Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>História>Resumo de A Ordem Feudal Na Europa Ocidental

A Ordem Feudal Na Europa Ocidental

Resumo do Artigo   por:VolneiNeto     Autor : Volnei Neto
ª
 
Ao tentar explicar como se dava a organização e funcionamento da ordem feudal na Europa ocidental, gostaria de estabelecer algumas referências ao período medieval, para que a partir dele, possamos definir como se dá essa ordem.
A palavra feudalismo surgiu, diante da necessidade dos teóricos marxistas, em analisar a evolução social e econômica na organização das forças produtivas bem como as alterações que se deram nas estruturas políticas.
O feudalismo se apresentou como uma conseqüência direta da desagregação do poder real e da decadência do sistema monárquico, que não mais conseguia conter os ataques externos, fragmentando cada vez mais a cadeia de comando dos estados, dando com isso mais autonomia aos lideres locais e assim aumentando as unidades autônomas dentro de cada reino.
Segundo Duby, “A função primeira da realeza passou rápida e irreversivelmente para as mãos dos príncipes locais. Estes assumiram os direitos reais que tinham que neles tinham sido delegados e incorporaram-nos no patrimônio de uma dinastia cujas fundações iam sendo lançadas como parte do mesmo processo. Depois, a maior parte dos grandes principados foi-se, por sua vez, desintegrado, tal como os reinos. Os senhores da média linhagem, primeiro os condes de depois, por volta do ano 1000, os comandantes das fortalezas obtiveram sua independência dos príncipes.”
Seguindo a forma como o poder foi se subdividindo, no trecho descrito por duby vemos claramente que a autonomia passava para potentados cada vez menores.
Duby também fala que a estabilização, da era feudal, só se deu quando diminuíram as guerras de pilhagens sazonais que eram bem comuns entre quase todos os homens livres, contra inimigos de outras tribos. Com o aparecimento da adoção de um novo tipo de guerra e com a criação de um novo tipo de paz.
Ao fim do Sec. IX e inicio do Sec. X surge uma nova ideologia designada de “Paz de Deus”, onde consistia a idéia de que Deus tinha delegado aos reis a função de manter a paz e a justiça entre os homens, porém os mesmo, já não mais, davam conta desta função, então Deus tirou-os esse poder tomando de volta e investindo novamente nas mãos dos príncipes e bispos locais. Estes passaram a realizar concílios que decidiam os princípios de ordem moral e espiritual. Procurando assim diminuir a violência e estabelecer uma regra de conduta para todos que usavam armas. A partir desta nova ideologia começou a aparecer pela primeira vez uma moral coerente de guerra.
Com todas as regras estabelecidas pelos concílios de paz, os homens da guerra agora tinham que encontrar outras motivações para extravasar seu espírito bélico. Foi ai que surgiu o espírito da cruzada influenciada pela ideologia de paz guia-nos para a guerra no exterior. Também em duby na sua obra, Guerreiros e Camponeses. Os Primórdios do Crescimento Econômico Europeu - Séc. VII-XII encontramos uma referência a esta idéia, redigida da seguinte forma “Contra os inimigos de Deus, “os infiéis”, não só era permitido como até francamente salutar pegar em armas. Os homens da guerra eram assim convidados a praticar suas atividades fora da cristandade.”
Outro fato importante a ser enfatizado é que a instituição do senhorio tinha a função de proteger e condenar a pilhagem e a violência, que em compensação, legitimava a exploração senhorial, na qual, efetivamente dava uma maior solidez nas relações econômicas do período.
Novas ideologias se estabeleciam, o poder real estava cada vez mais fragmentado, dentro das instituições senhoriais e existia um crescente poder do clero, fortalecidos pelos concílios de paz. Neste momento alguns teóricos da época começam a explanar, com uma maior relevância, a teoria das três ordens.
As três ordens consistem na idéia, de que, desde o principio, Deus tinha distribuído tarefas especificas a cada homem, que foram distribuídas da seguinte forma. Os que tinham a função de orar pela salvação de todos, os guerreiros no qual deviam lutar e proteger o povo, já a terceira ordem cabia alimentar com seu trabalho os religiosos e os homens da guerra.
“Uns dedicam-se particularmente ao serviço de Deus; outros garantem pelas armas a defesa do Estado; outros ainda a alimentá-lo e a mantê-lo pelos exercícios da paz. São estas as três ordens ou estados gerais da França: o Clero, a Nobreza e o Terceiro Estado”.
Esta é uma das afirmações com que abre o Tratado das Ordens e Simples Dignidades de Charles Loyseau.
Também citado pelo mesmo, na obra - As três ordens ou o imaginário do feudalismo – de Georges Duby temos a seguinte frase: “A classe mais elevada voltada para o céu, as duas outras viradas para a terra, mas todas elas empenhadas em manter o Estado (desta vez com maiúscula), procurando à ordem média a segurança, a inferior alimentando as restantes. Três funções, pois, complementares. Solidariedade triangular. Triângulo: uma base, um vértice e, sobretudo, essa ternaridade que, misteriosamente, procura o sentido do equilíbrio.”

como texto não cabe por completo aqui o resto esta no link abixo
http://www.artigos.com/artigos/humanas/h istoria/a-ordem-feudal-na-europa-ocidental-6635/artigo/

Publicado em: 23 junho, 2009   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    O QUE MUDOU NO FEUDALISMO COM A CRIAÇÃO DAS TRES ORDENS? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que qual sou a ordem feudal ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Não entendi a pergunta... quinta-feira, 27 de setembro de 2012
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.