Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Resumo de Sermão do BOM LADRÃO

Sermão do BOM LADRÃO

Resumo do Artigo   por:Cirineu Nunes     Autores: Vieira; Padre Antonio
ª
 
O intróito é a primeira das três partes de um sermão que diz o plano que se utilizará na análise, o intuito do Pe. Vieira era que basicamente todos pudessem imitar ao Rei dos Reis. Inicia-se discorrendo sobre dois ladrões que haviam sido condenados e executados através da crucifixão. Narra que quando o bom ladrão (Dimas) pediu a Cristo que se lembrasse dele no seu reino, o Senhor teve a lembrança de que ambos se vissem no Paraíso. A subjetividade, a emoção e o convencimento são expressados no texto através de figuras de linguagens. “Êste sermão, que hoje se prega na Misericórdia de Lisboa” Percebe-se aqui a presença da metonímia. A segunda parte de um sermão é o seu desenvolvimento o qual nos apresentará o sermão propriamente dito.Uma das características do barroco era a religião como alívio para as angústias; a literatura barroca procurou conciliar o espiritualismo medieval com o materialismo do classicismo renascentista numa tentativa de equilibrar os contrários por exemplo: O DIVINO E O HUMANO, O BEM E O MAL, O PECADO E A VIRTUDE, A VIDA TERRENA E A ETERNA, O SAGRADO E O PROFANO, O AMOR PURO E O PECADO, A DÚVIDA E A CERTEZA. “Nem os Reis podem ir ao Paraíso sem levar consigo os ladrões, nem os ladrões podem ir ao inferno sem levar consigo os Reis. Isto é o que hei de pregar. Ave Maria.” Nesta citação nota-se o conjunto de idéias com a presença de antíteses bem como o reflexo das oposições acima citadas. São várias as características barrocas que podem ser encontradas neste sermão que se apresentam por marcas lingüísticas e floreios literários presentes em todo o texto e também por fatores como a necessidade do perdão e as maneiras de se alcançá-lo. Para Pe. Vieira sem a restituição do alheio não se poderia alcançar a salvação. Não se perdoava o pecado sem se restituir o roubado quando o ladrão tivesse possibilidade de restituí-lo. As restituições do alheio sob pena da salvação estavam sujeitos tanto os súditos quanto os reis. Os ladrões de quem fala o padre neste sermão não são os miseráveis a quem a pobreza obriga a agir de maneira incorreta, mas os ladrões de maior calibre e de mais alta esfera.
É narrado que Alexandre em uma poderosa armada pelo mar Eritreu repreendeu um pirata que fora trazido à sua presença porque roubava os pescadores; porém o pirata respondeu que ele por roubar em uma barca era considerado um ladrão e que Alexandre ao usar uma armada para roubar era considerado imperador. O Pe. vieira insinua, metaforicamente, que os reis adquirem um passaporte para furtar.
O vocabulário rico, as comparações, as metáforas, além da dubiedade de sentidos aparecem em muitas passagens do texto, mas há um trecho bastante longo, porém bastante interessante que se apresenta em mais evidência, é guando ele explica as maneiras de furtar: no modo indicativo, imperativo, mandativo, optativo, permissivo, infinito; acrescenta ainda que esses modos sejam conjugados em todas as pessoas e ainda furtam por todos os tempos. A terceira parte de um Sermão é a Peroração
que é o momento que além de finalizá-lo, os ouvintes são conclamados a seguirem a prática das virtudes propostas como se percebe quando ele faz com que o ouvinte (em nosso caso: o leitor) pense sobre sua citação: não se pode calar com boa consciência, ainda que seja com repugnância, é força que se diga
ou ainda quando ele narra baseado no que disse Cristo, que é melhor ir ao Paraíso manco, aleijado e cego, que com todos membros inteiros ao inferno. Finaliza fazendo uso de repetições, pedindo a Deus que ensine com o seu exemplo e inspire com a sua graça a todos os reis de tal forma que evitem os furtos futuros e ainda devolvam os passados para que no lugar de os ladrões os levem ao inferno que vá ao Paraíso os ladrões juntamente aos reis.
Publicado em: 08 dezembro, 2006   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    que outro grave delito é apontado nos grandes ladrões Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    pode-se tirar uma rápida manchete do texto ?? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual a origem do nome Brasil Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    contraponto os pequenos aos grandes ladrões, diz o autor: ''os outros, se furtam, são enforcados; estes furtam e enforcam''. Alem de roubo, que outro grave delito é apontado nos grandes ladrões? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Por que, segundo o autor, os ladrões "de maior calibre" nao só vão mas levam ao inferno? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    explique o sentido que esta passagem tem no texto:''o roubar com porco poder faz os piratas, o roubar com muito,os alexandres''. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Por que, segundo o autor, os ladrões "de maior calibre" nao só vão mas levam ao inferno? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual o sentido que esta passagem tem no texto: "O roubar com pouco poder faz os piratas, o roubar com muitos, os Alexandres". Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual é o principal tema abordado no texto literario do sermão do bom ladrão Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual o tema principal do sermão do bom ladrão Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. MariaNina

    ACTUALIDADE

    é o que se sente quando se lê este pequeno GRANDE livro de VIEIRA. Será que o mundo foi e sarÁ sempre assim?

    0 Classificação domingo, 11 de fevereiro de 2007
X

.