Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de Uma Ética para o Novo Milênio

Uma Ética para o Novo Milênio

Resumo do Livro   por:Vence     Autor : Dalai Lama
ª
 
Terminei de ler o livro do Dalai Lama "Uma Ética para o Novo Milênio", na sua 6ª edição. Com toda a propriedade o autor fala acerca do homem contemporâneo e sua busca pela felicidade. Esta busca da felicidade é algo inerente ao ser humano. Porém, porque, em geral, as pessoas sempre se deparam com o infortúnio? O próprio Dalai Lama fala acerca de seu exílio depois da invasão do Tibet pela China e o infortúnio vivido não apenas por ele, mas por todo o povo tibetano. O que estaria subjacente a toda esta situação de penúria? É interessante notar como por tráz do sofrimento, do carma, encontra-se o outro lado da moeda, o darma. O problema está em que olhamos a realidade apenas por um viés: Perseguimos aquilo que nos dá prazer, negando o que nos faz sofrer. Esta confusão entre prazer e felicidade tem colocado o homem contemporâneo um tanto quanto confuso. Isto porque, "prazer", numa perspectiva budista não é sinônimo de felicidade. A felicidade é vista como um processo interno que vai se manifestando à medida que conseguimos acalmar a nossa mente do torvelinho que comumente ela sempre está. É justamente esta mente com os seus apegos a coisas externas que tem gerado o sofrimento humano. Porém, em geral, as pessoas não tem a devida consciência de como a mente funciona. Nesse sentido, tornam-se vítimas da própria confusão mental, mas apontam as causas dessa confusão na exterioridade.
Segundo o Dalai Lama não temos que abrir mão de todas as benesses e conforto proporcionadas pela sociedade tecnológica. Porém, é preciso a parcimônia no uso dos bens materiais. Quanto mais mergulhamos no auto-conhecimento e na meditação, conseguimos lidar com nossos sentimentos "não tão nobres", não deixando que eles nos dominem. E nesse sentido passamos também a não querer dominar pessoas e nos apegar aos bens materiais que conquistamos ou queremos conquistar. Deixamos de projetar no exterior o nosso lado "sombra" que inconscientemente ou alienadamente projetamos. Assim, a paz e a felicidade pode ser percebidas em nossa interioridade, conforme sempre foi colocado pelas tradições religiosas em geral, não apenas pelo budismo. Portanto, o Dalai Lama chama a atenção para que a paz e a felicidade que redundam na conduta verdadeiramente ética, devem ser cultivadas na interioridade de cada um para depois serem disseminadas pela coletividade. Esse esforço pessoal de cada um e de todos é o que de fato pode construir uma sociedade mais humana.
Publicado em: 29 fevereiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.