Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Poesia>Resumo de A Rosa do Povo

A Rosa do Povo

Resumo do Livro   por:Flexa     Autor : Carlos Drummond de Andrade
ª
 
Resumo livro: A rosa do Povo de Carlos Drummond de Andrade – Ed. Record, pp. 205. Carlos Drummond de Andrade, brasileiro de Itabira - Minas Gerais está dentre os maiores poetas de língua portuguesa. A Rosa do Povo é um de seus livros de poesia mais populares, retrato vívido de uma época, escrito durante os anos sombrios da 2° Guerra Mundial, os anos de ditadura do Estado Novo no Brasil, nele encontra-se mesclado, como luz e sombra perfazem um retrato, a amargura e a esperança. Nesse livro através de seus 45 poemas, dentre eles o famoso "Morte do Leiteiro" e "Nosso Tempo", onde se fala da guerra, do abandono do homem cotidiano, dos becos escuros, resplandece, surpreendentemente, um clima de esperança. Trata-se de um livro de época, no entanto, não pensem que por seus poemas descrevem-se a alma e o cotidiano torturado na tragédia consumada da guerra e da ditadura. Pelo contrário, aí essa tragédia aparece, como interregno, no movimento maior da história na luta humana pela liberdade. Dessa perspectiva o horror da guerra, o silêncio da ditadura, a injustiça, o marasmo da vida comum são colocados em contraposição a resistência feroz, selvagem, da luta pela liberdade.
A Rosa do Povo é um livro de esperança, inveterada, militante. Cujo brilho reforça-se no decorrer do livro, transbordante em seus últimos poemas. O clima dos poemas, no decorrer do livro, parece acompanhar o próprio movimento histórico da Guerra. No início o silêncio apreensivo que precede a tempestade, depois o medo, o anoitecer, a impotência diante da tragédia, a fragilidade, a morte. Nessa hora sombria, do livro e do século, é também o momento da memória, da imaginação e da reflexão. Segue-se uma retomada, particular, de cunho autobiográfico – intimista – e em seguida, coletiva, geral, histórica. O livro e a guerra seguem para seu desfecho, no final rebrilha a esperança a força. Livro de poesia impar. Retrato psicológico vivo de uma época importante no Brasil e no Mundo.
Publicado em: 12 novembro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Comentário Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.