Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Entretenimento>Filmes>Resumo de Abc do Amor

Abc do Amor

Resumo do Filme   por:mauriciolimeira    
ª
 
Drama existencial em preto-e-branco dividido em três episódios, cada um produzido por um país sul-americano (Argentina, Brasil e Chile, justificando o ABC do título). O primeiro, o argentino Noite Terrível, narra o dilema de Stephens após deixar em casa a noiva Júlia, na noite anterior ao casamento. Sentado num restaurante e observando a família da mesa ao lado, começa a considerar as possibilidades que tem pela frente: pode fugir do casamento, e ser perseguido pelos irmãos de Júlia; pode casar e ver, já no dia seguinte, desaparecer o desejo e seguir uma rotina triste com uma mulher sem personalidade e sofrer as pressões da família; ou pode simplesmente dizer a verdade e fazer o que tem na cabeça. É o episódio mais interessante dos três, demonstrando ousadia e inteligência num roteiro cheio de idas e vindas no tempo, com excelente uso dos pensamentos dos personagens e alternância entre o drama e o humor (como na cena em que os irmãos de Júlia, procurando Stephens em tudo quanto é lugar, interrompem a caçada para ouvir no rádio a transmissão de um jogo de futebol), e comentários sutis que ora lembram Nelson Rodrigues ("É quase como um assassinato" , pensa Stephens, enquanto faz amor, no meio da rua, com a noiva) e surpreendem em trechos como a comparação entre o casamento e o macarrão sendo regurgitado. Como curiosidade, a semelhança física entre o ótimo ator Jorge Rivera López e o cantor Michael Stype, vocalista do grupo R. E. M.


Em Mundo Mágico, o episódio chileno, o protagonista já casou e teve um filho, mas é tão insatisfeito quanto o do filme anterior. Diretor de televisão que tem um caso com a ambiciosa apresentadora de um programa de astrologia, Jorge não consegue realizar sua paixão nem terminar o casamento fracassado. Pior: o engajamento político e a desilusão com o momento de seu país acabam intervindo em sua vida particular, principalmente durante a realização de um documentário numa favela, onde uma moradora acaba de perder o filho. A tumultuada narrativa acompanha o desespero de Jorge, o que acaba tornando o filme fragmentado e confuso. Aparentemente autobiográfico (Helvio Soto, o diretor, é também egresso da TV), Mundo Mágico desmantela a impressão de elaborada experimentação do filme anterior (que, além do bem escrito roteiro, traz uma requintada fotografia repleta de sombras), e adquire o aspecto rústico dos filmes brasileiros do movimento cinemanovista.


Finalmente, em O Pacto um jovem conquistador aposta com os amigos que conseguirá dobrar a bela Inês, virgem criada por pais rigorosos. Embora ela corresponda a seu interesse, a proibição de encontrar com o namorado secreto leva-os a furtivos encontros no cinema, no zoológico ou num elevador, que nunca chegam a termo. Ela então resolve desafiá-lo, exigindo que ele prove seu amor num pacto de morte, onde ambos tomariam veneno após irem para a cama. A despropositada história, que até pode ser rica em leituras psicológicas, teve uma realização mediana, onde o que salta aos olhos é a paisagem do Rio de Janeiro, mostrada de forma extremamente feliz no passeio de lambreta do casal, que vai da Zona Norte à Zona Sul, passando pelo Maracanã e os Arcos da Lapa, além da seqüência num dos antigos cinemas da Rua do Passeio. A trama, no entanto, pouco oferece para que o espectador sinta-se atraído, e o previsível desenlace tampouco causa a surpresa pretendida. Como curiosidade, a ponta de Pedro Paulo Rangel, novíssimo, na festa inicial, e o nome de Joana Fomm como assistente de direção, nos créditos finais.

É curioso que co-produções como essa não tenham sido realizadas às pencas pelo cinema nacional. Em debate na TV Educativa/Rede Brasil, o produtor associado Luís Carlos Pires informou que filmes como este acabavam saindo baratos, pois tinham o custo de um curta-metragem e o retorno de um longa. O formato também permite uma maior liberdade de linguagem, sendo normalmente utilizado como laboratório para exercícios de imaginação. Sem contar, no caso particular deste ABC do Amor, o registro de um momento histórico que proporciona interessantes comparações com o atual estágio de nossa sociedade: se por um lado a repressão familiar e a submissão feminina diminuíram consideravelmente com o passar das décadas, a situação dos pobres e a hipocrisia dos ricos não mudou nada.
Publicado em: 30 janeiro, 2012   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Comentário Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.