Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: Esboço de uma interpretação histórico-metodológica

Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: Esboço de uma interpretação histórico-metodológica

Resumo do Livro   por:Naninha_Al     Autores: Marilda Iamamoto; Raul de Carvalho
ª
 
Neste trabalho os autores buscam analisar e aprofundar o Serviço Social como profissão na sociedade capitalista brasileira no período de 30 a 60. Visualizando a profissão dos Assistentes Sociais, inserida no processo de reprodução das relações sociais. Se afirmássemos que a Instituição S.Social é produto da realidade social mais abrangente, expressaríamos apenas um anglo da questão, a profissão se afirma como instituição peculiar na e a partir da divisão do trabalho social, respondendo as necessidades sociais derivadas da prática histórica das classes sociais na produção e reprodução dos meios de vida e de trabalho de forma socialmente determinada. Assim, ao produzirem os meios de vida, os homens produzem sua vida material onde o grau de desenvolvimento da divisão social do trabalho expressa o grau de desenvolvimento das forças produtivas sociais do trabalho. O S.Social surge como um dos mecanismos utilizados pelas classe dominantes como meio de exercício de poder na sociedade, modificando-se em função das características diferenciadas da luta de classes e das conseqüências do capitalismo. Tendo o trabalho como potência que só se exterioriza em contato com os meios de produção, só sendo consumido, ele cria valor. O consumo dessa força de trabalho pertence ao capitalista, do mesmo modo que lhe pertencem os meios de produção. Onde o trabalhador sai do processo de produção da mesma maneira como entrou, como mera força de trabalho, como fonte pessoal de riqueza para outros e assim verifica-se que até os seus meios de vida estão monopolizados também pela classe capitalista onde os trabalhadores entregam diariamente o valor de uso de sua força de trabalho, gerando na classe trabalhadora uma antítese consigo mesma, os próprios meios de sua dominação, é a sua condição de sobrevivência. Nesse contexto observa-se que capital e trabalho assalariado se criam mutuamente no mesmo processo e onde este processo de produção capitalista é ao mesmo tempo um processo de relações sociais entre classes. Como a totalidade da vida social na reprodução do capital supõe a recriação ampliada da classe trabalhadora e do poder da classe capitalista, esta também é responsável pela geração de uma reprodução ampliada da pobreza e da riqueza que permeia as relações de classes a qual se expressa na luta de classe. Com o exposto, os autores procuram explicitar como o próprio processo de exploração produz a sua legitimação e como, através da prática política, este descompasso no funcionamento da sociedade pode ser superado. O S. Social no Processo de Reprodução das Relações Sociais. O S. Social como instituição componente da organização da sociedade, reproduz pela mesma atividade, interesses contrapostos, respondendo tanto a demandas do capital como do trabalho e só pode fortalecer um ou outro pólo pela mediação de seu oposto. Tanto participa dos mecanismos de dominação e exploração como da resposta às necessidades de sobrevivência da classe trabalhadora e da reprodução do antagonismo nesses interesses sociais, reforçando as contradições que constituem o móvel básico da história, estabelecendo uma estratégia profissional e política para fortalecer as metas do capital ou do trabalho não o excluindo do contexto da prática profissional uma vez que as classes só existem inter-relacionadas, por essa razão é que existe a possibilidade de viabilização do profissional colocar-se no horizonte dos interesses das classes trabalhadoras.
Para tal, o S. Social se desenvolve como profissão reconhecida na divisão do trabalho no cenário do desenvolvimento industrial e da expansão urbana. No Brasil afirma-se como profissão integrada ao setor público frente à ampliação do controle e da ação do Estado junto à sociedade civil. Através da Portaria 35, de 19/04/1949, do Ministério de Trabalho, Indústria e Comércio, o S. Social é enquadrado no 14º grupo de profissões liberais. Porém, apesar da regulamentação, não apresenta uma tradição de prática peculiar às profissões liberais na acepção corrente do termo. Historicamente, ele não é um profissional autônomo que exerce independentemente suas funções, porém não exclui os traços que marcam uma prática liberal que viabilize em seus agentes especializados uma certa margem de manobra e de liberdade no exercício de suas funções institucionais. Um código de Ética. Na relação e no contato direto com os usuários, abri-se a possibilidade de reorientar a forma de intervenção e da interpretação do papel desse profissional. Com a indefinição do que é e do que faz, abri-se ao A.Social a possibilidade de apresentar propostas de trabalho que ultrapassem a demanda institucional. Porém, dentre as organizações institucionais que mediatizam o exercício profissional dos Assistentes Sociais, o Estado ocupa uma posição de destaques por ser tradicionalmente um dos maiores empregadores desse profissional no Brasil. Em suas origens, o S. Social no Brasil está intimamente vinculado a iniciativas da Igreja especialmente de sua parcela feminina, predominantemente vinculada aos abastados setores da sociedade. Sua ideologia é justificada na doutrina social da Igreja configurando-se com um caráter missionário à atividade profissional. Dentro da perspectiva profissional de apostolado social a vocação de servir é concebida como uma escolha, oriunda de um chamado, justificado por motivações de ordens éticas, religiosas ou políticas, só podendo aderir indivíduos dotados de certas aptidões particulares e dispostos a engajar toda a sua vida em um projeto que, antes de ser um trabalho, é uma missão. Dessa imagem deriva-se o caráter missionário da figura do profissional que vem desenvolvendo suas atividades nas qualificações da linha divisória da profissão que se desencadeia por motivações puramente pessoais e idealistas.
Publicado em: 13 janeiro, 2008   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    O significa o processo de reprodução?? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    a origem do serviço social no brasil está intimamente vinculada a Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Qual foi a marca desta relação na produção capitalista? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    esse resumo responde o q e o serviço social onde e como e por ele acontece sua atuaçao Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que quer dizer relaçao social e suas marcas na produção capitalista? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    São as relações estabelecidas no ambiente de trabalho, do patrão com o empregado, onde o operariado vende suas forças produtivas para o burguês em troca de um salário. terça-feira, 24 de setembro de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    isso e serviço social? ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    Sim. O serviço social é o conflito do capital e o trabalho . E os meios de produção são reflexos do sistema capitalista , cujo desenvolve a reprodução social pela produtividade de de consumo para atender as necessidades na sociedade . OOKK garotinha !! terça-feira, 19 de março de 2013
  1. Responda   Pergunta  :    o quer dizer relaçao social e suas marcas na produçao capitalista? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual o perfil do assistente social formado pela primeira escola de serviço social no inicio do sec.xx 1901-1950 Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    oque significou o processo deromanizaçao implantada pelo igreja catolica serviço Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qual a importancia/influencia da igrejacatilica na formaçao social no Brasil Veja tudo
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 4. vanda

    sobre o esboço

    Muito bom e claro o texto. Esta servindo para meus trabalhos escolares

    3 Classificação quarta-feira, 24 de agosto de 2011
  2. 3. Naninha_Al

    Agradecimento

    OLÁ SHEYLA, AGRADEÇO O COMENTÁRIO, É SEMPRE BOM SABER, QUE PODEMOS CONTRIBUIR COM UM POUCO DE REFLEXÃO EM QUALQUER ÁREA. ABRAÇOS

    3 Classificação segunda-feira, 28 de setembro de 2009
  3. 2. Embuscaderespostas

    Sheyla Assis

    Bom saber que profissionais do serviço social, estão escrevendo em uma linha filosófica, inteligente,fugindo do tradicional. Parabéns.

    2 Classificação sábado, 26 de setembro de 2009
  4. 1. João Augusto de Araújo

    Coméntário

    Creio que o resumo possa contribuir com a busca de aprofundamento para aqueles que estão ou desejem atuar no Serviço Social. Vale como encaminhamento de idéias.

    13 Classificação quinta-feira, 24 de janeiro de 2008
X

.