Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de Capitalismo Monopolista e Serviço Social

Capitalismo Monopolista e Serviço Social

Resumo do Livro   por:Naninha_Al     Autor : José Paulo Netto
ª
 

     O Serviço Social como profissão institucionalizada e legitimada, surge com a questão social, demarcado pelo estatuto das condutas assistencialistas e filantrópicas consideradas como suas protoformas. Porém, o histórico social da profissão não se esgota na questão social e sim nas suas peculiaridades no âmbito da sociedade burguesa fundada na organização monopólica.

     Na tradição marxista, está aceita que o capitalismo do século XIX experimenta modificações de ordenamento na dinâmica econômica, com reflexos na estrutura social e nas instâncias políticas da sociedade. Período histórico em que o capitalismo concorrencial dá espaço ao capitalismo dos monopólios. Esse fenômeno ficou conhecido como estágio imperialista, a partir dos estudos leniniano.

     O capitalismo monopolista eleva o sistema de contradições da ordem burguesa nos seus traços de exploração, alienação e transitoriedade histórica, segundo a crítica marxista.

     A constituição da organização monopolista viabilizou seu principal objetivo: o acréscimo dos lucros capitalista através do controle dos mercados. Assim, a organização monopólica da economia capitalista, faz crescer os preços das mercadorias e serviços, eleva as taxas de lucros nos setores monopolizados, gerando um sub-consumo e redução na taxa de lucro de investimentos gerados pela concorrência, economia de trabalho pela inovação tecnológica; por fim, o aumento da taxa de afluência de trabalhadores industrial de reserva.

     Nesse período, dois elementos fazem ingresso no cenário social: a supercapitalização, o capital acumulado cresce dificultando sua valorização; o parasitismo instaurado na vida social em razão do monopólio. O capitalismo monopolista conduz a contradição: socialização da produção e apropriação privada. Novos mecanismos no desenvolvimento vitimizam-se na acumulação e valorização capitalista e o eixo da intervenção estatal na idade do monopólio serve para garantir superlucros, e com isso, o Estado acaba desempenhando múltiplas funções.

     O capital monopolista é assim, a lógica do Estado, tendo como finalidade econômica o “comitê executivo” da burguesia que opera para a acumulação e valorização do capital monopolista.

     A política social no capitalismo concretiza-se nas lutas de classe, decorrentes da mobilização da classe operária trabalhadora, o Estado, apresenta respostas antecipadas e estratégicas a suas ações. Nessa dinâmica bipolar entre seguimentos da sociedade e Estado burguês os confrontos e conflitos são inevitáveis, distorcendo as conexões casual entre protagonistas em termos de interesses e estratégias que por sua vez, são acentuadas pelas agências privadas da sociedade inserindo novas matizes na dinâmica do setor afetado.

     Um dos problemas entre o público e o privado é o caráter público da questão social que acompanha um esforço aparentemente de natureza privada nas manifestações individuais. O Estado burguês no capitalismo monopolista converte questão social em problemas sociais.

     Assim, as estratégias de classe do Estado monopolista burguês, envolve de forma distinta as perspectivas públicas e privadas em termos de questões sociais. Na perspectiva pública quando trata questões sociais de forma massiva nas curvas do desenvolvimento econômico, e  privada nos momentos anteriores e posteriores à emergência de conjunturas críticas. Onde a perspectiva do Estado burguês no capitalismo monopolista é de consideração pública dos problemas sociais e que, o primeiro, subordina o último sistematicamente arrancando-o do ethos individualista para ressurgir com privilégios das instâncias psicológicas na existência social.

     A medida que a ordem monopólica invade e devassa esse universo simbólico e afetivo do indivíduo as mediações psicológicas entre indivíduo e sociedade, ganham peso,  e o individual passa a identificar-se com o psíquico. Surgem propostas para redefinições de características pessoais com estratégias e terapias de ajustamento. A atomização social é aceita no plano fático como alternativa de significação e valor à personalidade.

     Partindo desse processo histórico social, podemos observar o Serviço Social emergindo enquanto profissão na intercorrência de processos econômicos, sócio-políticos e teórico-culturais instaurados no espaço histórico-social. Segunda metade do século XIX, criação dos primeiros cursos de Serviço Social incorporado a atividades filantrópicas, afinadas de um instrumental de natureza técnica. Porém o que passa a ser fundamental para a profissão do S. Social é a criação de um espaço sócio-ocupacional onde o agente técnico movimenta-se  estabelecendo-se em condições histórico-sociais no mercado de trabalho.

     Podemos concluir nessa etapa que, a história da profissão, quer no campo intelectual ou da intervenção, foi marcado por vetores histórico-sociais e matrizes teórico-culturais precisas, e que, a ampliação do sistema de saber para o Serviço Social era um processo orgânico e cumulativo com incorporação de novos quadros teóricos e analíticos em sua congruência e padrão de articulação com a massa crítica. Porém, as diferentes concepções que marcaram o princípio constitutivo do Serviço Social como profissão, foi também o seu fio condutor de afirmação e desenvolvimento apresentando-lhes com base factuais para o Serviço Social: o universo problemático de demandas histórico-sociais; o horizonte do exercício profissional e a sua modalidade específica de intervenção.

    Por tanto, a prática profissional do Serviço Social foi permeada pelo sincretismo das condições histórico-sociais e teórico-ideológicas

Bibilografia:

NETTO, Jose Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social – São Paulo: Cortez, 1992.

Publicado em: 20 maio, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    porque no inicio do seculo xx pode-se afirmarvvque o capitalismo havia morrido. Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    quero saber o objetivo deste texto Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é o capitalismo monopolio? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como se organiza Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    fichamento do 2 capitulo do lvr. capitalismo emonopolista e serviço social Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    resumo do 2 capitulo do liv.capitalismo monopolista e serviço social Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é questão social segundo, josé paulo netto? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    e que o capitalismo teve contribuiu para o surgimento do serviço social Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que capitalismo monopolista Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual a inversão realizada pela profissão na construção d sua auto-imagem? E porque isso ocorre segundo o autor Veja tudo
Etiquetas :
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.