Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Mistério & Suspense>Resumo de Dexter: a mão esquerda de Deus

Dexter: a mão esquerda de Deus

Resumo do Livro   por:maleski     Autores: Jeff Lindsay; Beatriz Horta (tradutora)
ª
 
Dexter Morgan trabalha na polícia de Miami. É perito em borrifos de sangue. Possui uma irmã de criação, Deborah, e uma namorada chamada Rita. A sua vida seria completamente normal, e tediosa, se ele não tivesse um segredo: ele é um assassino. Mas não um simples assassino, ele é um matador de assassinos, um serial-killer de serial-killers. Isso porque o seu pai adotivo, o policial Harry, percebendo o lado sombrio de Dexter ainda na adolescência, criou regras e ensinou o filho como e a quem matar. E o código Harry ficou marcado na mente doentia de Dexter: matar só os que merecem. Pedófilos, assassinos, psicopatas, estupradores, traficantes, enfim, pessoas que Dexter sabe como pensam e agem. Eles são iguais a ele. Por isso, Dexter sabe onde encontrá-los, muitas vezes antes da polícia, para saciar a sua fome assassina.

Porém, a rotina de trabalhos periciais durante o dia e de caçador de monstros durante a noite de Dexter está ameaçada: um assassino de prostitutas aparece em Miami. Dexter percebe que este é diferente, pois atua como um artista (para Dexter), matando como ele gostaria de fazer e deixando mensagens que somente ele percebe. Dexter encontra enfim um amiguinho para brincar. Mas como parar este assassino sem revelar o seu segredo? Por que ele escolheu Dexter para brincar? Este é o desafio de Dexter neste livro. Mas a medida que vai descobrindo a identidade do Carniceiro de Tamiami (no livro; ou Assassino do Caminhão de Gelo, “ITC - Ice Truck Killer”, na tevê), Dexter vai desvendando as razões psicológicas de porque ele é assim. Dex inicia um jogo de xadrez onde o seu lado obscuro enfrenta um outro lado mais obscuro, desconhecido, dele mesmo.

Antes de ser apenas uma obra sombria para pessoas de gostos estranhos, Dexter mostra de modo superlativo algo que todos nós temos: o lado sombrio. Quantos não têm dentro de si uma voz que insiste para fazer algo errado, o Passageiro das Trevas, a Coisa dentro, o observador silencioso, o cara sentado no banco de trás do carro e que, às vezes, consegue assumir o volante? Chame de instinto animal, alter ego, tentação, desejo, o que quiser; Dexter chama de Passageiro das Trevas. Assim, não tentando livrar-se desta vozinha mas considerando-a como parte importante do seu ser, Dexter mostra ser o oposto de Raskólnikov – personagem de Crime e Castigo, de Dostoiévski –, pois enquanto para o último há uma consciência que o atormenta e sentimentos de culpa que o recriminam quando comete um crime, para o primeiro não há nada disso.

Outra análise é sobre a máscara que Dexter cria para se ajustar como alguém normal e passar-se despercebido. É um modo de demonstrar algo que todos nós fazemos: fingimos ser o que não somos para sermos aceitos em determinado ciclo. Usamos máscaras. A diferença está no grau de simulação. Dexter é o grau extremo, pois usa a sua máscara a maior parte do tempo, somente quando está matando uma de suas vítimas é que se mostra de verdade. Já parou pra pensar quando é que você se mostra de verdade?

Jeffry P. Freundlich (1952-), ou Jeff Lindsay, é casado com Hilary Hemingway, sobrinha de Ernest Hemingway, e começou a escrever por volta de 1994 em parceria com a esposa, mas veio a se destacar só anos depois no gênero suspense policial com a série de livros que traz Dexter Morgan como o protagonista. Até o momento são quatro livros: Darkly Dreaming Dexter (2004), Dearly Devoted Dexter (2005), Dexter in the Dark (2007) e Dexter By Design (previsto para 2009). A tradução do primeiro livro no Brasil aconteceu em julho deste ano com o título Dexter: a mão esquerda de Deus (PLANETA, 2008). O título brazuca ficou distante do original - algo como “Adorável Sombrio Dexter” – mas soa bem melhor aos leitores brasileiros que não conhecem a série televisiva. Remonta a referência bíblica de que a mão direita de Deus é a usada para a criação, enquanto a esquerda, para a destruição. Dexter é, assim, uma espécie de Anjo Destruidor.

Quem já seguia a série Dexter (Showtime, 2006) antes de ler o livro – atualmente ela está no começo da terceira temporada – deve se surpreender com a escrita leve de Jeff Lindsay. É impressionante como ele consegue contar de forma descontraída e carregada de humor negro, em primeira pessoa, a história de um assassino em série. Esta tática faz com que o leitor conheça os pensamentos sombrios e contraditórios de Dexter. Podemos até entender e simpatizar com o seu modo de raciocinar. A tradução de Beatriz Horta talvez contribua para a leveza também, sem erros de português e deixando as palavras latinas no original, para ressaltar a forte influência cubana em Miami. Somente o nome Deborah poderia ter sido traduzido, pois existe em nosso idioma. E também faltou uma nota da tradutora referente à brincadeira recorrente feita com o nome do policial Angel Batista, da pg. 33: “Angel Batista-sem-parentesco, como ele costumava se apresentar... sem qualquer parentesco com o outro.” O outro é o líder cubano Fulgencio Batista, deposto por Fidel Castro em 1959, com quem o policial certamente não desejava ser associado.

Leia o texto completo em www.jefferson.blog.br
Publicado em: 12 outubro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    como acaba o livro? não entendi ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    ele morre no final e the end. quarta-feira, 14 de novembro de 2012
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.