Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Referência>Resumo de A Injeção Letal, 2ª Parte

A Injeção Letal, 2ª Parte

Resumo do Livro   por:CarlosRossi     Autores: Carlos Rossi; Mega Arquivo
ª
 
O ritual desse tipo de execução de sentença começa com uma aplicação intravenosa de um sedativo, depois se segue um agente paralisante. Por fim, rola uma droga que pára o coração. A polêmica contra isso começou quando a Califórnia passou a usar a injeção letal em 1994, após um juiz ter declarado a câmara de gás cruel. Foi esse episódio que chamou a atenção para o fato de que esse tipo de morte pode não ser tão "limpo". Segundo o "PLoS Medicine", das 40 execuções por injeção letal ocorridas na Carolina do Norte, em 33 o tempo médio para que o preso morresse variava entre 10 e 14 minutos após a entrada das três drogas no sangue. "Em boa parte dos casos, os presos sentiram asfixia, sensação de queimação, desconforto e algo como se tivessem sendo atirados vivos no fogo", afirma um dos autores do estudo, o cirurgião Leonidas Koniaris, da Universidade de Miami. Alguns presos necessitaram de uma segunda dose para poderem expirar, refere o documento. O quadro é o seguinte: os tubos intravenosos que carregam o veneno da morte têm 1,8 metro de comprimento. Isso tenta garantir que os executores se mantenham a uma "distância crítica" do condenado e fiquem fora do foco de visão das testemunhas.
Por outro lado, os tubos estão sujeitos a falhas que impedem o fluxo normal da substância letal até o organismo do condenado. Uma testemunha que presenciou uma execução, na Prisão Estadual de San Quentin, contou que tudo se parece com "ver um homem tirar uma soneca por dez minutos". Apesar desse tipo de relato, os advogados de defesa dos condenados afirmam que "a injeção letal mascara uma morte dolorosa e lenta". A injeção letal é hoje adotada em 37 estados dos EUA. Sob o argumento de que é um sistema mais barato e "mais humano" que a famosa eletrocução e as câmaras de gás. Para ter uma idéia de como é comum o emprego desse método de execução, somente em 2005 um grupo de 2.148 pessoas foram mortas por injeção letal em 22 países, sobretudo na China. Nos EUA, em 2006, ocorreram 52 execuções com injeção letal - o que representa o uso desse método em quase 100% dos casos de condenação.
Publicado em: 24 julho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.