Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de A Imanência de Heráclito

A Imanência de Heráclito

Resumo do Livro   por:Cassiano Ribeiro Santos     Autor : Cassiano Ribeiro Santos
ª
 
Dos quatro elementos naturais, o fogo é o mais associado aos ideais da transcendência: enquanto a terra e imóvel, a água, pesada, e o ar, envolvente, o fogo é imponderável e sempre se eleva; Entretanto, Heráclito possuía outro sentido para este elemento quando dizia: ... O fogo se adere àquilo que ele queima. Ele pensava este elemento como um princípio de consistência e união. Por estas e outras, Heráclito é considerado um filósofo da imanência. Deitar-se com um coveiro é o máximo de sobrenaturalidade que o espírito de certas mulheres pode conceber. De um filho nascido desta relação, elas o olhariam como se vissem um fantasma. Se fosse preciso uma razão para viver, os loucos não viveriam. ***************************************************************************** QUANDO BEIJO AS ESTRELAS - Era um morno fim de tarde, de um verão que não volta mais. Estávamos na varanda de uma casa nas montanhas e aguardávamos com solenidade o cair de uma noite inopinada. Um temporal havia levado morro abaixo nosso único poste de iluminação. A qualquer momento, uma equipe de eletricistas iria aparecer, ou talvez não. Inquieto, eu colecionava tocos de velas e tentava manter certos hábitos, como ensaiar minhas aulas matinais. Regina, mais etérea, contemplava, no banco nodoso feito com meio tronco de ipê, o caprichoso acender das estrelas. _ Eu me esforço para ter uma idéia do infinito, mas não consigo! - Comentou como se falasse para si mesmo, com o olhar perdido nas pascalinas profundezas de um céu índigo-blue. _ Um universo infinito soa tão absurdo para a minha razão... Você também não pensa assim? _ Talvez você esteja concebendo o infinito com a imaginação e por mais que você imagine uma vastidão do espaço, haverá sempre mais espaço em volta até o limite final estabelecido pelo fatal cansaço da sua imaginação... _ Então é impossível conceber o infinito? _ Enquanto quantidade, sim - eu falava como um professor - mas enquanto qualidade, não. Posso conceber uma coisa que possua, entre outros atributos, essa estranha propriedade de não ter fim, e isso sem nenhuma contradição. _ Não seria apenas um jogo semântico? Possuir um conceito de infinito significa necessariamente que algo infinito exista? _ Experimente pensar em algo que lhe seja mais íntimo: o amor, por exemplo. Você provavelmente já amou alguma vez. Seus olhos se voltaram para mim e brilharam mais do que as estrelas. _Sim! Muito! _ Seu amor era Infinito, ou tinha limites? _ Era infinito! _ Não seria apenas um jogo semântico? - Provoquei-a _Não.
Era mesmo infinito; entretanto, teve fim... Não o amo mais.
_ Você mudou, ou o seu amado, ou os dois mudaram, mas não o amor. Sempre que amamos, o amor é infinito. Como ele, também o universo não tem fim apesar da ciência confundir, na arrogância dos seus folhetins, o limite da especulação e da tecnologia com o termo final, no tempo e no espaço, do universo sideral. Eu até diria até que o universo e o amor são uma só e mesma coisa, mas você me acusaria de espinosismo ou coisa pior... _Seria infinita também a matéria do universo? _ Necessariamente! - Conclui lhe escondendo as premissas - pela eternidade afora estaremos sempre descobrindo mais e mais galáxias, novos conglomerados e distantes nebulosas. As teorias científicas terão que ser reformuladas a toda semana para estender os limites e apaziguar o espírito humano que diante do infinito e do amor, sempre treme de medo. _ Uma teoria cosmológica a cada semana! Agora entendo como a ciência é folhetinesca! _ Neste universo infinito existirá infinitos planetas iguais ao nosso, com infinitos casais em um chalé nas montanhas contemplando as estrelas, e infinitos mundos semelhantes com diferenças variando de uma lua dupla a um grão de areia, uma terra onde floresce a rosa azul, outro com desertos de ouro em pó e dragões vermelhos... _ Agora é você quem esta imaginando! _ Sim! E, como espelhos conjugados, imagino infinitas Reginas a ouvir um poeta a sonhar na varanda; talvez, em um destes mundos, exista uma capaz de amar ao modo infinito e de sentir o amor secreto a ela dedicado e capaz de inspirar infinitas palestras... Regina segurou a minha mão e comentou com um discreto sorriso: - É possivel que este mundo esteja mais próximo do que imaginamos! Eu estava definitivamente nas estrelas, com o olhar perdido no seu rabo de cometa. Lembro-me de ter concluído como se conhecesse o universo inteiro: _ Seria sem dúvida o melhor dos mundos possíveis! - E fechei os olhos à espera de um beijo! mais textos no site www.shvoong.com (em portugues) pesquise CASSIANO. para contatos cassiano.posdoc@gmail.com
Publicado em: 19 junho, 2006   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.