Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Filosofia>Resumo de Teoria do Conhecimento

Teoria do Conhecimento

Resumo do Livro   por:andreaono     Autor : Johannes Hessen
ª
 
CAPÍTULO II – A ORIGEM DO CONHECIMENTO Como saber ao certo a origem do conhecimento? Mesmo os filósofos mais estudados não chegaram a um acordo. O que se pode fazer é resumir as várias correntes que tentam explicar a origem. Alguns acreditam que ele surge no pensamento, independente das experiências. Outros acreditam que ele é formado a partir da ligação dos sentidos com o conhecimento. Vejamos o que dizem os filósofos: Racionalismo – a principal fonte do conhecimento humano seria a Razão. O Racionalista só aceita que o conhecimento seja conhecido quando ele é necessário e universal. Para ele a verdade não será contestada quando houver uma necessidade lógica e validade universal. Todos conhecerão, em qualquer lugar a mesma verdade. No entanto, ele também reconhece juízos parciais, que são aqueles que depende de experiências. Para Platão existe o racionalismo transcendente, que seria as idéias que traríamos de outra existência e que seriam reavivadas com as experiências diárias. Já para Plotino, as idéias viriam do Nous Cósmico, ou seja, “a alma é iluminada e preenchida pelo alto”. Agostinho, reverte este pensamento para o Cristianismo, “o conhecimento ocorre com o espírito humano sendo iluminado por Deus”. Na idade moderna, a teoria ganha intensificação, passa a ser reconhecida como ontologismo, onde a doutrina da intuição racional do absoluto como fonte única. Com Descartes é a doutrina das idéias conatas ou inatas, segundo esta teoria nasceríamos com as idéias mais importantes, as fundamentadoras do pensamento. Já Leibniz existe apenas o germe, potencialmente, que nosso espírito nasce com a faculdade de construir. No século XIX, temos o contrário de todas as outras denominações, surge o racionalismo lógico, onde as experiências em nada somam no conhecimento ele é apenas pensante. A fonte exclusiva do conhecimento seria o pensamento. Empirismo – afirma que o conhecimento é fonte das experiências, que o pensamento sozinho não se produz, somo uma tabula rasa, nascemos com percepções onde as experiências formam o conhecimento. Ao contrário dos Racionalistas os Empiristas quase sempre vem das ciências naturais, os empiristas não se envolvem nas experiências deixando a razão de fora. São destinquindas duas formas interna e externa, na externa deparamos com os sentidos, na interna temos a reflexão.
Segundo Locke além de tudo que vimos temos a validade lógica, esta escapa a experiência, fica nas verdades independentes, por isso tem validade universal. Já em 1780, Condillac contesta Locke e estabelece o sensualismo estrito, que é a sensação como única fonte de pensamento. Já no século XIX John Stuart diz que as próprias leis lógicas do pensamento têm fundamento na experiência. O empirismo é abandonado por princípio, pois a questão não é a origem do pensamento e sim sua validade lógica. Intelectualismo – novamente, como no capítulo I de nossos resumos, a mediação vem, para o intelectualismo tanto o racionalismo com o empirismo são as fontes do conhecimento. A experiência e o pensamento constituem conjuntamente o conhecimento humano. Os sentidos recebem as imagens das coisas e o intelecto transforma em idéias, juízos sobre as coisas. Apriorismo – neste, também, temos uma mediação entre as idéias básicas do racionalismo e o empirismo – no entanto, com posição oposta ao intelectualismo, ele nos diz que o conhecimento tem elementos a priori, independentes das experiências, formas de conhecimento. A base desta tendência é “conceitos sem intuição são vazios; intuições sem conceitos são cegas.” Kant coloca que os pensamentos sensíveis são um caos e que colocar a ordem neste caos é à parte da intuição e do pensamento. A consciência constrói um mundo de objetos, colocando-os em categorias, são as formas do pensamento.Posicionamento Crítico – O fato é que em cada uma das teorias temos posicionamentos lógicos, o conhecimento só pode ser fruto de misturas destas, afinal como estaríamos pensando se não tivéssemos alguns conhecimentos a priori, ou se não tivéssemos experimentado algo para sabermos. Ser empirista, racionalista ou as facções intermediárias, nos levam ao conhecimento.
Publicado em: 10 junho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    qual a importancia das figuras de descartes, locke, bacon e hume, sobre a teoria do cnhecimento? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    conceito Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual a diferença entre a teoria idealista a idealista e como as duas chegam ao conhecimento de algo? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    mais resumido Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    pq platão fez tudo isso Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual e a relaçao entre verdade e realidade? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    origem Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    sobre os sofistas na idade media Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual a distinçaõ clara entre o racionalismo e o empirismo Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que e o racionalismo para pla tao? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 3. vinicius

    teoria do conhecimento

    adorei! estava exatamente cmo eu procurava

    0 Classificação terça-feira, 25 de setembro de 2012
  2. 2.

    A que mérda iso

    Incompleto

    0 Classificação sexta-feira, 8 de abril de 2011
  3. 1. Nilzinha

    Sobre a Teoria do Conhecimento

    Segundo o seu resumo, é difícil estabelecer um conceito para a teoria do conhecimento sendo mais prático estudar as várias tendências filosóficas no decorrer dos tempos.O seu resumo cita algumas, mas me parece que começam (ou talvez não) na teoria aristotélica-tomista e vem sucessivamente até nossos dias que é Popper e mais outros conceitos do pós-modernismo, como secularização etc. Estou tentando reunir esses conceitos e gostaria de saber se posso publicar seu texto no meu Blog ESTUDARIA e também convidá-lo para ser colaborador do BLOG. Atenciosamente Nilza Aparecida dos Santos.

    2 Classificação sábado, 9 de maio de 2009
X

.