Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Negócios E Finanças>Crítica de Regimes de Capitalização

Regimes de Capitalização

Crítica do Artigo   por:lmonline    
ª
 
Regime de capitalização é o nome dado ao processo de formação de capital ao longo do tempo.

Do ponto de vista formal, existem, basicamente, dois tipos de regimes de capitalização a saber: discreta e contínua.

1.1 - Regimes de capitalização discreta

Quando operamos com regimes de capitalização discreta, os juros gerados são incorporados ao capital somente no fim de cada intervalo de tempo a que se refere a taxa de juros considerada.
Os regimes de capitalização discreta usuais em finanças são: regime de capitalização simples e regime de capitalização composta.

1.1.1 - Regime de capitalização Simples

No regime de capitalização simples, os juros são gerados exclusivamente pelo capital P inicialmente investido.
Os juros j, formados ao fim de cada intervalo unitário de tempo, expressos na taxa de juros i, são calculados por: j=P.i.

1.1.2- Regime de capitalização composta

O regime de capitalização composta é a forma de capitalização mais utilizada nas práticas financeiras no Brasil.

No regime de capitalização composta, os juros (formados no fim de cada intervalo de tempo) são gerados pelo montante existente no início de cada intervalo. Ou seja, os juros são gerados pela soma de capital P, inicialmente investido, com os juros acumulados até o fim do intervalo imediatamente anterior.

O modelo matemático associado ao regime de capitalização composta considera uma certa taxa de juros, constante, em que esta expresso o intervalo unitário de tempo, ao fim do qual os juros formados são incorporados ao capital.

1.2 - Regime de Capitalização Contínua

No regime de capitalização contínua, consideramos uma taxa de juros I, dita instantânea, referida a um intervalo de tempo infinitesimal, no fim do qual os juros formados se incorporam ao capital.

O modelo matemático associado ao regime de capitalização contínua considera que os juros - ou acréscimos de capital - dpt são diretamente proporcionais ao capital Pt, ao intervalo infinitesimal de tempo dt e à taxa I, suposta constante durante a capitalização. 

Exemplo: Na bolsa de valores, o preço de fechamento de uma ação X sai do valor de 100 para 105 em três pregões consecutivos, considerando o regime de capitalização contínua, determinar a taxa média diária de juros do evento.

F=105
P=100
n=3 dias

Sendo: F=P.E^I.N

105=100E^3.i

I= 1,6263% A.D.

Publicado em: 18 junho, 2011   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    juro infinitesimal Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.