Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Linguística>Resumo de Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão

Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão

Resumo do Livro   por:Amadalih     Autor : Luiz Antônio Marcuschi
ª
 

A obra intitulada “ Análise de gêneros e Produção” está dividida em três partes e o presente trabalho se detém na análise apenas da primeira parte “Processos de Produção Textual”. O capítulo em análise está subdividido em tópicos onde o autor discorre sobre o que é língua como objeto de estudo e de ensino; o que é texto e linguística do texto; relaciona o texto, o discurso e os gêneros e enfoca a textualidade apresentando e avaliando os critérios de textualização desenvolvidos por Breaugrande & Dressler. O autor defende dentro de uma perspectiva cognitiva sociointeracionista o ensino da língua materna através de textos, segundo ele “Todo uso autêntico da língua é feito em textos produzidos por sujeitos históricos e sociais...” (p. 23). Neste trabalho, denominado muitas vezes de “curso” pelo autor, Marcuschi posiciona-se a favor do texto como forma natural de acesso à língua. Ele destaca o papel da escola no que concerne ao ensino da língua materna, visto que o aluno que se insere na escola já sabe a língua. Então como e para quê ensinar a língua? Assim, ele aponta a Linguística do texto como ponto de partida para um ensino/estudo da língua no contexto dos seus usos, da compreensão, produção e análise textual. Porém, isso implica numa formação linguística mais sólida por parte dos professores. Ele ainda destaca que a gramática deve sim, ser ensinada/estudada desde que seja usada como ferramenta que permita uma melhor atuação nos atos de comunicação. Como orientam os PCNs (2000) Ensino Médio que “O estudo da gramática passa a ser uma estratégia para a compreensão/interpretação/produção de textos...” (p. 18). Numa abordagem cognitiva sociointerativa o autor ressalta que a função mais importante da língua é “... a de inserir os indivíduos em contextos socio-históricos e permitir que se entendam.” (p.67). Comparando a visão de Marcuschi com a de Koch (2009) em seu trabalho “Desvendando os Segredos do Texto”, é possível observar que ambos tratam a língua como um ‘lugar de interação’ e o sujeito é tratado como um ‘sujeito ativo’, aquele que se determina na relação com o outro.

O autor oferece uma visão panorâmica da Linguística textual (L.T.) e seus objetivos de estudos que foram se definindo ao longo dos anos. Expõe uma proposta de trabalho com o ensino da língua na perspectiva da L.T. que, segundo o próprio “... assume uma importância decisiva no ensino de língua e na montagem de manuais que buscam estudar textos” (p.75). Ele ainda destaca que a L.T. não trata a língua como autônoma, mas, considera as situações reais de usos. Ele expõe e amplia as definições de textos, entre elas Beaugrande (1981) em que o texto é um “evento comunicativo” Marcuschi diz que o texto é uma “unidade máxima de funcionamento da língua” e sita alguns problemas encontrados nas formas como o texto é trabalhado nas escolas apontando algumas possíveis soluções. Segundo ele “Quando se ensina alguém a lidar com textos (...). Ensinam-se operações discursivas de produção de sentidos dentro de uma dada cultura...” (p.90). Marcuschi faz uma abordagem exaustiva sobre o que é texto e textualidade cita o gênero como ‘uma ponte’ entre o discurso e o texto e diz que o gênero influencia na seleção da linguagem no discurso pretendido, embora não se detenha à classificação dos gêneros textuais ou um estudo mais profundo sobre o assunto, deixando isso para os demais capítulos da obra.

Marcuschi mostra o texto e suas relações co-textuais e contextuais explicadas a partis dos critérios de textualização desenvolvidos pó Beaugrande & Dressler (1981). Ele faz críticas e também esclarece as relações de importância exercidas por tais critérios. deixando claro, neste sentido, que a textualidade depende muito mais de aspectos cognitivos, históricos e sociais do que sintáticos ou ortográficos (estruturais). Não podemos entender um texto considerando apenas a linguagem, apesar de, o domínio da língua ser fundamental para tanto, contudo, ele defende que “... um texto se dá numa complexa relação interativa entre a linguagem, a cultura e os sujeitos históricos que operam nesse sentido.” (p. 93). Porém, o texto deve obedecer aos critérios de textualização, a saber: coesão e coerência; situacional idade; aceitabilidade; intencionalidade; informatividade e intertextualidade; embora o autor não os tome como princípios de formação textual e, sim, como critérios de acesso à construção de sentidos.

Ao longo deste capítulo Marcuschi cita vários trabalhos de autores e linguistas diversos, teóricos ou não e algumas leituras imprescindíveis ao aprofundamento do assunto abordado. Em um trabalho bem embasado ele instiga à investigação, motivando o leitor a ampliar essa leitura que é indicada para todos os curiosos e amantes da língua, estudantes, pesquisadores que se fascinam diante do fenômeno da linguagem. Embora este capítulo não contenha um detalhamento de como podemos usar efetivamente o texto como instrumento para o ensino da língua, o autor nos aponta novos caminhos aos professores que desejam dar continuidade a sua formação e desenvolver melhor suas atividades.


Publicado em: 09 julho, 2011   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Marcuschi tem mestrado? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Ele fez pós-doutorado no esxterior...pesquisa mais sobre a biografia desse renomado pesquisador em Linguítica. quinta-feira, 16 de agosto de 2012
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.