Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Artes>Resumo de A Escola Flamenga

A Escola Flamenga

Resumo do Livro   por:Wanalyse     Autor : Miss Emery
ª
 
Jan van Eyck é considerado, juntamente com o Mestre de Flèmalle[1], o fundador da antiga Escola Flamenga. Aperfeiçoando a pintura a óleo, Eyck mostrou uma técnica primorosa em seus quadros, retratando com realismo e detalhe o mundo ao seu redor, iniciando assim, uma nova etapa na pintura dos países do norte da Europa. “De Eyck a Brueghel e Rubens, os mestres flamengos usaram o óleo em suas pinturas como meio de retratar com vigor, e, às vezes, em profusão de detalhes, o mundo que os rodeava”[2]. Através da arte que era produzida em Flandres (país contido numa estreita faixa entre a França, a Alemanha e os Países Baixos), no começo do século XV, os precursores da Escola Flamenga se caracterizaram por uma técnica excepcional que mostrava o foco perfeito em todas as profundidades, proporcionalidade dos tamanhos de acordo com as distâncias e dos objetos entre si, ou seja, incorporando a sensação de espaço. A naturalidade dos nus se deve a utilização do óleo, que permitiu a textura exata à pele humana, partindo de tonalidades claras para as escuras por meio da superposição de camadas de tinta.
Buscando inspiração nos modelos italianos, a geração seguinte da escola flamenga não imitou a arte de Eyck. Entre seus sucessores estão Rogier van der Weyden (1400-1464), que focou o drama emocional da cena, privilegiando as atitudes de dor e piedade. Petrus Christus (1430-1473) que explorou a estrutura física subjacente de seus temas humanos, conferindo-lhes uma estranha aparência geométrica. Dirck Bouts (1415-1475) que foi o primeiro pintor flamengo a usar com acerto a perspectiva paralela e a dar a suas figuras proporções correspondentes ao ambiente que as circunda. Essas inovações eram, porém, estranhas ao espírito inicial da tradição flamenga. Entre os últimos mestres dessa fase estão Hugo van der Góes (1440-1448), que tinha uma personalidade instável e acabou ficando louco. Hans Memling (1435-1494) e Gerard David produziram pastiches melancólicos e às vezes insípidos de obras anteriores. No início do seiscentos estão os artistas Bosch (1516) e Pieter Brueghel que desenvolveu um estilo pujante caracterizado pela solidez estrutural, a exuberância rítmica e um modo especial de contemplar o grotesco.
[1] Muito se discute sobre a identidade do enigmático Mestre de Flèmalle, o qual a provável personalidade é a de Robert Campin.
[2] Informação retirada do site http://www.pitoresco.com.br/art_data/flamenga, as 22:15 do dia 21 de agosto de 2004.
Publicado em: 28 junho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.