Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Referência>Resumo de Cronologia da evolução da lâmpada

Cronologia da evolução da lâmpada

Resumo do Livro   por:CarlosRossi     Autores: Carlos Rossi; Mega Arquivo
ª
 
Descarga elétrica: luz que resulta da passagem entre 2 eletrodos através de um gás. Indução magnética é o campo magnético que criado por uma bobina agita as partículas de mercúrio no bulbo, gerando luz. Incandescência- um filamento, hoje tungstênio, é aquecido a ponto de emitir a luz. Combustão – A luminosidade é obtida por meio da queima de material combustível. 40 mil anos atrás – conchas e pedras esculpidas foram usadas como lâmpadas; queimavam óleo vegetal ou animal. 400 Dc » lâmpada de metal a óleo 1853.
1853» lampião a querosene e vela de parafina. 1870» camisa incandescente para lampião.
1879 » Thomas Alva Edson usou filamento de algodão carbonizado e conseguiu uma lâmpada que durou 40 horas. 1893» lâmpada de arco fechada com bulbo. 1901»lâmpada de mercúrio.
1907»filamento de tungstênio, usado até hoje.
1910» néon que usa gás carbônico.
1919»lâmpada sem bico, o vácuo passa a ser feito pela base. 1920» holofotes para aeroportos. Bulbo fosco. Faróis de carro e lâmpadas para projeção. Coloridas decorativas.
1930» luz de bronzeamento artificial. O sódio começou a ser usado como meio luminoso, produzindo uma luz amarelada, típica da iluminação de rua. 10 mil watts para aeroportos e estúdios de fotografia. Miniaturas para uso cirúrgico. Flash para fotografia com bulbo de vidro. Lâmpada de mercúrio de alta pressão para grandes ambientes. Incandescente tubular. Fluorescente : o bulbo é revestido de um material que aumenta a quantidade de luz emitida. Refletor para teatro. Primeiro farol de carro com refletor.
1940»luz mista: mercúrio de baixa pressão e filamento incandescente. Luz negra que só deixa passar radiação ultravioleta, que faz brilhar objetos claros. Fluorescente circular com revestimento de sílica.
1950» melhorias no tubo de descarga tornaram a lâmpada de sódio a mais eficiente na conversão de energia em luminosidade. 75 mil watts para faróis de sinalização marítimos. Infravermelha para uso médico.
1960» Lâmpada de arco para projeção de cinema. Fluorescente em U. Flash em cubo. Infravermelha com bulbo de quartzo. 1970» Trifósforo: Um novo material deixou as fluorescentes mais econômicas. Lâmpada de vapores metálicos de grande potência adequada a estádios. Refletor dicróico; retém o calor da lâmpada e por isso é próprio para vitrines.
1980» Lâmpada de vapor metálico pequena para uso residencial. Miniaturas alimentadas por circuito eletrônico, para carro. Lâmpada de sódio com refletor. Lâmpada de indução magnética que dura 60 mil horas.
Década de 90» Uma nova lâmpada de sódio emitia luz branca em vez de amarelada. Lâmpada que misturava vários e sódio. Além de econômica, produzia excelente definição de cores. Fluorescentes de roscas adaptáveis ás instalações domésticas habituais.
Publicado em: 12 julho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Faltou uma boa montagem de texto, esta um pouco sem nexo mas deu pra intender e me ajudou Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como foi a evoluçâo da lâmpada ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    historia das lampadas de farois de carros voce tem ? Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.