hábitos totalmente diversos, mas se amam e se respeitam, se aceitam sem tentar mudar um ao outro ou impor critérios por orgulho, egoísmo ou vaidade.
Publicado em: 15 junho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    quero personalidades sobre personagens Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.