Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de A sabedoria nossa de cada dia - Os segredos do Pai-Nosso 2

A sabedoria nossa de cada dia - Os segredos do Pai-Nosso 2

Resumo do Livro   por:marcelladrio     Autor : Augusto Cury
ª
 
O homem mais complexo que transitou nessa terra, Jesus, queria na fascinante oração do Pai nosso, aproximar ao máximo Deus do ser humano. Queria que um olhasse nos olhos do outro, que se admirassem, tivessem momentos únicos. Cada ser humano ganhou um status inimaginável, converteu-se num ator exclusivo, num tesouro extraordinário apesar de seus defeitos. O Mestre dos Mestres enfatiza que, quando esses tesouros silenciarem sua voz no teatro do tempo, eles continuarão encenando a peça da existência num teatro interminável. É um projeto espantoso. O autor deste livro “A sabedoria nossa de cada dia – Os segredos do Pai nosso dois” Augusto Cury, aponta que a análise psicológica e filosófica desse projeto demonstra que o Deus todo-poderoso usa a transcendência da morte para estancar o drama da perda. Jesus discorria sobre a vida eterna com uma freqüência e profundidade maiores do que as dos religiosos da atualidade. Para ele o que estava em jogo era a superação do fim da existência, a superação do fenômeno psíquico da solidão. O homem Jesus era instigante, um especialista em romper o conformismo. Ele não ensinava passivamente: provocava a sede psíquica, a busca pelos segredos da existência, o esfacelamento do autoritarismo religioso.
Cada parábola aguçava a curiosidade, colocava combustível na sede de desvendar de homens e mulheres, intelectuais e iletrados, puritanos e transgressores. Cada frase curta provocava o apetite intelectual. Seus discípulos eram rudes, toscos, incultos, impulsivos, desprovidos de generosidade e de afetividade. Mas diariamente Jesus os abalava. Mas devido à convivência e sabedoria de Jesus se tornaram homens dignos e honrados. Jesus nos diz na oração do Pai nosso conforme descreve o livro que Deus eloquentemente proclamava sentia uma necessidade inquietante de se relacionar com o ser humano, independentemente de sua religiosidade e ética. A procura por Deus não nasce da fragilidade psíquica do ser humano ou do entorpecimento religioso, mas dos vales mais profundos dos inconsciente das raias mais íntimas da solidão. É um livro fascinante onde podemos compreender o grande amor de Deus por nós.
Publicado em: 25 fevereiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. Rafael

    Interessante

    Oi Marcella muito interessante seu resumo realmente precisamos buscar entender melhor a Deus.

    0 Classificação segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008
X

.