Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Artes & Humanidades>Resumo de A Formação do Pensamento Sociológico no Brasil

A Formação do Pensamento Sociológico no Brasil

Resumo do Livro   por:Domenico Sovano     Autor : Cristina Costa
ª
 
No Brasil, o processo de formação, organização e sistematização do pensamento sociológico obedeceu as condições de desenvolvimento do capitalismo e à dinâmica própria de inserção do país na ordem capitalista mundial. Refletindo, portanto, a situação colonial, a herança da cultura jesuítica e o lento processo de formação do Estado nacional. No período colonial, a cultura religiosa foi utilizada como um importante instrumento de colonização, posto que, a Ordem dos Jesuítas com sua filosofia universalista e escolástica durante três séculos exerceu o monopólio sobre a educação, o pensamento culto e a produção artística que no país à época se desenvolveram, introduzindo paralelamente um sistema misto de exploração do trabalho indígena que, combinado com o ensino religioso, agiu de modo a aniquilar gradativamente a cultura nativa, submetendo as populações escravas e distinguindo drasticamente as camadas cultas daquelas que realizavam o trabalho braçal. De forma que se pode afirmar que a cultura do Brasil colonial mantém e ostenta ao longo de sua vigência um caráter ilustrado, de distinção social e dominação. No século XVIII, ocorre o surgimento e a influência das classes intermediárias, o desenvolvimento da mineração promove importantes transformações sociais, alterando a sociedade colonial que até então dividia-se em: donos de terra e administradores de um lado e escravos de outro. Surgindo ocupações novas: comerciantes, artífices, criadores de animais, funcionários da administração que controlavam a extração de minérios e sua exportação, e outras. A população livre passa a ser mais numerosa que a escrava. Essa camada intermediária livre e sem propriedades, torna-se consumidora da erudição e cultura européia, tentando distinguir-se tanto do escravo inculto como da elite colonial conservadora, contando para tanto, com o ensino praticado pelas ordens religiosas - caráter progressivo - estabelecidas em Minas Gerais a época. No campo das artes plásticas, passam a ser notadas manifestações nacionais, por meio de um barroco original e uma música de técnica surpreendente; já no que tange ao campo científico, a produção mostra-se ainda muito pequena, predominando por sua vez, ainda o saber erudito, voltado para os estudos jurídicos. No que tange ao século XIX, com a transferência da corte joanina para o Brasil em 1808, é introduzida na colônia a cultura portuguesa da época, resultante das influências do humanismo neoclassista francês e da produção cultural da Universidade de Coimbra. São fatos importantes e mencionados pela autora referentes à epoca: a criação da Academia de Belas Artes, a fundação da imprensa, o lançamento do primeiro jornal, a organização da primeira biblioteca nacional e dos primeiros cursos superiores, que em parte rompem com a cultura escolástica e literária anterior. Neste período também introduziu-se o instrumental prático destinado à formação e viabilização do aparelho administrativo do império, porém, ainda que voltada mais à praticidade, a cultura nacional continuava sendo alienada, ditada pelas formas européias, objetivando organizar o saber descritivo, funcional e ostentatório, bem como, garantir o domínio do poder imperial.
Os movimentos intelectuais e literários até meados do século XIX, apesar de tratarem de questões políticas e sociais, a terra e a nação surgiram apenas como objeto, como tema, nunca como pensamento crítico desenvolvido a partir das condições próprias da nação. Ou seja, a forma, assim como a linguagem, eram estrangeiras, só o motivo era nacional. Essa dicotomia entre a realidade vivida e o conhecimento produzido e consumido pela elite não só mantinha a prevalência do caráter ostentatório de uma cultura de elite, como caracterizava uma nova forma de alienação, responsável pelo tardio desenvolvimento da ciência no Brasil. Somente após 1870, sob pressão do que ocorria na Europa, que significativas mudanças irrompem na sociedade brasileira, mudanças essas que fundidas a ciclos econômicos decadentes provocaram a emergência do pensamento crítico que passa a ser apresentado de forma incisiva tanto na criação literária quanto na crítica social. É de grande importância para o desenvolvimento do pensamento sociológico brasileiro o desenvolvimento do capitalismo no país. O desenvolvimento das atividades comerciais e de exportação do início do século, com a formação da burguesia nacional, revolucionaram o modo de pensar da intelectualidade e da sociedade brasileira como um todo. Essa revolução decorre da necessidade da nova classe de um saber mais pragmático, menos vinculado a uma estrutura social herdada da colonização. A partir de então, verifica-se uma tentativa de ruptura com a herança cultural do passado: procura-se combater o analfabetismo, homogeneizar os valores e o discurso, criar um sentimento de patriotismo que levasse a mudanças reais na estrutura social, repudiando todo traço de colonialismo, de atraso e importação cultural. Mas apesar de podermos reconhecer que desde o final do século XIX, já se possa verificar no Brasil uma espécie de pensamento sociológico, desenvolvida por Euclides da Cunha, dentre outros, a sociologia entendida como atividade autônoma voltada para o conhecimento sistemático e metódico da sociedade, só irrompe na década de 30 do século passado, época em que o mundo liberal entrou em crise profunda e as relações econômicas internacionais mostraram suas contradições mais agudas, afinal, é no momento de crise que a crítica se desenvolve, sistematizando-se de maneira científica na sociologia.
Publicado em: 03 setembro, 2006   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    explique o contexto historico da formação do pensamento sociologico brasileiro Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    cite dois aspectos que foram fundamentais para a constituição do pensamento sociológico no mundo e no brasil? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como se deu a formação do pensamento sociológico (contradições: pensamento conservador,pensamento crítico) Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o final do seculo xix Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que pensar sociologicamente Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    por que aconteceu quando aconteceu Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    por que aconteceu Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como era o pensamento sociologico? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    UMA INTRODUCAO E CONCLUSAO DO RESUMO Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o estudo moderno,absolutista e liberal Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.