Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Resumo de Sobre a Concepção Educacional de Santo Agostinho

Sobre a Concepção Educacional de Santo Agostinho

Resumo do Livro   por:Domenico Sovano     Autor : Domenico Sovano
ª
 
A obra de Santo Agostinho (350-430 D.C) representa fundamentalmente uma tentativa de discussão dos fundamentos da religião cristã com base na filosofia platônica. Tendo assim, o platonismo como alicerce teórico, Agostinho desenvolveu e defendeu a idéia de que, como toda necessidade humana, também a aprendizagem, em última instância, só pode ser satisfeita por Deus. Acreditando que "aprender é recordar", o eminente filósofo medieval desenvolveu a teoria da iluminação divina, na qual entendia que Cristo, funcionando como mestre interior, era o responsável pela aprendizagem. Apesar de Agostinho servir-se de Platão e dos neoplatônicos para discutir as verdades da religião, não relegando portanto, toda a tradição filosófica à categoria de erro, isto não implicava que entendia ser possível discutir livremente qualquer questão religiosa, nem que situava as verdades da fé no mesmo plano do conhecimento profano. Pelo contrário, a fé na revelação divina proporciona, segundo o filósofo, o mais elevado conhecimento de que somos capazes, tais verdades não podendo ser alcançadas somente pela força da razão. Daí a consideração de Agostinho de que a doutrina da iluminação divina se constitui no fundamento último da verdade. Na doutrina do conhecimento existe uma luz interior que é a verdadeira fonte da verdade, e os objetos sensíveis, bem como as palavras são ocasiões para que se manifeste tal iluminação. Isso significa que a verdade, enquanto forma de perfeição, deriva da própria Perfeição - ou de Deus - embora possa se manifestar pela via das coisas imperfeitas. Segundo Agostinho, os homens não aprendem pelas palavras que repercutem exteriormente, mas pela verdade que ensina interiormente: o Cristo. Esta consideração pode melhor ser compreendida por meio da leitura dos capítulos XI e XII de sua obra intitulada De Magistro, da qual tiramos alguns trechos que seguem abaixo a fim de apresentar mesmo que sucintamente Agostinho por ele próprio: (.
..) Com as palavras não aprendemos senão palavras; antes, o som e o ruído das palavras, porque, se o que não é sinal não pode ser palavra, não sei também como possa ser palavra aquilo que ouvi pronunciado como palavra enquanto não lhe conhecer o significado. Só depois de conhecer as coisas se consegue, portanto, o conhecimento completo das palavras; ao contrário, ouvindo somente as palavras, não aprendemos nem sequer estas. (...) Ao serem proferidas palavras, é perfeitamente razoável que se diga que nós sabemos ou não sabemos o que significam; se o sabemos, não foram elas que no-lo ensinaram, apenas o recordaram; se não o sabemos, nem sequer o recordam, mas talvez nos incitem a procurá-lo. Diante de tudo que vimos, cabe por fim mencionar, que no que tange mais especificamente ao papel do educador, a concepção educacional de Agostinho salienta a idéia de que sendo o professor, representante de Cristo, este apenas ilumina as idéias inatas do aluno. Pois como escreve o autor ainda no De Magistro: No que diz respeito a todas as coisas que compreendemos, não consultamos a voz de quem fala, a qual soa por fora, mas a verdade que dentro de nós preside à própria mente, incitados talvez pelas palavras a consultá-la. Quem é consultado ensina verdadeiramente, e este é Cristo, que habita, como foi dito no homem interior, isto é: a virtude incomutável de Deus e a sempiterna Sabedoria, que toda alma racional consulta, mas que se revela a cada um enquanto é permitido pela sua própria boa ou má vontade.
Publicado em: 03 setembro, 2006   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    segundo a tradição platônica, Agostinho acreditava que aprender é recordar, assim desenvolveu a teoria da iluminação divina. Acreditava que cristo , funcionando como mestre interior, eram responsavel ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    cite alguma ideias que comprovem essa tesa quarta-feira, 21 de maio de 2014
  1. Responda   Pergunta  :    existem ainda segmentos da sociedade brasileira que concordariam com esse conceito?por que? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o professor ilumina as ideias inatas do aluno Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    existem ainda seguimentos da sociedade brasileira que concordam com o conceito de que o professor apenas ilumina as ideias inatas no aluno Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    existem ainda segmentos da sociedade brasileira que concordariam com esse conceito?por que? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Além do prtofessor com representante de Cristo, qual outra ideia como se dá o conhecimento do aluno Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.