Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de O despertar da águia: o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade

O despertar da águia: o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade

Resumo do Livro   por:Naninha_Al     Autor : Leonardo Boff
ª
 
O despertar da águia o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade O despertar da águia é um prolongamento da metáfora da condição humana escrita anteriormente pelo autor, a águia e a galinha, sendo estas, representadas nessa nova versão como dia-bólico e sim-bólico, num processo contínuo de estruturação do universo e da história da pessoa humana em seus quinze bilhões de anos de evolução. O autor procura situar-nos sobre o significado dos termos, sim-bólico e dia-bólico , a nós, interessa o sentido que estes expressam no contexto. O sim-bólico toma o sentido de lançar coisas de forma que permaneçam juntas, reunidas as realidades a partir de diferentes pontos com focos e forças numa mesma direção. O dia-bólico também lança, só que de forma desagregada e sem direção. É por conseguinte, o oposto, desconcerta, separa desune. Por esse prisma conclui que na vida pessoal e social a trama dessas duas dimensões estará sempre presente sem que aja anulação ou suplantação total uma da outra. O autor afirma que essas duas dimensões são princípios estruturadores da natureza e do cosmos, dos comportamentos sociais e da própria natureza humana. Ilustra sua afirmação com um exemplo na natureza, onde esta, ao tempo em que apresenta característica de harmonia e beleza (cosmos), também apresenta suas características de parasitismo, concorrência, oposição, ou seja: desequilíbrio e desorganização. E é justamente essa dualidade, que torna os processos evolutivos dinâmico, produzindo cenários de esperanças ou de tragédias, conforme o lado que penda: sim-bólico ou dia-bólico. Na vida humana essa tendência também não difere, encontramos em nossa formação humana o homo sapiens, homem inteligente e sábio evoluindo ao sapiens sapiens, sábio-sábio, na metáfora do autor, o sim-bólico. Mas também encontramos o demens demens, o homem privado da razão, capaz de ser suicida, homicida e etnocida, ou seja, o dia-bólico. Para o autor, o grande desafio é o de construir ou reconstruir o humano utilizando essas duas dimensões como ponte para uma terceira que suscite, apesar da contradição existente, ordem e harmonia, capaz de impulsionar o motor secreto da evolução e de todo movimento universal num diálogo entre águia e galinha, dia-bólico e o sim-bólico, caos e cosmos, numa tentativa de integração da totalidade, aberta e esperançosa face à crise que a todos penaliza e que por isso mesmo, sugere um aperfeiçoamento.
No dia-a-dia, a dimensão galinha e águia, de uma forma ou de outra se faz presente em nossa vida. Na dimensão-galinha nos percebemos quando visualizamos em nós limitações, falta de perspectivas, limitamos horizontes e desesperançamos com pessoas. Já na dimensão-águia, o vislumbre é impulsionador, são nossos sonhos, projetos e desejos ardentes que mesmo com entraves e frustrações, nunca morrem em nós. Porque a águia em nós, busca alturas e luta para viver e para criar! Na obra do Leonardo Boff, um dos seus maiores chamamentos é para a grande importância do homem no processo de continuidade ou extermínio do planeta e da vida humana. Lembrando o autor que, o ser humano pode exterminar a terra se continuar a depredá-la, se teimar em acumular mais poder-dominação que sabedoria, se estimular mais egoísmo que cooperação. Excedendo-se no seu impulso dia-bólico, devastará o planeta numa autodestruição da espécie. Mas também, poderá ser o anjo guardião da terra e completar a obra Divina, com o seu lado águia, respondendo pela abertura, preservação e evolução responsável do planeta, por gozar de uma relativa autonomia , distinta de outras espécies. Por isso, o ser humano é capaz de optar pelo sim-bólico, no afã de despertar a águia dentro de si, rumo a uma nova fase da humanidade, mais humana e mais fraterna. Bibliografia: BOFF
, Leonardo - O despertar da águia: o dia-bólico e o sim-bólico na construção da realidade – Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.
Publicado em: 10 fevereiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    Como se leciona na Agrade Avançada? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual apagina do livro que o autor dizque a aguia em nos busca alturas e luta para viver e para criar Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    QUERIA SABER SE TEM OUTRO RESUMO MAIS PEQUENO PQ EU ENHO QUE COPIAR PARA TRABALHO DE ESCOLA Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Quais os principais fatores que contribuíram, para que a humanidade provocasse as modificações ambientais que comprometem a vida no planeta? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    mais sobre a aguia e a galinha ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    vc pd midise qe inventou a fotografia terça-feira, 11 de janeiro de 2011
Traduzir Enviar Link Imprimir
X

.