Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Literatura Clássica>Resumo de memórias póstumas de brás cubas

memórias póstumas de brás cubas

Resumo do Livro   por:veronicamars     Autor : machado de assis
ª
 
Brás Cubas não é um autor-defunto, mas um defunto-autor. Do outro lado do mistério é que ele se lembrou de escrever as suas memórias. Foi muito original. O mundo anda cheio de boas e sensaboronas memórias de gente viva. Ou de gente morta, mas que escreveu quando ainda viva. Visão comum. Brás Cubas é diferente. Ele enxerga a vida com olhos novos. Vê a vida de fora da vida. E completamente desencantado. E sem etiquetas, sem fingimentos e sem retoques convencionais. "Escrevi-a com a pena da galhofa e a tinta da melancolia..." Aí estão os amores de Brás Cubas: Marcela, espanhola, "a linda espanhola", na boca de todos os rapazes do tempo. Era luxuriosa, sem escrúpulos para o seu tempo, impaciente, amiga de dinheiro e de rapazes. "Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos." Anos depois Marcela é apenas uma ruína com o rosto impiedosamente marcado de bexigas. E morreu num hospital a linda Marcela. E Virgilia? Os seus adulterinos amores com Brás Cubas... Era mulher de um figurão na política, o Lôbo Neves. E os amores eram acobertados pela respeitável senhora D. Plácida. As suas pretensões políticas, seus grandes planos, aquele invento maravilhoso, o emplasto Brás Cubas, divino remédio para curar a incurável melancolia humana... No todo: o retrato inteiro de um solteirão vazio e rico. No último capítulo o defuntoautor nos dá, em resumo, o seu balancete final. É o capítulo das negativas. Não, não, não... E como súmula, como fecho: "Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria."
Publicado em: 15 outubro, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.