Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Ciência>Resumo de A PSICANÁLISE DOS CONTOS DE FADAS

A PSICANÁLISE DOS CONTOS DE FADAS

Resumo do Livro   por:Sanmys     Autor : Bruno Bettelheim
ª
 
A necessidade infantil da mágica fala mais alto, enquanto algumas pessoas permanecem surdas ao bom senso. Os contos de Fadas são uma dádiva de amor, apesar de toda aparência selvagem. A construção de um significado da vida de uma criança é o maior trabalho do educador e terapêuta de crianças com graves perturbações. Se as crianças fossem criadas de um modo significativo para elas, cresceriam com uma sensação maior de segurança emocional. O livro infantil tem que ter algo a acrescentar à vida da criança, através de uma mensagem contida que lhe ofereça um significado, além de entretê-la e despertar sua curiosidade através de novas idéias; deve colocar ordem nos sentimentos e em seu mundo interior, oferecendo uma orientação à sua vida futura. Ela necessita de uma educação moral, não em termos de conceitos abstratos, mas daquilo que lhe parece correto, significativo. É nos Contos de Fadas que a criança encontra esse tipo de significado.
Através dos tempos, à medida que os contos iam sendo recontados, tornaram-se mais refinados, e ao mesmo tempo apresentam significados manifestados e encobertos, atingindo todos os tipos de personalidades humanas - criança ingênua, ou adulto sofisticado. Os contos de Fadas transmitem importantes mensagens à mente consciênte, pré-consciente e a inconsciente, em qualquer nível de funcionamento. Como falam ao "ego" em formação, encorajam o desenvolvimento, além de aliviar tensões e pressões conscientes ou não. Com o desenrolar os contos validam as pressões do "id" indicando caminhos para satisfazê-los, que estão em concordância com as necessidades do "ego" e do "super-ego". Uma criança aprecia um conto de Fadas porque eles começam exatamente no nível psicológico e emocional em que se encontra. Falam das pressões que ela sente, oferecendo soluções temporárias e permanentes para as dificuldades sentidas. Ensinam que a luta contra as dificuldades na vida é inevitável e que a pessoa não se intimida; enfrenta de forma firme, decisiva, vencendo situações muitas vezes injustas e inesperadas. Morte, velhice, separação, sofrimento, problemas angustiantes devem fazer parte desse mundo que fala à mente em formação. Dilemas devem ser apresentados de forma breve e categórica. Um equilibrio entre o bem e o mal - Este é com frequencia vitorioso, com punição final - constituindo-se num fator limitado de intimidação do crime. O crime não compensa!. Não é o fato da virtude vencer no final que vai promover a moralidade, mas de que a fiigura do herói é mais atraente.
A psicanálise foi criada para capacitar o homem a aceitar a natureza problemática da vida, sem ser derrotado ou cair no escapismo. A ambiguidade de conduta - boa ou má - permite entender a diferença entre elas, reforçando o caráter para o lado positivo.Contos amorais não mostram polarização.
O impácto formativo das figuras e eventos maravilhosos dos contos de Fadas são notórios no passdo e no presente: - escritores e poetas do passado lembram suas experiências positivas. O descaso atual em relação a essa experiência intelectual, por parte dos pais é grave; ao dar a sua interpretação ao texto, tiram a oportunidade, impedem que ela encontre o significado importante à sua formação. Os contos de Fadas não pretendem mostrar o mundo como ele é - isso fica a cargo das religiões, mitos, e fábulas. O conto aconselha o que alguém deve fazer. Por isso ele é terapêutico. Cada um encontra sua própria solução, através da contemplação do que a estória representa em termos de conflitos internos nesse momento de vida. O conteúdo não precisa ter a ver com o problema vivido que parece insolúvel. Deve falar ao mundo interior. O mito não tem esse objetivo.
O que é o mundo? como viver nele? - pontos de vista adulto jamais vai satisfazer essas questões em uma criança. Sua relação nos primeiros anos de vida é anímica. Tudo tem vida. e se comporta em relação às coisas como se tivesse vida .Esse tipo de pensamento animista, segundo Piaget permanece até a puberdade, mesmo que os adultos lhe imponham um ensinamento racional. Quando os pais acreditavam que as estórias bíblicas resolviam a charada de nossa existência e de sua finalidade, era fácil fazer a criança sentir-se segura. A Bíblia dizia tudo o que o homem precisava saber: como veio a este mundo, como devia se comportar, etc. Rica em estórias como a de Jonas e a baleia, oferecia, no mundo ocidental, modelos para a imaginação.
É importante que ao ler, a criança tenha tempo para pensar, refletir e depois ser encorajada a falar sobre o assunto, permitindo assim que ela trabalhe seus problemas e sentimentos. Quanto às ilustrações, elas distraem a atenção do foco principal e a aprendizagem perde seu significado pessoal. A imaginação da criança deixa de trabalhar os "seus monstros", criar "seu" personagem.
O autor faz uma bela análise dos mais variados contos mostrando suas características e como agem na mente infantil. "A vida Advinhada a partir do interior" (O pescador e o gênio); Transformações (A Fantasia da Madrasta Malvada); Ordenando o Caos (A Rainha Abelha); Contos de dois irmãos(As três linguagens); A Integração (As três plumas); Transcendendo a infância (A guardadora de gansos) entre outras. Na 2ª parte "Na Terra das Fadas" analisa conhecidíssimos contos:João e Maria, Chapeuzinho Vermelho, João e o Pé de Feijão, Branca de Neve, Bela Adormecida, etc. Ressaltando no final a luta pela maturidade com "Cupido e Psiquê" na versão mais conhecida "O Rei Sapo", a Bela e a Fera, na versão do Barba Azul, já entrando na área dos sentimentos e emoções mais profundos.
Publicado em: 06 julho, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    nome de autor do conto dos três porquinhos? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    O CONTO "OS TRES PORQUINHOS" - Tornou-se conhecido com a animação de Disney em 1933. Como todo conto, ele tem suas raízes na narrativa popular que se transmitiu através dos tempos. terça-feira, 15 de novembro de 2011
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.